Tensão entre a propaganda e a realidade na crise do governo paulista com as polícias estaduais 18

Tensão entre a propaganda e a realidade na crise do governo paulista com as polícias estaduais

REDAÇÃO – ESTADÃO

08 de novembro de 2019 | 09h26

Rafael Alcadipani, é professor Adjunto da EAESP-FGV, External Fellow no Cardiff Crime & Security Research Institute – Cardiff University e associado pleno ao Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

O governo do Estado de São Paulo conseguiu um feito para poucos na gestão pública: em um cenário de escassez orçamentária e de crise econômica, foi capaz de fornecer um aumento de 5% para policiais e agentes penitenciários, ao custo de 1,5 bilhões ao erário público, e ao invés de colher os louros deste aumento na categoria gerou uma grande revolta. Para entender o que está acontecendo é necessário pensarmos a lógica que perpassa a atual política de segurança pública do Estado.

A despeito da pujança econômica de São Paulo, os policiais e agentes penitenciários possuem salários e condições de trabalho muito aquém do que era de se esperar. Há muitos anos os salários dos trabalhadores da área de segurança pública não recebem sequer a reposição da inflação. Há uma crônica falta de reposição de efetivos que faz com que policiais tenham que atender a uma maior demanda com menores recursos humanos e materiais. Não é incomum que policiais do Estado paguem do seu próprio bolso o conserto de viaturas, ou consigam algum comerciante que arque com o reparo. Os processos de trabalho ainda são extremamente burocráticos e pouco atualizados. Os sistemas de informação são pouco integrados. Há um número inaceitável de suicídios de policiais.

Durante as eleições, o atual governador lançou algumas grandes ideais para a segurança pública do Estado: a criação de BAEPs, batalhões policiais padrão ROTA, o aumento do número de delegacias da mulher (DDM) e a privatização de presídios. Nunca foi apresentada a sociedade nenhum estudo que mostrasse os dados, os fundamentos e as análises que justificam estas ações para a Segurança Pública do Estado.

Na prática, BAEPs estão sendo criados e planejados para áreas do Estado que não possuem a necessidade deste tipo de programa de policiamento, tanto porque não possuem alto grau de violência quanto porque os BAEPs precisam de recursos humanos que na realidade não estão disponíveis na PM. Com isso, estão sendo realocados policiais para compor este tipo de programa de policiamento deixando áreas mais sensíveis e necessárias como as rádio patrulhas desguarnecidas. BAEPs ainda concorrem com um programa de policiamento que existe e dá resultados: as Forças Táticas, estruturas muito mais enxutas.

As DDMs estão causando o mesmo impacto: elas consomem recursos de uma polícia que está com um número muito alto de claros de pessoal. A violência contra a mulher é um grave problema no Estado, mas isso não se resolve com a criação e abertura de DDMs, pois na prática muitas não possuem demanda que justifique a sua abertura 24 hs. Há formas mais inteligentes e racionais de lidar com a questão da violência contra a mulher, como a criação de equipes volantes especializadas no atendimento deste tipo de crime. As privatizações dos presídios, tema polêmico e que está longe de ser simples como apresentado pelo governador, tem encontrado resistências no Poder Judiciário e do Tribunal de Contas do Estado. Na prática, as promessas de campanha do governo estão mais fundamentadas em achismos do que em estudos técnicos aprofundados ao mesmo tempo que estão colocando mais pressão nos escassos recursos das polícias de São Paulo. As consequências ao longo prazo das práticas dos programas do atual governo é as polícias utilizarem mais recursos de todos os tipos para gerar um resultado menor.

Além disso, o governador, por diversas vezes, disse que faria da polícia de São Paulo uma das mais bem pagas do país. Mas, ofereceu um reajuste de 5% sem mostrar uma proposta clara e estruturada a respeito de como chegará ao objetivo de pagar aos policiais um salário maior. A sensação, mais uma vez, é de que faltam ações concretas e que a imagem vale mais do que a essência. Há em São Paulo uma redução importante de boa parte dos indicadores criminais. Porém, o mesmo tem acontecido em diversas unidades da federação. Como possuímos raros estudos com rigor científico que mostre o que está causando a redução dos indicadores, não é possível dizer ao certo quais fatores estão realmente gerando a redução dos crimes. Não há dúvida que o trabalho da polícia tem ajudado nisso, mas isso tem muito mais a ver com a continuidade do trabalho dos comandos e dos policiais do que de da política de segurança pública do governo do Estado.

O Governo gastou milhões em uma peça publicitária das polícias de São Paulo que mostram uma realidade que não é a que se apresenta nem aos policiais, nem a população. A sensação dos policiais é que se quer vender uma realidade que não existe. Assim, a atual crise entre governo e polícias é fundamentalmente uma crise de credibilidade onde os policiais não percebem que a propaganda do governo corresponde a realidade. É urgente que o Governo de São Paulo faça política de Segurança Pública com base em estudos técnicos aprofundados e que haja um ajuste entre imagem que se quer vender e a realidade.

https://politica.estadao.com.br/blogs/gestao-politica-e-sociedade/tensao-entre-a-propaganda-e-a-realidade-na-crise-do-governo-paulista-com-as-policias-estaduais/?fbclid=IwAR0TzuB6o04EEuq-wjuFqlnIEo2gMaCbHn72FblC1dnl85lM6ZStOmuNUis

  1. TEM FAZER ISSO NAS TVs SEM DÓ……..SERÁ QUE ALGUM SINDICATO SE HABILITA????????

    Curtir

  2. O problema é que a política está infiltrada na polícia, coisa que não pode nem deve acontecer.
    As policiais não podem ser instituição aberta para outras crucifica lá.
    Vejo policiais crucificados e mal rotulados por advogados, pelos políticos e população, e aquela velha frase:” você sabe com quem você está lidando? Vou na corregedoria…” Isso é um absurdo, policial sendo coagido a trabalhar, policial tem que ser respeitado, e não como mero escudo entre rico e pobre, político de esquerda e de direita.
    Polícia tem que ser instituição independente e valorizada senão o Brasil vai pro fundo do poço.
    Oficiais e Praças, Delegados e Carteiras Preta que tem peito tem que entrar na política ao invés da política entrar na polícia. Exemplo disso é o Oficial da Reserva Jair Bolsonaro que Presidente da República colocou as Forças Armadas lá em cima…

    Curtir

  3. Pena que a maioria da população nem de ler gosta, quanto menos se interessa por assuntos políticos ou policiais…, estamos por contra própria e a própria sorte…

    Curtir

  4. NATUREZA: MORTE DE POLICIAL MILITAR DE FOLGA
    SIOPM: 19164
    QTR: 23h22
    BTL: 39º BPM/M
    CIA: 1ª
    DP: 32º DP
    QTH: Acesso Radial Leste – Centro, 900 – Itaquera/ SP.
    HISTÓRICO: O Sd 2ª Classe PM 181750-7 David da Silva Santos, pertencente ao efetivo da Escola Superior de Soldados, lotado pela fase do específico no CPA/M-4, de folga foi intervir no Roubo da motocicleta Yamaha/Fazer BZG-8799, quando ao sacar a arma foi confundido com um dos criminosos, por uma equipe de Polícia Técnico Científica que estava próxima do local no momento dos fatos. O Sd PM Da Santos foi baleado no pescoço e foi socorrido pela UR-03216 ao Hospital do Planalto, porém veio a óbito.

    Curtir

  5. O Bozo e o Doriana poderiam prejudicar só os FDPs que votaram neles, e deixar o resto em paz! pronto falei… kkk

    Curtir

  6. O povo gosta da polícia mas somente nos programas policiais como Datena.
    De resto é resto.

    Curtir

  7. POLÍCIA CIVIL

    GARRA / DOPE

    OCORRÊNCIA ENVOLVENDO POLÍCIA CIENTÍFICA

    Por volta das 23:00 hrs, as equipes do Grupo 90 do Garra, coordenadas pelo Dr xxxx, foram acionadas via Cepol para se dirigirem à rua Cassiano Gabus Mendes, Itaquera, tendo em vista uma ocorrência envolvendo agentes da Polícia Técnico Científica e Policiais Militares.

    O Garra Piloto para lá se deslocou, contatando tratar-se de uma esquina (Cassiano Gabus Mendes X Av. Radial Leste), sendo que neste local estavam parados 3 veículos, respectivamente: 1 viatura da Polícia Científica, patrimônio S1144, prefixo IML02, 1 GM Celta cor prata, placas AXO4759 e 1 táxi GM Spin, placas GJU3479.

    O local já encontrava-se preservado por viaturas da Polícia Militar, e ao solo uma grande quantidade de substância hematóide.

    Segundo o apurado, os agentes xxxx e xxxxx (fotógrafo e auxiliar de necropsia) componentes da vtr IML 02, estavam parados no semáforo existente no sítio dos fatos, quando avistaram a motocicleta modelo Yamaha/Faser, cor preta, placa BZG8799 sendo roubada por dois indivíduos desconhecidos.

    Neste instante o fotógrafo policial xxxxx, desceu da viatura para abordar os roubadores, instante em que percebeu outros indivíduos saindo do interior do veículo GM Celta, que também estava parado no semáforo, sendo que ambos também estavam armados.

    Acreditando tratar-se de outros roubadores, o fotógrafo policial xxxxx efetuou diversos disparos contra o trio do GM Celta, logrando alvejar um deles (xxxxx) no braço e no pescoço.

    Após os disparos, o fotógrafo percebeu tratar-se de policiais militares descaracterizados, que também desceram do GM Celta para efetuarem a prisão dos ladrões da moto.

    A motocicleta em questão foi levada pelos roubadores, e a vítima ajudou a fazer massagem cardíaca no Policial Militar baleado, que na sequência foi socorrido ao PS Planalto pela UR03216, encarregado xxxx, entrando em óbito logo em seguida.

    A ocorrência foi apresentada no 63º DP, sendo que o Delegado do plantão, Dr xxx, determinou o encaminhamento de todos os envolvidos à Corregedoria da Polícia Civil.

    O local foi preservado pela equipe Garra 95, patrimônio 27388, e pela PM patrimônio 39109.

    A perícia foi realizada pela equipe S0929, perita xxx.

    A testemunha xxxxx, que conduzia o táxi acima descrito, e que também encontrava-se parado no mesmo semáforo, ratificou a versão dos agentes da Polícia Científica.

    A ocorrência foi apresentada na Corregedoria da Polícia Civil, pela policial militar xxxx.

    Até o presente momento 06:30 hrs a ocorrência presidida pelo Delegado da DOP, Dr xxxxxxx não fora finalizada, nem tampouco decidida a natureza do RDO n xxx/19.

    Curtir

  8. Boa Tarde!

    Senhoras e Senhores.

    Não é de hoje que governantes vêm menosprezando a Polícia Civil.

    Encontramos esse déficit de efetivo, equipamentos e salários desde a década de noventa.

    Estamos vendo a décadas Cargos, Promoções e Vencimentos sendo suprimidos acintosamente pelos governantes e isto reflete vertiginosamente nas investigações de crimes pois sem efetivo e investimentos não há como se falar em elevação de pontos positivos.

    Policiais Civis à anos sofrem com pressões psicológicas e funcionais, pois além do seu efetivo estar sempre aquém do desejado, na sua grande totalidade encontra-se também sucateada.

    Governantes entram e saem e seguem a mesma cartilha do “Faz-me Rir”. Deturpam a mente da população, gastam fortunas com propagandas ineficentes e o dinheiro público se esvaindo pelo ralo em obras fantasmagóricas e até fraudulentas.

    Vemos uma crescente linha de corrupção insolúvel e vergonhosa.

    Agora depois desta incompetente administração sem punição, alegam que acharam a fórmula do sucesso, pois além de achatarem salários querem também acabar de vez com a nossa aposentadoria.

    Quando uma administração pública se torna duvidosa ou equivocada, unilateral e que não respeita seus funcionários tampouco a sociedade percebemos que já estamos no fundo do poço pois ela deve sofrer intervenção, cassação ou impeachment.

    Caronte

    Curtir

  9. Já que o Dória deu 54 % de aumento para os professores, vai aqui uma sugestão: 5 + 45 + 50 = 100 %.

    Pois bem ele deu 5% a partir de Jan/2020, para fazer a polícia de S.Paulo a mais bem paga do Brasil, ele vai dar (VAI DAR) mais 45 % a partir de Jan/2021 e depois ele vai dar (VAI DAR) mais 50 % a partir de Jan/2022. Assim um Delegado terá salário inicial de R$ 22.000,00 e um Investigador/Escrivão passará para R$ 8.600,00 iniciais. Certo ?

    Curtir

    • Na boa… Deve ser mal de Wagner. Vc idolatra esse asno na Presidência e o outro não para de falar Lula livre, golpe e etc. Vcs dois são um porre!!!

      Diz aí agora o ligeirinho… Cadê o BolsoDoria? Vai começar a espalhar Fake News por aqui? Não vai assumir o filho agora? Tudo sob o pretexto de combater o “comunismo”!

      O Guerra matou a pau… Para de vir comentar depois das pingas…

      Curtir

  10. 5% e de sobremesa aumento para 14% do desconto previdenciário.
    Vamos aguardar o que os deputados policiais vão fazer para enfrentar esse descalabro.
    JD mil vezes fdp.

    Curtir

  11. Quem achar que vai se aposentar com integralidade e paridade vai se ferrar porque a PEC 18/2019 do Doria vai passar junto com o PLC 80/2019. Ele vai fritar todo os babacas que votaram nele. Todas as emendas já foram rejeitadas os projetos vão ser votados antes do recesso da ALESP. O peão vai ter que aguardar a aposentadoria em serviço: fim do período de 90 dias(tome!).
    No mínimo, uma greve geral dos servidores estaduais para comemorar.

    Curtir

Os comentários estão desativados.