Rede Globo dá mais uma lição de direito e moral para o presidente mistificador: A GLOBO NÃO PRECISA DO GOVERNO! 28

“Não temos débitos fiscais”, diz Globo após ameaça de Bolsonaro

Logotipo da TV Globo - Reprodução/TV Globo

Logotipo da TV Globo Imagem: Reprodução/TV Globo

Ricardo Feltrin

Colunista do UOL

02/11/2019 00h09

Procurado pela coluna, o Grupo Globo, por meio de sua assessoria, respondeu com uma nota oficial às ameaças que o presidente Jair Bolsonaro fez nos últimos dias.

Inimigo figadal da emissora, ele disse em entrevista que era “possível” que não aconteça a renovação de “uma empresa” que precisará renovar seu contrato (concessão) em breve. Também disse que “órgãos de imprensa” jogam pesado para tentar tirá-lo do “combate”.

[ x ]

Bolsonaro aparentemente alude a supostas dívidas da emissora com o governo federal. A Globo diz que não deve ao governo federal e que paga todos os seus impostos.

Além disso o governo federal também deve à emissora.

A renovação das TVs abertas é feita de 15 em 15 anos, e a próxima da Globo ocorrerá no segundo semestre de 2022, já no fim do mandato do chefe do Executivo. Bolsonaro já havia feito ameaças anteriores e citado especificamente o ano de 2022 —caso em que só a Globo se encaixa.

“Tem empresa que vai renovar seu contrato brevemente, eu não vou perseguir ninguém. Quem estiver devendo, vai ter dificuldade. Então os órgãos de imprensa jogam pesado para ver se me tiram de combate para facilitar sua vida”, comentou o presidente em Abu Dhabi no último dia 29.

“O Grupo Globo paga todos os seus impostos e não tem débitos fiscais. A empresa questiona administrativamente ou em juízo algumas cobranças do Fisco, como garante a lei, por entender que são indevidas”, respondeu o Grupo Globo (veja íntegra abaixo).

Congresso é que dá palavra final

Apesar da ameaça de Bolsonaro, não é o Executivo que decide sobre a revogação de uma concessão de TV aberta ou de rádio, e sim o Congresso.

Uma eventual não renovação dependeria dos votos de dois terços da Câmara e do Senado, em votação nominal. (342 e 54 votos, respectivamente).

As ameaças de Bolsonaro acontecem após o governo federal ter reduzido em seu primeiro ano —e muito— a publicidade federal nas TVs abertas.

No entanto a publicidade federal não representa nem sequer a 5% do faturamento da TV Globo.

Hoje o Brasil tem mais de 500 concessões de TV e quase 10 mil de rádio.

O Grupo Globo tem 5 emissoras próprias e 117 afiliadas que são propriedade de outros grupos e famílias.

Ainda há mais de 2.300 canais a serem explorados país adentro

No último dia 30 foi lançada ainda a Frente Parlamentar de Telecomunicações, com assinatura de 256 parlamentares.

Ou seja, o Congresso agora tem um organismo para acompanhar os movimentos no setor. Inclusive os do Executivo.

Leia a nota oficial do Grupo Globo, enviada à coluna:

“O Grupo Globo paga todos os seus impostos e não tem débitos fiscais. A empresa questiona administrativamente ou em juízo algumas cobranças do Fisco, como garante a lei, por entender que são indevidas.

E acatará e cumprirá integralmente as decisões finais, quaisquer que sejam os processos.

O Grupo Globo cumpre rigorosamente as suas obrigações legais e é reconhecido nacional e internacionalmente pelas boas práticas que caracterizam a sua gestão. Grupo Globo.”

Quem neste País é digno de Pena? 4

Boa Noite!

Senhoras e Senhores.

Quem neste País é digno de Pena?

Certamente muito dirão que os dignos de pena são: os desempregados; os trabalhadores sem clalificação profissional; os assalariados; os pedintes e moradores de rua; ou seja, somando-se os quase três terços da população nacional!

Pois bem!

Nosso País não é só o mais rico do planeta, ele também é abençoado quer seja na sua posição geográfica, biodiversidade ou recursos minerais, porém, devido ausência de uma verdadeira vontade política, sua riqueza se concentra nas mãos de uma minoria e, essa minoria além de concentrar “riquezas” ainda assim, desde o nosso descobrimento, teimam em controlar o dinheiro dos impostos. Pois estes, através de seus indicados politicamente, acabam sendo aceitos por absoluta falta de opção e a devida falta de informação ao povo.

Infelizmente politica no nosso País destoa da transparência e da honestidade.

Vemos através dos anos algumas castas de diferentes segmentos da sociedade brigando por espaço e controle de poder e do dinheiro público, porém, a classe necessitada sempre permanece na rabeira da empreitada.

Será que vivemos uma democracia?

Na minha humilde faculdade, pressinto que diante de tantos caminhos a serem seguidos, a minoria controladora sempre faz uso do caminho mais fácil e rápido, mesmo que este seja completamente ao avesso da maioria.

Quero crer que no fundo de tudo, o que permanece imutável é a falta de sensibilidade, de respeito e de civismo, pois alguns por meio de pressão e intimidação, agem como se donos fossem e manifestam abertamente seus pensamentos nefastos sem nenhuma controvérsia, questionamento ou repreensão.

Agem tranquilos pois sabem que está tudo dominado e que ninguém terá coragem para contestar e, se por ventura alguém aparecer, seguramente este será imediatamente colocado sob o manto da dúvida e da mentira lançada pelos meios de comunicação através da rede marrom.

E novamente vem a pergunta: QUEM É DIGNO DE PENA?

É todo aquele lobo mau que se veste de ovelha para assim atacar o rebanho, mas se esquece que tudo aquilo que aufere com desonrosa, carrega consigo uma maldição e este infortúnio perdurará e perseguirá seus descendentes ad aeternum.

Muitos até dirão: Este pensamento é puro devaneio! Mas digo que:

“Todo aquele que colabora para que a balança continue descalibrada contribui com a falta de compensação espiritual, pois tudo que se arrecada e se abiscoita de maneira vil, retorna para si e para os seus na forma de punição”!

Por: Caronte

Delegado Rodrigo Pinho de Bossi acusa Veja e a senadora Mara Gabrilli pela farsa que aponta Lula como mandante da morte de Celso Daniel 7

delegado-rodrigo-bossi-de-pinho

O delegado Rodrigo Pinho de Bossi, responsável pelo caso que envolve a delação de Marcos Valério, criador do Mensalão do PSDB, desmentiu a reportagem da revista Veja desta semana afirmando que o tucano acusou o ex-presidente Lula de ser o mandante do assassinato de Celso Daniel.

De acordo com o delegado, ao reproduzir esse discurso, a revista busca influir no julgamento sobre a prisão a partir da condenação em segunda instância e impedir que Lula seja colocado em liberdade.

Em entrevista ao DCMPinho de Bossi ainda disse que por trás de toda a armação está Mara Gabrilli, senadora do PSDB que admitiu, em depoimento a uma CPI em Santo André, que participou do esquema de corrupção que existia na cidade mesmo antes da administração petista.

“Sabia que eles estavam tentando influenciar no julgamento do STF”, acrescentou.

Mesmo assim, o vídeo não contém nenhuma declaração que liga Lula ao assassinato de Celso Daniel.

”O Marcos Valério jamais disse ‘foi o Lula’. Ele disse que o Ronan (Maria Pinto, empresário do setor de transporte em Santo André) ameaçava dizer que foi ele. São coisas completamente diferentes”, afirmou o delegado, hoje aposentado em razão de um câncer em estádio avançado.

Rodrigo Bossi de Pinho tem os vídeos do depoimento de Marcos Valério porque o acordo de delação premiada foi feito com ele, depois de uma tentativa frustrada com representantes do Ministério Público, tanto o estadual de Minas Gerais quanto o federal.

A alegação para a falta de interesse do Ministério Público é que faltaria credibilidade a Marcos Valério. Rodrigo Bossi de Pinho, no entanto, tem razões para suspeitar que os motivos são outros. Valério denuncia um esquema de corrupção que envolve políticos de partidos de A a Z, mas não só. Também há autoridades do Judiciário, órgãos de imprensa, peritos, policiais.

“Não existiu mensalão do PSDB ou mensalão do PT. Existe um caixa construído com dinheiro de quem se beneficia de desvios e de decisões do Estado para manter as coisas como são”, afirmou.

Segundo ele, a delação de Valério tem relatos importantes, inclusive sobre desvios a partir do processo de simiprivatização da Cemig, a estatal de energia de Minas Gerais, em 1998, que envolve a cúpula do governo de Fernando Henrique Cardoso.

Mas, sobre isso, Veja silenciou, e preferiu investir na farsa de Lula como mandante do assassinato de Celso Daniel.

“Todo investigador de homicídios parte da motivação. Eu fui delegado de homicídios durante seis anos. Não há motivação pra Lula matar Celso, como também não havia para Celso delatar o esquema. Celso arrecadava para o PT conscientemente”, disse.

“Ele descobre que Sombra e Ronan estavam com um esquema criminoso, arrecadando do crime organizado, e botando parte do dinheiro no bolso. O Celso também seria o ministro, no lugar do Palocci. Qualquer problema, então, seria resolvido interna corporis. Não havia motivação pra matar, pois o Celso não ia jogar sujeira no ventilador. Então, só sobra motivação pro Sombra (Sérgio Gomes da Silva, já falecido, que foi amigo do ex-prefeito de Santo André) e pro Ronan.

São hipóteses que o delegado traça, mas esta é uma investigação de que ele não se ocupou. Em São Paulo, a Polícia Civil investigou o caso duas vezes, e concluiu que foi crime comum.

“Toda vez que este assunto retorna é para desviar a atenção de algo presente e relevante. Foi crime comum, mas os radicais insistem nas teorias da conspiração”, comentou, por sua vez, o delegado Marcos Carneiro Lima, do DHPP, também ele sentindo no ar o cheiro da armação por conta do julgamento sobre a prisão a partir da condenação em segunda instância.

Lula não reivindicou esse julgamento, embora ele seja alcançado pela possível decisão do STF em favor do princípio constitucional da presunção de inocência, que está na essência da questão da segunda instância.

Rodrigo Bossi de Pinho reafirmou: “Repito: o Marcos Valério nunca disse que foi o Lula. E isso já tem um ano. A Veja faz parecer que foi agora”, disse.

É armação.

https://wp.me/papvxL-23I