Delegado Edison Remigio de Santi afirma que LULA não mandou matar CELSO DANIEL: “o Ministério Público, no afã de mostrar que sabe investigar mais que a Polícia Civil confundiu a opinião pública apresentando à sociedade a TEORIA DA CONSPIRAÇÃO ” 39

 

Prezados Senhores, tomo a liberdade de dirigir-me ao responsável pelo Blog e respectivos leitores para esclarecer, de forma sucinta, pontos importantes acerca do esclarecimento do seqüestro seguido de morte de Celso Augusto Daniel, eis que o Ministério Público, no afã de mostrar que sabe investigar mais que a Polícia Civil, confundiu a opinião pública apresentando à sociedade a “teoria da conspiração”, fato que, infelizmente, provoca discussões até os dias atuais, causando-me espanto que até nossos próprios colegas desconfiam do nosso trabalho.

O arrebatamento de Celso Daniel ocorreu na noite do dia 18 de janeiro de 2.002, na conhecida rua dos três tombos, Vila das Mercês, área do 26º Distrito Policial, e na manhã de domingo, 20 de janeiro, seu corpo foi encontrado numa estrada de terra em Juquitiba, alvejado por disparos de uma pistola de calibre nominal 9 mm.

Não foram feitos contatos telefônicos com parentes ou assessores do prefeito de Santo André, apenas duas ligações efetuadas para o telefone celular de Celso Daniel logo após o seqüestro, as quais registraram a ERB da conhecida favela Pantanal, localizada na divisão de São Paulo com Diadema, mais precisamente no Jardim Luso, zona sul, sendo este indicativo importante para a investigação.

Uma força tarefa foi criada para apurar o crime, composta pelo DHPP, Polícia Federal e Ministério Público, com dois membros de Santo André e um de Itapecerica da Serra.

Após recebimento de uma denúncia, este Delegado de Polícia, que atuava na época como Titular da 2ª Delegacia de Investigações Sobre Crimes Contra o Patrimônio – DEIC, foi autorizado a realizar uma diligência para apurar o denunciado, haja vista que inúmeras denúncias passaram a ser feitas sobre o caso, sendo certo que, juntamente com os demais policiais civis da unidade especializada, diligenciamos na rua do Guacurí, 80 F, Jardim Luso, um imóvel que havia funcionado como bar , porém estava abandonado, com o portão de correr apenas abaixado, onde localizamos a primeira prova da passagem do prefeito por aquela comunidade, ou seja, um recibo de plano de saúde Sul América em nome de Celso Augusto Daniel. A partir daí, passamos a integrar a força tarefa.

O DEIC ficou encarregado de investigar a quadrilha da favela Pantanal, com objetivo de identificar os seus integrantes, motivo pelo qual instauramos um inquérito policial de formação de quadrilha, atual tipificação – associação criminosa, cabendo ao DHPP manter o inquérito sobre o homicídio e a Polícia Federal com o foco na prefeitura, seus integrantes e empresas com relações junto ao órgão municipal.

A bem da verdade, a partir do momento em que informamos possuir alguns apelidos de criminosos da favela Pantanal, muita gente passou a correr atrás dos bandidos, atrapalhando nossa investigação. Isso a gente entende, pois o velho ditado nos indica que “bandido na rua não tem dono”, é de quem chegar primeiro.

Atuamos nessa investigação durante um ano e, com o esforço de todos policiais do DEIC envolvidos nos trabalhos, chegamos ao final com o total esclarecimento do crime – seqüestro seguido de morte, perpetrado por ladrões comuns que, no período em que o seqüestro foi banalizado, passaram a praticar seqüestros para fins de extorsões, sem que tivessem organização, inteligência e logística para esse tipo de atividade criminosa, salientando que as exigências financeiras começavam em milhões e acabavam finalizadas em milhares de reais.

Identificamos vinte e seis pessoas envolvidas com a quadrilha, sendo certo que sete delas estavam ligadas diretamente ao seqüestro de Celso Augusto Daniel, tratando-se de Ivan Rodrigues da Silva, vulgo Monstro, Itamar Messias Silva dos Santos, vulgo Zóio de Gato, Rodolfo Rodrigues dos Santos Oliveira, vulgo Bozinho, Elcyd Oliveira Brito, vulgo John, Marcos Roberto Bispo dos Santos, vulgo Marquinhos, José Edison da Silva, vulgo Edison, e Laércio dos Santos Nunes, vulgo Lalo, adolescente à época dos fatos.. Nós, pelo DEIC, prendemos vinte e um criminosos da quadrilha, tendo a Polícia Federal prendido três, o DHPP um, a delegacia de área – 98º Distrito Policial um e a Polícia Militar mais um.

As prisões efetuadas pela Polícia Federal deram-se através de informações passadas por nós, eis que alguns indivíduos são originais de Itabuna – BA, e para lá fugiram após o crime, tendo Itamar e Rodolfo sido presos pelos Agentes Federais retornando para São Paulo, já em Aparecida.

Cumpre-me ressaltar que após o arrebatamento, Celso Daniel passou pela favela Pantanal, conduzido dentro de um veículo GM Blazer, cor verde, e colocado no porta mala de um veículo VW Santana, cor azul, e daí removido por José Edison da Silva a um Sítio alugado pela quadrilha em São Lourenço da Serra. O veículo VW Santana foi abandonado, posteriormente, na região de Taboão da Serra.

A quadrilha tinha um alvo para seqüestrar – um comerciante do CEAGESP, possuidor de um veículo Dakota, cor vermelha, o qual foi seguido por José Edison, porém a seguidinha não deu certo e, para não perderem viagem, optaram pelo primeiro veículo de valor, como de fato se deu, ao avistarem a Pajero do amigo e assessor do prefeito, Sérgio Gomes da Silva, de apelido Sombra.

A realidade dos fatos é que os bandidos não sabiam que Celso Daniel era prefeito e apavoraram-se quando a Globo noticiou, já na madrugada de sábado, o seqüestro de Celso Daniel. Além disso, os registros das ligações na ERB próxima da favela, levaram vários policiais para aquela localidade, o que deixou os meliantes preocupados. Na manhã do sábado, todos os demais veículos de imprensa noticiaram o crime, eis que a Globo não segurou a notícia durante a noite, alegando que seus telespectadores tinham direito à notícia. Apenas para ilustrar, os demais veículos tinham um acordo de cavalheiros para não noticiar seqüestros, visando preservar as vidas dos seqüestrados, mas a TV Globo não acompanhou os demais canais de comunicações e divulgou o fato.

Na manhã de sábado, dia 19 de janeiro de 2.002, Ivan Rodrigues da Silva, vulgo Monstro, líder da quadrilha, ordenou a libertação da vítima, porém, os responsáveis pelo cativeiro, José Edison e Lalo, decidiram executá-lo, pois ele poderia reconhece-los no futuro. Apenas para salientar, treze dias antes José Edison e Lalo seqüestraram um travesti, o qual foi visto trafegando na área do Butantã com um veículo Audi, levando-o para o mesmo cativeiro por onde Celso Daniel passou dias depois e, porque o travesti não tinha como levantar o dinheiro pretendido por eles, executaram-no numa estrada de terra situada em Miracatu, próximo do local onde Celso Daniel foi morto treze dias depois.

Todos os indivíduos investigados por nós, foram condenados, inicialmente, às penas de sete anos pelo crime de formação de quadrilha e, posteriormente, os sete elementos envolvidos no seqüestro e morte de Celso Daniel foram condenados a penas que variam entre 19 e 24 anos de reclusão. Todos esclareceram minuciosamente que o crime foi um seqüestro para fim de extorsão, e não crime de mando como o Ministério Público aventou posteriormente. Aliás, quando prendemos Ivan Rodrigues da Silva, vulgo Monstro, em atividade, três meses depois da morte de Celso Daniel, ele nos levou a um cativeiro em Santa Isabel, uma casa onde mantinham três vítimas presas dentro de um quarto, sendo que um menino de nove anos estava prestes a ser libertado pela quantia de vinte e oito mil reais, pois é, esse era o naipe da quadrilha – seqüestros de curtas durações e baixos valores de resgates.

Ademais, as confissões inicialmente no DEIC, depois do DHPP, e também na Polícia Federal, além dos demais indicativos, levaram-nos ao esclarecimento de crime comum, sem motivações políticas. Os três órgãos chegaram à mesma conclusão. Posteriormente, a pedido do Ministério Público, o caso foi reaberto e concluído no 78º Distrito Policial, cuja Autoridade Titular chegou à mesma conclusão, afastando, assim, a possibilidade de “conspiração”.

Finalizando, respeitosamente, informo que nossos trabalhos culminaram com as libertações de cinco vítimas presas em cativeiros, cujas sensações de dever cumprido não tem preço. Quanto ao amigo do prefeito, acusado pelo Ministério Público de ser mandante do crime, ficou meses preso preventivamente e morreu antes de ir a julgamento, eis que o processo a que estava sendo submetido foi cancelado pelo STF por cerceamento de defesa, e os novos atos determinados pelo Ministro Marco Aurélio de Mello nem chegaram a ser realizados.

Muito obrigado pela atenção

Edison Remigio de Santi
Delegado de Polícia

 

____________________________________

Muito nos honra o testemunho de quem viveu os fatos…

O leitor – especialmente os policiais – que tirem as próprias conclusões.

Na época do crime, LULA era apenas o eventual adversário do candidato indicado pelo PSDB do então Presidente FHC.

Ou seja: OPOSIÇÃO!

A Polícia Civil era toda Tucana e encantada com o sucessor – causa morte – de Mário Covas: Dr. Geraldo Alckmin!

Como se leu desse verdadeiro relatório de um dos delegados que atuaram nas investigações: todos os trabalhos foram realizados por diversos órgãos : DEIC, DHPP, DECAP, POLÍCIA FEDERAL  e MINISTÉRIO PÚBLICO …

Se a Polícia Civil fosse adepta de inventar teorias conspiratórias: O LULA JAMAIS TERIA SIDO ELEITO EM 2002!

Saudações SANTISTAS, Dr. de Santi!

P.S. – Para descontração, mantendo o respeito e seriedade ao assunto ,  pois ainda é preferível as paixões futebolísticas às políticas!

  1. Perfeita explicação, digna de crédito.
    Não há o que se discutir, porque até hoje eu sequer conhecia este delegado, que nunca procurou a mídia e nunca foi atrás de fama, ao contrário dos membros do MP.
    Se cabe ou não ao MP investigar crimes, deixemos isso para o legislador, entretanto, cumpre ressaltar que não se pode apenas investigar o que é interessante, pois não vejo essa ênfase toda em crimes de homicídio por parte dos nobres promotores.
    Por outro lado, não podem os promotores pretender simplesmente jogar no lixo um trabalho de investigação tão brilhante, que envolve inclusive membros da própria instituição e ainda a Polícia Federal. É um desrespeito monstruoso inclusive com o MP, foi houve denuncia, ação penal e condenação.

    Curtido por 1 pessoa

    • Parabéns ao Delegado, este merecia ser DGP porque não teve medo de bater de frente com Promotor de cargo Vitalício, taí a desvantagem, porque qualquer desentendimento o Delegado pode perder o cargo e o Promotor não.

      Curtir

  2. Desculpe, mas não me convenceu. Se foi um crime comum, por que tantas testemunhas morreram? Quando o digno delegado esclarecer uma a uma as circunstâncias das mortes das testemunhas pode ser que esse caso fique esclarecido para a opinião pública, até qualquer esforço no sentido de denegrir o MP é retórica rancorosa e nada esclarece.

    Curtir

    • Kiko, quem foram as testemunhas mortas? E por que o PT não matou o Sombra ? De qualquer forma, o que interessa é que o Poder Judiciário reconheceu provada a investigação policial. E nada vai mudar, apesar do rancor do Ministério Público que denigre o trabalho da PC, a honra de inocentes e nada esclarece !

      Curtido por 1 pessoa

      • Senhor Guerra

        Enquanto os familiares do falecido e o MP de Santo Andre, brigavam para que o IP continuasse sob a competência da Sec. de Policia de Santo Andre, os altos militantes do PT, patrociados pelo Sr. Greenhalgh, se não me engana a memoria, juntamente com outros do alto escalão e ate mesmo lula, colaram no governador para que o caso saisse da competencia original e fosse para o DHPP. O fato concreto é que os Policiais Civis da região, conheciam a todos, os militantes, o que faleceu, os amigos, os agregados, Comenta-se a boca miuda, que foi apreendido na casa do falecido dias depois, coisas estranhas…

        C.A.

        Curtir

      • Bem provável que o ocorrido seja o que o ex DhPP postou
        Participei de uma cana – que a bem verdade – partiu de uma suspeita por de funcionário que nem pertencia aos quadros da Ssp, e que praticamente só conduzimos para a carceragem.
        Na época, o departamento estava sem viatura para conduzir o flagrante à Dp, e solicitamos apoio ao Garra; convencidos que era melhor coloca los como condutores, figuramos ;omo testemunha, mas só ler o histórico pra saber de quem “fez” a cana, assim com os documentos probatórios.
        Horas mais tarde, aparece um delegado – que sempre está nas midias- noticiando que seu departamento conseguiu prender um foragido do pcc com várias passagens.
        Quando vi a matéria, pensei “bacana” olha os caras trabalhando, mas para minha surpresa, – e de muitos colegas – ao mostrar o rosto do ladrão caímos para trás: era o que havíamos pego!!!

        A partir daí comecei a ver como acontece é como se locupletam de canas alheias.

        Sem contar as “rachas” que os papis do
        Afís fazem – o sistema detecta e o papissó raificam- e são mostradas como belo trabalho de investigação.
        Não quero menosprezar, mas tem muita firula e holofote pra pouca cana, e muitas cansado belas passam desperce idas.

        Curtir

  3. Só para relembrar, o Senhor Sérgio Gomes da Silva (sombra), na ocasião conduzia uma Pajero de alta blindagem, que no momento da abordagem, teve uma pane eletrica e suas portas se destravaram, Também estava armado com uma pistola .380 e não foi molestado pelos meliantes, ele era o PILOTO, entende?

    C.A.

    Curtir

  4. Com a máxima vênia…
    Posso falar?
    Sem maiores considerações…
    Respeitosamente, sem qualquer ilação, devaneio ou divagação…
    …eu achava que quem havia qualificado os malas tinha sido eu e um investigador que hoje é delegado em Minas e outro parceirinho, salvo engano, filho de um notório delegado aposentado, ambos fraternos da mais nobre estirpe e honra, no D.H.P.P..
    Achava também que o report havia sido entregue ao chefe A… e ao Dr. A… , à época.
    Assim como, também achava que tínhamos sido nós que havíamos achado a casa dos malas no Caiçara onde os malas tinham passado um tempinho por lá antes de vazarem do Estado, o que gerou uma imensa vaidade negativa, pois lá tínhamos achado um fichário com fotos e dados, dentro do fogão, inclusive com o cartão da advogada dos malas, igual ao apresentado no D.H.P.P., salvo engano, Dra. Paula.
    E também os árduos labores haviam culminado na prisão do Serginho, Mauro Sérgio, na Favela do Pantanal, que saiu atirando ensandecidamente…
    Mas será prosa que versarei aos meus netos…
    Isso se essa geração alienada tiver interesse por alguma coisa no futuro…

    Curtir

    • Prezado Dr. Conde Guerra. Apenas para finalizar meus esclarecimentos neste Blog, informo ao Senhor e aos dignos leitores que, a respeito das mortes posteriores de pessoas eventualmente ligados ao fato, o Departamento de Homicídios – DHPP, esclareceu as autorias da maioria dos delitos, conforme divulgado pelo ex Delegado Geral Dr. Marcos Carneiro Lima no projeto de seu livro sobre Segurança Pública e Polícia Judiciária. Aliás, pelo DEIC, tivemos, infelizmente, duas baixas de policiais que atuaram nas investigações, sem que suas mortes tivessem a ver com o caso investigado. Um deles, Benedito Antoniol, Investigador de Polícia, ex-Sargento da ROTA, foi morto na noite de 30 de dezembro de 2.002, na Vila Missionária, vítima da latrocínio. Expus tais fatos na CPI dos Bingos do Senado Federal, onde depus por cinco horas sobre as investigações acerca da morte de Celso Augusto Daniel.

      Não quero discutir aqui eventuais problemas e discussões havidas durante as investigações, eis que foram discussões normais de trabalho, mas, não posso admitir um comentário de pessoa que se diz ex-tira do DHPP, sem identificar-se, razão pela qual não merece crédito, porém, cumpre-me salientar que, realmente, houve uma diligência numa casa da Praia Grande, a qual teria sido alugada por Itamar Messias Silva dos Santos, vulgo Zóio de Gato, fato que gerou um atrito entre as Autoridades envolvidas nas investigações, pois o DEIC ficou encarregado de investigar a quadrilha da favela Pantanal, mas, todo mundo começou a correr atrás dos indivíduos cujos nomes e apelidos citamos na reunião da força tarefa. O local citado pelo EX-TIRA do DHPP, estava sendo monitorado pelo nosso Investigador Silvio Paulo Borelli Barbosa, infelizmente já falecido, que estava de férias na Praia Grande, o qual passava pelo local duas ou três vezes por dia, de bicicleta, haja vista ser um local difícil para campana, e que nos reportava não haver movimento no local, razão pela qual não invadimos a casa.

      Outrossim, numa das investidas na favela Pantanal, visando identificar as pessoas cujos apelidos nós dispúnhamos, abordamos e fotografamos Mauro Sérgio Santos de Souza, vulgo Maurinho, o qual não era procurado naquele momento, mas no curso das investigações, descobrimos que citada pessoa era ligada à quadrilha, mas havia participado apenas da queima do veículo GM Blazer, cor verde, utilizado no arrebatamento de Celso Daniel. Policiais do DHPP, durante uma festa junina, tentaram prender Maurinho na favela Pantanal, tendo havido entrevero armado, sendo Maurinho baleado com um tiro na coluna, restando ferimentos em outras pessoas e crianças que participavam da festa. Após sua liberação do hospital, nós o requisitamos ao Juiz Corregedor dos Presídios e o indiciamos em nosso inquérito de formação de quadrilha. Aliás, a permanência dele no DEIC deu-se por um dia apenas, eis que ele estava com problemas graveds de locomoção.

      Já que o EX-TIRA do DHPP está reclamando sua participação nas investigações, gostaria de saber seu nome para um debate pessoal, pois não quero tirar o mérito de ninguém nos trabalhos de apuração. Aliás, o Maurinho foi o único indivíduo da quadrilha que esse suposto policial do DHPP prendeu. Não é verdade EX-TIRA. Seja corajoso, identifique-se. Não sou de perseguir ninguém.

      Aos demais, desculpem-me, mas deixo aqui minhas considerações finais.

      Grato Dr. Guerra.

      Curtido por 1 pessoa

  5. Matou a cobra, mostrou o pau e assinou em baixo. Detalhou o passo a passo da investigação e seu resultado até final julgamento de todos os envolvidos,.
    Dr. De Santi é um desses poucos delegados com verdadeira vocação investigativa, do crime para o criminoso pouco importando os holofotes, microfones, horário nobre, coletiva,etc.
    Ademais, a própria carreira fala por si. Em quem acreditar? Nele ou no Marcos Valério, um dos braços financeiros da roubalheira que campeou a política brasileira nas duas últimas décadas.

    Curtir

  6. Modesta opinião… Se fosse execução, teriam executado a vítima no local dos fatos, como costuma ser o modus operandi desse tipo de crime, veja, por exemplo, as execuções nas guerras de facções, etc, tudo ocorre no local dos fatos, ou seja, onde o alvo é encontrado e amplamente alvejado. Parabéns à Polícia Civil, Federal e Militar pela elucidação do sequestro. Ótima matéria.

    Curtir

    • Isso que me deixa triste com alguns colegas. Quem tem a responsabilidade que nós temos deveria entender que quem oferece uma hipótese dessas, de uma conspiração que deveria ter vários colegas envolvidos para funcionar minimamente, e tudo mais que você pode imaginar para silenciar todas as dezenas de pessoas que saberiam, que apresente suas informações privilegiadas. Ficar requentando factoide e ofendendo a lisura de quem fez o trampo na época é um absurdo, uma falta de respeito.

      Teve um colega aí pra trás que cobrou que o Dr. prove que “NÃO” teve morte resultado da conspiração. Veja só, provar negativa é uma merda. Sempre tem para onde recuar e cobrar outro álibi quando um é apresentado, por exemplo.

      Enfim, o Lula matou o Senna e o Bolsonaro lá de Brasilia, via serviço de siga-me no celular, que deixou o miliciano entrar no condomínio. Eles que provem o contrário, não é?

      Boa semana para vcs.

      Curtir

  7. He Man da caneta azul

    “Eu não tenho a força”, mas tenho a caneta azul PHORRA!

    Agora a melodia oficial da Presidência da República é a “viralizada” musiquinha da Caneta Azul.

    A Rede Globo já sabe, se não tiver tudo redondinho antes da renovação da concessão nada de caneta azul pra vocês.

    Quanto aos Delegados das Polícias Civis de todo o Brasil estão todos “phodidos”, exceto os de São Paulo que não tem como “phoder” mais, o J(Jotinha) Dólar já fez isso pra ele com o AI-5 (Aumento Injuriante de 5%) foi uma paulada para os “majuras” não se erguerem mais.

    Tá vendo Delegado Valdir, quem mandou você revelar uma pequena parte do perfil do figurinha. Corroborando com isso acusou o Delegado Presidente do Inquérito Policial sobre o “assassinato” encomendado da Marielle de ser “amiguinho” do Governador.

    Aqui em São Paulo também temos um delegado “amiguinho” do Governador, olha o que ele arrumou pra gente: 5% depois de 5 anos de salários congelados. Ah! e a partir de março do ano que vem. “Mui Amigo”

    Por fim, como poderíamos qualificar a descolada promotora que atuava no caso trajada com a camiseta do figurinha? Inimiga dele?

    Já sabem hein! Sempre que verem o figurinha, lembrem-se da musiquinha Caneta Azul, porque como ele mesmo fala de forma recorrente “Ele tem a caneta”

    Curtir

  8. Tive o prazer de fazer um curso com o Dr. Edison Santi. Excelente delegado, ótimo policial, sabia o nome completo e vulgo de dezenas de malas que prendeu. parabéns.

    Curtir

  9. Esse é um dos motivos de não irmos para frente: tem polícia e cidadão preocupado com o que aconteceu em 2002.

    Claro que a intenção não é ficar impune, mas vamos viver o presente e o futuro, tem fila nos hospitais, falta de medicamentos, falta de segurança, adolescente saindo do ensino médio dizendo “nois vai nois fica”.

    Que tudo seja apurado, mas que não seja nosso foco principal.

    Curtir

  10. Parabéns ao Delegado Edison Santi e aos demais departamentos da Polícia Civil. E impossível manter uma Teoria Conspiratória por muito tempo, sendo que todos os acusados poderiam muito bem abrir o bico.

    Curtir

  11. Mas os príncipes dos sacerdotes e os anciãos persuadiram à multidão que pedisse Barrabás e matasse Jesus.
    E, respondendo o presidente, disse-lhes: Qual desses dois quereis vós que eu solte? E eles disseram: Barrabás.
    Disse-lhes Pilatos: Que farei então de Jesus, chamado Cristo? Disseram-lhe todos: Seja crucificado.
    O presidente, porém, disse: Mas que mal fez ele? E eles mais clamavam, dizendo: Seja crucificado.
    Então Pilatos, vendo que nada aproveitava, antes o tumulto crescia, tomando água, lavou as mãos diante da multidão, dizendo: Estou inocente do sangue deste justo. Considerai isso.
    E, respondendo todo o povo, disse: O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos.

    Mateus 27:20-25

    Curtir

  12. Antes tarde do que nunca. Parece que os integrantes das forças de segurança e do sistema prisional do Estado(Exceto Comandantes/PM e Diretores/PC) ACORDARAM e passaram a unir forças para lutar pela recomposição salarial surrupiada por sucessivos governos desse maldito PSDBosta.

    Quando brigavam com o governo separadamente, o governo dava uma “merreca” para uma e passados alguns meses de reclamação da outra, dava a mesma”merreca” e ambas ficavam felizes com “MERRECA” e passamos décadas assim, por conta disso estamos entre os piores salários do Brasil.

    A PM para não ter nada, entre ativos e inativos e seus familiares, possui um capital eleitoral de mais ou menos meio milhão de votos. A PC , no mínimo, 150 mil votos, isso sem contar o contingente de funcionários ativos, inativos e familiares do sistema prisional.

    Chega de sermos ludibriados por esses estelionatários políticos que usam o governo para surrupiar ou para galgar outros cargos políticos.

    Vamos mostrar em cada cidade do interior as delegacias fechadas por falta de funcionários, o reflexo disso para a PM que tem que viajar para registrar as ocorrências em cidades que, porventura possuam delegacias abertas.

    Vamos cobrar do governo as promessas(mentiras) que faz através da mídia, tipo reforma de delegacias, recomposição dos efetivos defasados, do humilhante salário congelado ha 5 anos, etc.

    Curtir

  13. Aprovado na noite desta terça (5), por 41 votos favoráveis e 40 contrários, projeto do Executivo que reduz valor de precatórios de instituições ligadas ao Estado.
    Valores até R$ 30,1 mil são pagos através das obrigações de pequeno valor, que por lei, devem ser pagas em no máximo um ano após a decisão judicial.
    Após a aprovação desta medida, esse valor cairá para R$ 11,6 mil. Com isso, valores superiores a este seguirão para pagamento através de precatório.

    Votou à favor do Dória o ESPETACULAR Delegado Olim.

    Se posicionaram pela Obstrução Delegada Graciela e Delegado Bruno Lima.

    Bastava 1 deles para o projeto não passar.

    Cabe aos Policiais Civis cobrarem esses cooptados, corruptos e vagabundos.

    Nem sei se o pior é o Olim, que votou SIM direto ou se são esses outros dois que sequer tiveram firmeza moral para se posicionar.
    Se bem que a obstrução, nesse caso, foi o voto SIM dos covardes.

    Delegados votando contra os próprios companheiros…não dá para entender a Polícia Civil.

    Curtir

    • Uma pergunta:
      Como votaram os deputados ligados ao eleitorado militar?

      Por outro lado, entendo que você tenha razão ao considerar que deputados (independente da origem profissional) ao se eximirem de votar, acabam jogando em favor do lado que está em vantagem.

      Última consideração: delegados nunca se importam com nada e com ninguém, só com eles mesmos, assim como os oficiais da PM.

      Curtir

      • Até o SAFADO do Telhada votou não.
        Tem A lista exata nos grupos mas sou caipira e não sei postar…vou tentar.

        Curtir

        • Por favor publiquem mais uma safadeza do grande governo João contador de lorotas, seria de bom tom quais os deputados que estão afundando o funcionalismo publico……..todo dia é uma noticia ruimmmmm…..
          deputados votando contra funcionalismo…….espero que os Dep. Delegado Bruno e Dep Delegada Gracielanão tenham cometido esse erro capital.

          Curtir

        • Jamiro, eu vi a lista. Vergonhosa atitude desses deputados que vc mencionou.Concordo com tudo o que vc disse, pois falou a verdade.

          Curtir

  14. Cadê a deputada Adriana BORGO, não abriu a boca depois do passa moleque que o gerador nos deu. Minutos antes do anúncio ela estava a caminho do palácio, depois sumiu, nao disse nada. Cadê a defensoras das classes baixa da polícia, estou me sentindo desamparado, preciso de vc querida.

    Curtir

  15. Desgraça pouca é bobagem.

    E vamos ladeira abaixo.

    Em Andradina UMA TONELADA DE MACONHA era escoltada POR DOIS POLICIAIS CIVIS, nada mais, nada menos, por uma VIATURA DA CAPITAL NAS CORES PADRÃO DA POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO.

    É mole!

    É a demonstração inequívoca que ninguém controla “phorra” nenhuma.

    Será que foram buscar mercadoria para ser negociada no 1º DP da Capital – Sé, de onde já negociaram outra tonelada, há mais de um ano, sem que até a presente data fossem identificados os bandidos travestidos de policiais responsáveis pelo desvio.

    A vtr é da frota de qual unidade da Polícia Civil? Quem é o Chefe de Investigadores da unidade? Quem era o Delegado de Polícia Titular? Tinha talão aberto? Se estavam de serviço porque as Polícias Civil e Militar da região não foram informadas?

    É essa bandidagem travestida de policiais que depõe contra tudo de bom que a Polícia Civil faz e nos afunda no poço de lama em que nos encontramos.

    Desejo que vocês e outros que, porventura, sabiam e iriam participar dos lucros, vão pra cadeia e se “phodam” bastante por lá.

    Repercute a reportagem neste blog Guerra.

    Curtir

  16. Com certeza, uma boa investigação do GAECO no caso, descobre outros envolvidos na empreitada criminosa. disse:

    Surreal.

    Participaram de reunião na sede do 44º DP onde estavam lotados, e, em seguida, com a vtr oficial, com alguns adesivos arrancados para confundir a identificação, acompanhados de um possível “ganso”, atravessaram SP, rodaram mais de 600 Km, para buscarem uma carga de mais de 1 tonelada de maconha.

    A cara de pau é tamanha que ainda deram a entender que estariam fazendo uma investigação no local.

    Investigação com vtr oficial de DP da capital? Investigação sem que ninguém na delegacia soubesse do que se tratava?

    Quem garante que essa teria sido a 1ª vez?

    Esses são do tipo que não se importam com o 5% de aumento, eles fazem o salário na polícia.

    Já contavam com aquele “peruzão” no natal né, o “peruzão” ainda está em pé, só que vão saboreá-lo por via anal.

    Bom proveito. Bom Presídio da Polícia Civil pra vocês. Apodreçam lá.

    Traficante já é um crápula detestável, travestido de policial, pior ainda.

    Curtir

  17. Aqui em SP é bandido na cadeia e Polícia com salário de fome !

    Estado mais rico da federação, não tem desculpa sr. governador

    Curtir

  18. Esses “poliça” vagabundos e safados atravessaram o Estado para buscar um carregamento de maconha na divisa com outro Estado. No mínimo, tráfico interestadual, quiça internacional, essa “pamonha” deveria de ir para a PF e Justiça Federal e esses vagabundos se “phoderem” bem, que é o que merecem.

    Além deles, os que não dão a cara pra bater, mas o apoio logístico para a empreitada(vtr, arma, combustível, etc) com o aviso: se der certo quero a minha parte, se a casa cair abracem o BO sozinhos.

    A “majura” do DP dos traficantes já se adiantou avisando que NÃO tinham autorização de ninguém da delegacia para estarem lá. NÃO havia nenhuma investigação em andamento que justificasse a ida deles para lá.

    Sr. GOVERNADOR DO ESTADO, Sr. DELEGADO GERAL DE POLÍCIA, pergunta: Se fazem isso com uma viatura caracterizada, o que não fazem com as descaracterizadas?

    Cadê o monitoramento por GPS que vocês foram na imprensa dizer que seriam instalados nas viaturas?

    Governo que só promete e não faz “phorra” nenhuma, como no caso do aumento? Só mentiras, só perfumaria, enfim, só patifaria.

    Curtir

  19. Escoltar carregamento de maconha com viatura caracterizada da POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO, isso sim é deixar o cú cair da bunda. PQP.

    Curtir

  20. Desculpe a resposta tardia, tive um problema de doença familiar que exigiu cuidados pontuais…

    Conforme dito, respeitosamente, sem ilação, devaneio ou divagação…

    Como são inúmeros os casos de “detentores de posts que se identificaram e que foram chacinados funcionalmente, prefiro manter o anonimato, uma vez que em nenhum momento desejei ofender ou afrontar ninguém.

    Não por covardia, mas por não desejar receber qualquer tipo de maus fluídos, físicos ou etéreos…

    O próprio Doutor Guerra, em suas postagens legítimas, foi alvo de descalabros oficializados por trâmites diversos, que acabaram sendo chancelados por forças ocultas e interesses alheios à mediana compreensão. Não que seja o caso, apenas mencionando fatos notoriamente conhecidos e sem quaisquer direcionamentos ou intenções outras…

    (Singela, Sincera privação de eventual e malsinada adversidade… )

    Mera cautela de quimera… Certa feita, quando identifiquei-me em um evento, foi instaurado um P.A. ilegítimo e mesmo funcionário público, fui tido como em L.I.N.S. e pasmem, citado por edital…

    Logo, com respeito à Douta Autoridade Policial e aos demais leitores, prefiro manter-me no anonimato. E encerrar a monodia.

    E não fugindo da regra, prefiro manter-me na grande massa, onde a grande maioria são respaldados em pseudônimos.

    No mais, em pairando dúvidas quaisquer sobre o caso em testilha, mote dos comentários/posts, competentes, eventualmente os findos autos de Inquérito Penal e Autos Processuais reverberarão verdades, autorias, labores… independente do que queiram no presente veicular…

    Em nenhum momento teci bravatas contra a lisura do labor policial, ao contrário. De quem quer que fosse, principalmente, por ser indiscutível o fato de que cada agente público Ama o lapidar funcional, onde verdadeiramente se entrega com sacrifício e esmero, merecendo o inquestionável respeito pelo árduo sacerdócio… Cada qual defende sua unidade policial, seus feitos e torce e vibra pelos bons efeitos e agouros.

    Em que pese o reconhecimento apenas venha muitas vezes somente do Plano Astral ou no plano da realização pessoal.

    Cada face possui uma verdade uníssona e outras tantas, a minha, a sua, as nossas e a que consta nos autos, “Non quod est in actis non est in mundo”.

    Jamais creditaria ou desacreditaria o labor de outro policial, apenas pontuei o que fiz e que me consta como signatário. Cada qual com seus méritos, honradezas e honrarias.

    Podem ter decorrido incursões concomitantes, era uma Força Tarefa, infante, sigilosa, gloriosa… Um turbilhão emocional, de interesses, de aspirações, de devoções…

    Outras diligências dizem respeito aos outros gloriosos signatários e incursionistas.

    Todos temos nossos feitos e milagres pessoais e todos buscamos enaltecer as Autoridades Policiais Superiores Hierárquicas, Divisionários, Diretores, os Departamentos e a Polícia Civil.

    À Época vigia uma Força Tarefa, com comunhão de esforços únicos para assegurar uma pronta resposta à sociedade e enaltecer a Amada Polícia Civil.

    Posso me dizer agraciado por ter sempre trabalhado com Autoridades Policiais, na grande e maravilhosa maioria, que mereceram cada gota de sangue ou de suor meu, tiro que dei, tiro que tomei, noites de sono mal dormidas e sequer dormidas, reveses familiares… Até relacionamentos asiados podem ser contabilizados…

    Profissionais exímios, de extremada honradez, de bagagem profissional aquilatada e de profundo saber jurídico… Amigos, Fraternos, Bons Pais, Ótimos Chefes, Justos Doutrinadores, Marcos Balizadores, Sustentáculos…

    Assim como, acredito que o Senhor deva ser aos seus subordinados presentes e ou pretéritos.

    Sou convicto que a acima do significado dos verbetes “sacerdócio”, “esmero”, “devoção”, “crenças”, “dinheiro”, “ideais”, “reconhecimento”, “status”, “posição” (quer seja financeira, funcional, social…) … o verbete que mais representa o que move e subsiste a Polícia Civil é o “Amor”

    Assim como, o Dr. Guerra sempre foi a todos, enquanto permitiram e enquanto não o tiranizaram vil e covardemente. (Com pesar pude acompanhar o sádico sorver de uns quanto ao silenciar desafetos, ao rufar dos tambores e ao rolar dos dados… O que sempre ocorreu, sendo mais que impessoal, mas peculiar ao trato público e humano, dentro das vicissitudes e idiossincrasias evolutivas…)

    Bom, registro meus mais profundos e distintos protestos de elevada estima e de distinta consideração…

    Curtir

  21. INFORMATIVO E POSSIBILIDADES EXEMPLAR !!!

    “Prezados Deputados Estaduais de Minas Gerais”

    Primeiramente agradecemos os senhores por todo empenho em defesa dos direitos da provecta classe dos Agentes de Segurança Penitenciários, em especial da bancada da segurança pública.
    No tocante, diante da aprovação da PEC 372/17 no congresso nacional, solicitamos aos Senhores que apresentem um destaque e/ou requerimento de alteração do texto da: PL, PLC ou PEC 28/2019 que tramita na ALMG, mudando a nomenclatura de Sistema Prisional para Departamento de Polícia Penal, também como Agentes de Segurança Penitenciários para Agentes de Polícia Penal conforme descrito abaixo:

    Acrescenta o inciso IV ao art. 136 da Constituição Estadual, para incluir o Departamento de Polícia Penal como órgão da Segurança Pública Estadual.
    A Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais aprova:
    Art. 1º – A Constituição Estadual de Minas Gerais passa a vigorar com as seguintes alterações:
    “Art. 136 – ……………….…………………………………………………
    IV – Polícia Penal”.
    Art. 2º – Esta emenda à Constituição entra em vigor na data de sua publicação.
    Sala das Reuniões, 9 de abril de 2019.
    Delegado Heli Grilo – André Quintão – Betinho Pinto Coelho – Bruno Engler – Celinho Sintrocel – Cleitinho Azevedo – Coronel Henrique – Coronel Sandro – Doorgal Andrada – Doutor Paulo – Elismar Prado – Glaycon Franco – Gustavo Valadares – Inácio Franco – Ione Pinheiro – João Leite – João Magalhães – Leonídio Bouças – Luiz Humberto Carneiro – Marília Campos – Professor Cleiton – Professor Irineu – Professor Wendel Mesquita – Repórter Rafael Martins – Rosângela Reis – Sargento Rodrigues – Sávio Souza Cruz – Tadeu Martins Leite – Ulysses Gomes – Virgílio Guimarães – Zé Guilherme – Zé Reis
    Justificação: Busca-se, com a propositura da Emenda Constitucional o reconhecimento da Polícia Penal, bem como da categoria dos policiais penais, no rol dos órgãos da Segurança Pública estadual. Essa inclusão é necessária, pois conferirá autonomia administrativa e financeira, além do reconhecimento como órgão autônomo.
    – Publicada, vai a proposta à Comissão de Justiça e à Comissão Especial para parecer, nos termos do art. 201 do Regimento Interno.

    Outras sugestões que poderão ser inseridas no texto visando dar respaldo legal à Polícia Penal:

    Art. 136 – A segurança pública, dever do Estado e direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos:
    I – Polícia Civil;
    II – Polícia Militar;
    III – Corpo de Bombeiros Militar.
    (Inciso acrescentado pelo art. 7º da Emenda à Constituição nº 39, de 2/6/1999.)
    (Vide art. 8º da Lei Complementar nº 115, de 5/8/2010.)
    IV – Polícia Penal
    § 1º À Polícia Penal, órgão permanente do Poder Público, dirigido por Policial Penal de carreira e organizado de acordo com os princípios da hierarquia e da disciplina, incumbem, ressalvada a competência da União, as funções de segurança prisional no território do Estado, competindo atuar no âmbito do Sistema Prisional ou em razão dele, realizando a segurança interna e externa das unidade prisionais e das demais unidades administrativas da Polícia Penal, atuar na recaptura presos, realizar a escolta de presos, atuar em conjunto com as demais instituição pública, principalmente as de segurança pública visando a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio.
    § 2º O Chefe da Polícia Penal é livremente nomeado pelo Governador do Estado dentre os integrantes, em atividade, da classe final da carreira da Polícia Penal.
    § 3º A Polícia Penal é estruturada em carreiras, e as promoções obedecerão ao critério alternado de antiguidade e merecimento.
    § 3º Lei complementar organizará a Polícia Penal
    (Vide art. 1º da Emenda à Constituição nº 28 de 10/04/2019.)

    Dr. Guerra, coloca na pauta aí.

    Pois com isso deveria mudar também a nomenclatura dos Agentes Policiais para Agente de Polícia Judiciária, vez que agora teremos Agente de Polícia Penal, para que possamos e a população também possa saber distinguir as profissões e cargos públicos.

    Curtir

  22. e aquele zum zum que um dos parentes proximos de sangue do. LULA ) filho ou filha .., na epoca era casada ou morava junto . com um irmão de uma das autoridades que estava responsavel pelas investigações…………??????????????????????
    e isto seria um dos motivos que não envolveu o LULA na epoca…

    sera que é veridica esta historia ??????????????….

    esta historia correu nos corredores da policia civil…………………muitos ouviram esta historia…..inclusive .eu……

    Curtir

Os comentários estão desativados.