Queda da criminalidade no Brasil: características e interpretações. 12

Queda da criminalidade no Brasil: características e interpretações.


Tulio Kahn

O economista Alfred Marchall dizia que a história nos apresenta a sequencia dos fatos e suas coincidências, mas que cabe à razão como interpretá-los. Complementando o raciocínio, diria que a interpretação deve ser condizente com a sequencia de fatos e coincidências, o que nem sempre é o caso.

Tomemos a queda recente da criminalidade no Brasil e suas interpretações. O que sabemos sobre as características do fenômeno? A tabela abaixo examina as variações trimestrais de vários crimes, de 2016 a 2019, comparando com o mesmo período do ano anterior.

Variação % com relação ao mesmo período do ano anterior – janeiro a março

2016 2017 2018 2019 Qtde de UFs em queda em 2019
Homicídio doloso 3,7 5,9 -11 -22,2 22
Tentativa de homicídio -7 -3 -8 -11 20
Estupro 3 3 10 -10 16
Roubo de veículo 10 10 -8 -28 21
Furto de veículo 2,8 -3,7 -8,2 -11 20
Roubo seguido de morte 12,6 11,4 -24, -21,7 22
média 4,1 3,9 -8,2 -17,3 20,1

Fonte: Sinesp

A tabela nos apresenta diversos fatos: 1) as quedas atingem todos os crimes; 2) as quedas começaram aproximadamente em 2017; 3) as quedas são generalizadas pelos Estados e 4) as quedas foram agudas, especialmente em 2019, e se intensificaram com o tempo.

Quaisquer que sejam as interpretações sobre o que está ocorrendo, elas precisam explicar ou ao menos se adequar a estas características. As explicações que vem sendo apresentadas pelos governos e especialistas, contudo, parecem não dar conta desta realidade. Entre as interpretações apresentadas vimos as mudanças demográficas, prisão dos líderes das facções nos presídios federais, pacificação da luta entre as facções criminais, projetos de segurança pública colocados em prática pelos governos estaduais ou pelo governo federal e a melhora do cenário econômico, entre outras. É possível pensar que várias delas estejam ocorrendo simultaneamente e é difícil distinguir seus efeitos na realidade sem a utilização de designs de pesquisa mais sofisticados.

De todo modo, apenas para formarmos um mapa mental do fenômeno, coloquemos numa matriz as características observadas da queda e suas interpretações e vejamos quais delas se adequam melhor ou pior às estas características.

Matriz de interpretações X características da queda

Interpretações para a queda As quedas atingem todos os crimes As quedas começaram aproximadamente em 2017 As quedas são generalizadas pelos Estados As quedas são agudas e se intensificaram com o tempo.
Mudanças demográficas Explica melhor queda dos homicídios, mas não queda de outros crimes Mudanças demográficas são lineares e não explicam a inflexão em 2017 Sim, trata-se de uma mudança nacional, ainda que em diferentes ritmos Mudanças demográficas são lentas e não se intensificaram em 2019
Prisão dos líderes das facções Não explica queda de crimes não organizados, especialmente patrimoniais Ocorreram apenas em 2019 Apenas facções de alguns Estados foram afetadas Explica em parte a intensificação da queda em 2019
Pacificação entre as facções Não explica queda de crimes não organizados, especialmente patrimoniais Não há evidências de que tenham ocorrido simultaneamente, em 2017 Não há conflito e portanto não há pacificação na maioria dos Estados Não explica intensificação da queda em 2019
Projetos Federais do governo Temer: Sinesp, Plano Nacional de Segurança Pública, Ministério da Segurança Projetos estruturantes, mas que não foram implementados com a intensidade suficiente para induzir as quedas Ocorreram apenas em 2018 Sim, trata-se de iniciativas de abrangência nacional Não explica intensificação da queda em 2019
Projetos estaduais de segurança Dependendo do projeto, pode explicar a queda em diversos tipos de crimes Improvável que vários deles tenham começado a demonstrar impacto precisamente em 2017 Não existem projetos impactantes na maioria dos Estados Projetos de impacto tendem a provocar quedas agudas e poderiam explicar intensificação em 2019
Cenário macroeconômico Melhora do cenário econômico impacta na redução de todos os crimes, em especial os patrimoniais Depois da crise de 2014 a 2016, o cenário macroeconômico começa a mudar precisamente a partir de 2017 A melhora do cenário macroeconômico atinge a todos os Estados simultaneamente Melhora no cenário econômico pode produzir mudanças agudas, mas não explica intensificação das quedas em 2019

Assim, pelo que se depreende do quadro, é possível invocar mudanças demográficas se quisermos entender porque a tendência de queda é generalizada, é plausível que a prisão dos líderes das facções em presídios federais tenha intensificado a queda de alguns crimes em 2019, é possível que alguns projetos de impacto adotados em alguns Estados expliquem porquê a queda não se concentrou apenas nos homicídios e porquê se intensificaram em 2019. Todavia, as mudanças no cenário macroeconômico parecem ser, no geral, as que melhor se ajustam as características observadas da queda. A que melhor se adequa “a sequencia de fatos e coincidências” históricas.

A explicação baseada nas mudanças no cenário macroeconômico não é uma explicação ex-post-facto, como a maioria das interpretações apresentadas. Há toda uma literatura trazendo evidências de como PIB, desemprego, expectativas de consumo e outros indicadores econômicos afetam os ciclos de criminalidade. A retomada do crescimento econômico aumenta a renda e diminui o desemprego, diminui os roubos, diminui a sensação de insegurança. Com isso há menos armas em circulação e menos homicídios. Coletam-se mais impostos e aumentam os orçamentos públicos em segurança e os indivíduos investem mais em proteção pessoal. Embora a economia esteja longe ainda do que estava no período pré 2014, a melhora é visível se comparada ao período de crise de 2014 a 2016 – que catapultou os índices criminais em 2017.

Observe-se, contudo que estamos examinando aqui apenas os ajustes “lógicos” entre a morfologia da queda e tipos de interpretações e variáveis explicativas. O teste lógico já ajuda a refutar algumas conjecturas e a corroborar outras. Mas é preciso submeter estas conjecturas aos testes de realidade, através do levantamento de dados e de pesquisas empíricas baseadas em evidências. Se não conseguimos entender por que os crimes estão caindo, dificilmente conseguiremos saber como continuar estimulando esta queda.

http://tuliokahn.blogspot.com/2019/09/queda-da-criminalidade-no-brasil.html

  1. Dr Guerra

    Proposta de emenda à Constituição 9/2018
    Carreira Policia Civil
    Aposentadoria em classe superior

    Que vergonha! Foi publicado o despacho em 30/03/2019 solicitando o simples arquivamento.

    Curtir

  2. corro e gaeco invadem 3 DP, e prendem recolha do 12 DP e alguns policias do SIG centro
    a bomba vai estourar
    lance de recolha e de treta com anabolizantes

    Curtir

  3. Em decisão monocrática proferida no fim de agosto, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello determinou a liberdade de um integrante do segundo escalão na cúpula do PCC (Primeiro Comando da Capital). Odemir Francisco dos Santos, 39, conhecido como Branco, foi beneficiado com habeas corpus liminar. A SAP (Secretaria da Administração Penitenciária) informou que Branco deixou o CDP (Centro de Detenção Provisória) 3 de Pinheiros no dia 4 de setembro “em cumprimento à decisão judicial que determinou a liberdade provisória”… – Veja mais em https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2019/09/17/ministro-do-stf-concede-habeas-corpus-e-lider-do-pcc-e-libertado-de-prisao.htm?cmpid=copiaecola

    Curtir

  4. No meu bairro a criminalidade caiu. O PCC já deu um salve aqui: se pegar mais um ladrãozinho no farol vai botar pra quebrar! Resolveu, pelo jeito!

    Curtir

    • Sendo bem racional e prático, esse é o método que funciona: Punição severa e certeira. Pena estar sendo aplicado por uma facção criminosa e não pelas forças e autoridades que deveriam zelar pela segurança pública. Passar a mão na cabeça do criminoso nunca vai ser uma política de segurança pública efetiva.

      Curtir

  5. Esse faz jus à denominação de "especialista em segurança" o resto é meia boca. disse:

    O Dr. Túlio Kahn é, sem sombra de dúvidas, um dos mais qualificados profissionais na abordagem científica da variação da criminalidade no tempo e no espaço. Fatores que influenciam o fenômeno, tais como a sazonalidade, fatores sociais, econômicos, etc. Sempre preocupado com o tratamento e a qualidade das informações, é autor de inúmeros trabalhos e estudos na área, prestou relevantes serviços a SSP e as polícias civil e militar, inclusive na orientação dos alunos dos cursos superiores das instituições. Há mais de uma década já anunciava o fenômeno da interiorização da criminalidade, o que hoje é uma realidade, não existe mais cidade tranquila neste Estado e, quiça no Brasil, basta ver a atuação do crime organizado nos roubos às agências bancárias o que em algumas regiões ficou conhecido como novo cangaço. Um grande abraço ao mestre.

    Curtir

  6. “corro e gaeco invadem 3 DP, e prendem recolha do 12 DP e alguns policias do SIG centro
    a bomba vai estourar
    lance de recolha e de treta com anabolizantes”

    Caro Ricardo,

    Vejo com surpresa a postagem. Inicialmente porque o GAECO desde sempre soube da “recolha” institucionalizada nas chefias das unidades policiais. Sempre soube que as áreas são mapeadas quanto a maquineiros, bicheiros, puteiros, desmanches, biqueiras, etc. As titularidades são atribuídas lavando-se em consideração os laço$ entre doador e donatário.

    Maior surpresa ainda porque, dias atrás, houve uma postagem neste blog policial dando conta que na centro o seccional iria acabar com esse tumor com metástase institucional chamado “RECOLHA”

    Fala pro “GAECO” oferecer uma delação premiada pro recolha informar os nomes dos coletores mor, dos destinatários finais do “arrego”.

    Por falar o mais do mesmo, ou seja, “CORRUPÁTIO”,acharam aquela TONELADA DE MACONHA que evaporou da delegacia da amiga do majura diretor?

    Curtir

  7. Agepone, infelizmente a situação não é pontual, ao léu está a de SJC e todas as demais. Só tá numa boa o DOPE, aquele que aparece toda hora nos programas policiais.

    Curtir

  8. delação nao so de recolhas como dos militares e prefeitura que também recebem seu erário! Ou vai me dizer que esses setores não sabem e não circulam na região?

    Curtir

  9. Boca rica essa de ser recolha do 12, feirinha da madrugada e um puta shoping de piratex, nome Valtier se não me engano.

    Curtir

Os comentários estão desativados.