Como delegado fez o caminho da cadeia – a “gratificação de coração” de eventual passou a habitual e por fim: exigência oficial 9

MP acusa policiais civis de extorsão a fazendeiros vítimas de roubo

Seis agentes, que estão presos, teriam pedido dinheiro para localizar até cabeças de gado

SÃO PAULO
O delegado João Paulo de Oliveira Marques, em Cristais Paulista (SP) — Foto: Reprodução/EPTV

O delegado João Paulo de Oliveira Marques, em Cristais Paulista (SP) — Foto: Reprodução/EPTV

Seis policiais civis do interior de São Paulo estão presos preventivamente acusados pelo MP-SP (Ministério Público de São Paulo) de extorquir dinheiro de donos de animais e veículos agrícolas roubados ou furtados, para que as eles tivessem de volta seus pertences. Eles agiam, segundo promotores, em áreas rurais nas cidades de Rifaina (464 km de SP), Ituverava (413 km de SP) e Guará (400 km de SP).

Segundo denúncia do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), um delegado e cinco policiais civis mantinham um esquema em que cobravam dinheiro para que vítimas de roubos e furtos de animais, caminhões e veículos agrícolas, pagassem para conseguir de volta o que foi recuperado em investigações feitas pelos acusados.

Trator que supostamente foi negociado pela organização. Seis policiais civis do interior de SP, e um vereador, são acusados pelo MP de organização criminosa – Divulgação/MPSP

De acordo com mensagens trocadas entre o delegado e um investigador de Ituverava, em 29 de outubro do ano passado, eles comentam sobre o pagamento para a devolução de um trator roubado que foi recuperado em uma investigação feita pelos acusados.

Na conversa, o delegado, segundo o MP, pergunta em código se haverá pagamento para que devolvam o veículo. O investigador responde positivamente. No dia seguinte, após conversarem com o proprietário da máquina agrícola, os policiais recebem dois cheques, apreendidos pelo Gaeco, totalizando R$ 4.000.

O esquema foi descoberto pelo MP graças à interceptação das mensagens trocadas entre os suspeitos. “Os denunciados estavam em constante contato entre si, versavam sobre os recebimentos espúrios e seus valores com frequência, evidenciando que aqueles que tinham por obrigação reprimir o crime formaram verdadeira rede criminosa cujo objetivo central era o lucro fácil de dinheiro em razão de seu ofício”, diz trecho de documento assinado pelo promotor Rafael Queiroz Piola.

O grupo também é acusado de beneficiar o vereador João Batista Nogueira (PSDB), conhecido como “João do Guincho”, de Ituverava, dono de um pátio para onde os acusados sempre direcionavam veículos apreendidos em operações policiais, mesmo realizadas em outras cidades, também de acordo com o Ministério Público.

Por conta disso, os agentes recebiam “gratificações” do político, pois encaminhavam ao comércio do parlamentar, ainda segundo o Gaeco, veículos que poderiam ser guardados em outros pátios da região. Em um das interceptações do MP, foi constatado o pagamento de R$ 2.700 feito pelo político a policiais.

Os policiais e o vereador são acusados de organização e associação criminosa, além de corrupção passiva. As prisões ocorreram no mês passado. O político acabou solto por problemas de saúde.

Pagou para recuperar vacas

A reportagem apurou que um pecuarista de 65 anos teve 17 vacas e um bezerro furtados de sua propriedade, em 10 de setembro do ano passado, na área rural de Buritizal (436 km de SP). No dia seguinte, segundo boletim de ocorrência registrado pelo delegado acusado pelo MP, os animais foram  recuperados e devolvidos ao dono.

Porém, ainda de acordo com a denúncia do MP, o dono dos animais pagou R$ 8 mil aos policiais para que que as vacas e o bezerro fossem recuperados. As “bonificações” foram divididas entre quatro policiais civis.

A investigação do Gaeco identificou que a quadrilha é constituída por três “células”. Uma delas é chamada de “executiva”, composta por um delegado e um investigador. Ambos, segundo o MP, recebiam os pagamentos das vítimas e repassavam aos integrantes de outra célula, chamada de “subordinada.”

A terceira célula , chamada de “particular-empresário”, era constituída somente pelo vereador. Segundo o Gaeco, todos os veículos apreendidos pelas polícias Civil e Militar eram recolhidos pela empresa do político.

Respostas

Por telefone, o vereador João do Guincho (PSDB) afirmou que deu o dinheiro à polícia por conta de uma reforma que ocorria na delegacia de Ituverava. “Dei ajuda à delegacia para ajudar à comunidade. Interpretaram [MP] isso como se fosse uma propina que dei aos policiais para me favorecer no guincho”, explicou.

Em seguida, a ligação caiu e a reportagem não conseguiu mais falar com o vereador, pois, segundo uma gravação, a linha estava “impossibilitada para receber chamadas.”

​A Ouvidoria das polícias afirmou que vai instaurar um procedimento para acompanhar os desdobramentos do caso.

A Polícia Civil em nota diz que os agentes citados estão presos preventivamente. Também afirma que a Corregedoria da instituição, que apoiou a operação do Gaeco, instaurou um procedimento para apurar a conduta de todos os envolvidos.

___________________________________________________________

Tomar dinheiro de vítima e ainda no interior é pedir desgraça.

A parte – umas por justa indignação outras  por simples jactância –  contam para o padre para Deus e para o mundo. 

E é bem assim o caminho da desgraça:

Você cumpre o seu dever ;  vem alguém e diz – Dr. vou deixar um presentinho pro Sr. e para os seus policiais. 

Depois de duas ou três vezes a gratidão alheia acaba incorporada à renda da família. Tem os móveis novos, a geladeira; os smartfones dos filhos, etc.

Até que uma vítima pura e simplesmente diz – obrigado Dr. , e vira as costas para ir embora…

Surpreendida escuta o esbravejado – obrigado, não!

Cadê o nosso? 

  1. É foda, é foda, é foda, é foda… viu.
    Ó meu, deixa eu falar uma coisa ó:
    A tiragem e os delegas estão vivendo muito tempo e próximos de pms viu meu.
    Estão aprendendo a malandragem com esses negos aí viu meu, estão achando que terão a mesma impunidade dos oficiais da pm meu.
    Não cai nessa não negada, vamos trabalhar certinho meu; deixem esses barato doído aí de lado caraio.

    De quem é o iate ppppmmmmssss?

    Quem é o mikão bundudo traficante do batalhão de Botucatu caraio?

    Cadê o JACA hein meu?

    Curtir

  2. Minha dúvida é somente uma, para não atirar pedra em ninguém: será que uma melhora salarial de verdade, não resolveria o problema?! Não esqueçam que um dia a ex co-irma Federal, um dia esteve assim! Hoje, melhorou um pouco!

    Curtir

      • Esta coberto de razão. Pena que os PSDBistas que a 30 anos tem SP nas mãos não acham o mesmo como bons idiotas que são.

        Curtir

  3. Vem cá que vista de corrupção e está de 2.700 reais,ta mais para esmola caralho. A quadrilha do Psdb que roubou bilhão o Mp não fala nada,cadê as prisões e os processos. Será que tão quietinhos porque?

    Curtir

  4. Infelizmente é mais do mesmo. Muitas vezes sinto vergonha e nojo de tudo isso.
    Aprendi desde infância que policial é para prender bandido, não para se tornar um.
    O pior é que muita gente vê essa roubalheira como algo normal.

    Curtir

  5. As cidades pequenas são o melhor palco ou cenário para que a Polícia Civil crie e mantenha uma imagem positiva junto a população local, vez que, normalmente, o crime cometido é o de furto e não demanda uma investigação complexa que dependa de muitas provas técnicas para que seja esclarecido, recuperando-se a coisa furtada e identificando-se quem o tenha cometido. A Polícia Civil tem a faca e o queijo na mão para que isso aconteça e o que acabou ocorrendo, uma meia dúzia de policiais que poderiam fazer isso, escolhem o cenário para fazerem exatamente o inverso, ou seja, aproveitaram-se da situação para se locupletarem de pessoas simples de cidades pacatas, recebendo vantagens indevidas por terem feito exatamente o que são obrigados a fazerem por força do cargo que ocupam. É o fim da picada. Na pacata cidade do interior o policial concorre com o ladrão de galinhas.

    Curtir

Os comentários estão desativados.