O retrato da corrupção institucionalizada na Polícia Civil de São Paulo 7

Saiu da Diretoria do Decap direto para ser o Corregedor Geral. Em outras palavras, saiu de onde as falcatruas eram praticadas e foi para onde poderiam ser investigadas. Foi para lá arredondar, suavizar, arquivar, neutralizar qualquer possibilidade da roubalheira ser investigada e punida.

Na Corregedoria, durante sua gestão, era comum você se deparar com conhecidos “recolhas” do Decap que ele levou para lá e que assumiram as principais funções de investigação do órgão, principalmente na DOP.

Ao sair, deixou seu afilhado institucional como Corregedor Geral, para continuar amaciando o que porventura tenha sobrado e retornou à diretoria do DHPP, onde já havia sido Diretor e numa medida inédita chegou a liberar que no Departamento também fossem apurados crimes patrimoniais.

Ao ser removido do DHPP, de maneira inédita, a atual gestão da ADPESP, fez uma monção de desagravo pelo ato, absolutamente normal na Administração Pública decorrente do exercício do Poder Hierárquico. Incontinente, seu afilhado Corregedor Geral, pediu exoneração em “solidariedade”. Coisa linda hein! Outro afilhado seu, na Direção do Deic. não pensou da mesma forma. Vai abrir mão de uma teta Nelore daquelas.

Nossa polícia é isso ai, e não é de hoje. Esse esquema, que se repete com outros núcleos de poder que se instalam nas diretorias da instituição e passam a sugar(coletar, arrecadar) como carrapatos numa vaca, só foi investigado porque o fio do novelo foi sendo desenrolado pela Polícia Federal que possui know how e recursos para investigar organizações criminosas e lavagem de dinheiro em firmas de fachada, tipo consultorias de segurança, né pós sábado? Se dependesse da Corregedoria Geral da Polícia Civil a investigação já estaria no arquivo morto do Estado.

Felizmente, esses canalhas nunca me lideraram e jamais fiz parte desses esquemas mafiosos de poder na instituição. Entrei de cabeça erguida na Polícia Civil, fiz a travessia por trinta anos, sem macular meu nome, o dos meus filhos, o da minha família, dos amigos e o da instituição. Não dei o desgosto aos meus familiares de ver a minha imagem e meu nome divulgados nas maiores redes de radiodifusão do Brasil, como envolvido em esquemas de corrupção que, segundo o Ministério Público, fundamentam um pedido de estorno para o patrimônio público da ordem de R$ 22 milhões de reais achacados pelo grupo. Se bem que esse pessoal é como político corrupto, parece redundância, mas ainda existem raros exemplares de honestos, não estão nem ai com imagem ou nome, o que interessa mesmo é numerário. O brasileiro tem memória curta e o negócio é usufruir bem toda a grana que foi achacada.

São esses monumentos de moralidade institucional que, ao se sentirem incomodados, detêm o poder na instituição para baixarem uma portaria e deflagrarem um processo administrativo que pode culminar com sua demissão da instituição, como aconteceu com o amigo Guerra. Simples assim!

Escrito por: amigo da Consolação

  1. A bandeira a ser levantada é a da comunhão de esforços para que a Lei Orgânica da Polícia Civil seja alterada no sentido de que o policial com todos os requisitos para aposentadoria permaneça na classe especial da carreira por no máximo 5 anos. A não abertura de curso superior de polícia para a classe especial, antes de que todos os primeiras classes que já concluíram referido curso sejam promovidos.

    Essa é a bandeira que as entidades de classe devem abraçar. É isso que vai oxigenar a cúpula da nossa polícia. Isso é ser classista, é dar a possibilidade aos seus pares para que também alcancem a última classe da carreira. Estamos com centenas de policiais que já concluíram o curso superior, se aposentando por não enxergarem a menor possibilidade de serem promovidos a classe especial.

    É inaceitável um delegado com mais de duas de classe especial, que já tenha sido Delegado Geral, que já tenha ocupado quase todas as diretorias da entidade, se insurja contra ato administrativo que o tenha removido e conte com uma monção de desagravo da entidade de classe a que pertença.

    Parafraseando outro flitador,” véio com idade para se aposentar na polícia ou está encostado, ou fofocando, ou roubando ou fazendo politicagem através da entidade de classe”. Uma coisa é certa, só não está trabalhando.

    Curtir

  2. Aí fica muito bem explicada a razão de tantos amores pelas policia, ou seja, pela propina. Vagabundos a para roubarem deixa os demais em situação de penúria, no fundo os pilantras não roubaram só o Estado e sim todos os policiais visto que para ficar nos cargos valia tudo inclusive prejudicar os outros fazendo uma falsa acao de moralidade.

    Curtir

  3. Deveria ser como na PM: 5 anos no último posto é obrigado a se aposentar. Na PC, inventaram até a “NASA” para aqueles que não produzem mais, mas não querem ir embora.

    Curtir

  4. Centenas de excelentes e bem mais jovens delegados de polícia, com curso superior de polícia concluído, com pretérito funcional e criminal limpos, sem trânsito em crimes contra a administração pública e da justiça, aguardando a oportunidade de serem promovidos a classe especial, sem enxergarem a menor possibilidade de serem promovidos, passam a inatividade graças aos classistas da classe especial, aqueles que ingressam na classe e dela só saem se morrer, forem pra cadeia ou tiverem se arrastando aos 75 anos. Os mais novos, com conhecimentos atualizados e cheios de energia e vontade de trabalhar vão embora para que os velhos permaneçam com duas ou três décadas só na classe especial não somando absolutamente nada para a instituição.

    E isso se repete em todas as carreiras da nossa instituição.

    Senhores deputados estaduais, Senhor governador deste Estado, entidades de classe da nossa Polícia Civil, urge que sejam envidados todos os esforços para que essa ultrapassada Lei Orgânica da Polícia Civil seja alterada, no sentido de fixar em 5 anos, o tempo máximo de permanência na classe especial, quando o ocupante do cargo preencher todos os requisitos para a aposentadoria.

    Suspender a realização de cursos para promoção realizados na Academia de Polícia, até que todos os policiais que tenham concluído o curso com aproveitamento e preencham os demais requisitos sejam promovidos. Hoje, centenas deles se encontram nessa situação. Novos cursos só interessam àqueles grupos que monopolizam as aulas na Academia e que vão continuar enchendo os bolsos de dinheiro num curso desnecessário.

    Só isso pode acarretar a oxigenação da cúpula e dar uma nova dinâmica a nossa polícia, fazendo com que deixe de ser propriedade de duas ou três dúzias de dirigentes.

    Curtir

  5. Com esse salário fica difícil aposentar-se!!!! Perde-se entre abono, alimentação e outros quase 2000 reais…não dá!!!!!

    Curtir

  6. Uma coisa é certa, não tem inocente nessa estória. Lembrem-se: Quem se envolve com os porcos come lavagem.

    Curtir

  7. Um dos primeiros atos quando assumiu a Delegacia Geral de Polícia foi promover seu afilhado a 1ª classe e, por ato administrativo, criar um órgão na estrutura organizacional da instituição, especialmente para acomodá-lo o qual, anos depois, foi DEMITIDO por falcatruas que praticou na instituição, além daquele fato deprimente que protagonizou no plantão do 78º DP que não vale nem a pena relembrar.

    “Troque a monção de desagravo a tiranossauros pela renovação da nossa polícia”

    Curtir

Os comentários estão desativados.