1. Biden vence. Só falta excomungar o demônio daqui.

    Curtir

  2. Complicado quando o Cara é frustrado, perde a carreira na polícia, tem inveja dos delegados bem sucedidos e vive de espinafrar o único governante honesto dos últimos 50 anos. O fracasso dói muito, eu entendo…

    Curtir

    • Fodônio,

      O fracasso dói muito, você entende, sim: na prática!

      Meu caro , depois da sua afirmação “o único governante honesto dos últimos 50 anos ” , dá pra perceber que você é um baita de um idiota!

      Curtir

  3. É certo que não é de hoje e sim a tempos que nosso Pais virou a “casa de mãe-joana”, mas a prodência aconselha-nos a não bulir com certas coisas.

    C.A.

    Curtir

  4. Esse bozo ferrou a relação com a China pra agradar seu amado e agora o amado não foi reeleito…. E a China vai comprar soja da Tanzânia. E ainda chamavam Dilma de anta!

    Curtido por 1 pessoa

  5. Trump perde e ameaça, Bolsonaro perde. 01 denunciado. Banco Central autônomo? Fujam pras montanhas

    Curtir

  6. Reação de Bolsonaro amplia sua derrota com Trump
    Fernando Brito
    08/11/2020
    10:48 am

    https://tijolaco.net/wp-content/uploads/2020/11/MUDO.png.webp

    O silêncio mal-humorado de Jair Bolsonaro diante da vitória eleitoral de Joe Biden nos Estados Unidos não apenas aumenta o tamanho da derrota que ele próprio sofre com o resultado das urnas norte-americanas como serve de medida para as dificuldades que o brasileiro enfrentará com a perda não só do seu “grande irmão do Norte” como, também, da ideia de ‘mito invencível’ que seu paradigma “gringo” ostentava.

    Não adianta que integrantes do seu governo digam que nada muda nas nossas relações com os Estados Unidos. A atitude de Bolsonaro só confirma que ele será, por todas as razões, um dos alvos políticos do novo comando da Casa Branca, porque isolá-lo é o caminho mais fácil para, diante da Europa e da própria América Latina, afirmar uma postura de afirmar sua convicções pró-democracia e sobre temas ambientais.

    Bolsonaro, afinal, é – e faz questão de ser – um pobre clone projetado de Trump por estas bandas.

    O próprio resultado e as declarações que se seguiram à vitória de Biden, todas afirmando que é preciso superar os ódios, a discriminação, a transformação de adversários em inimigos são, afinal, o derrota do discurso que triunfou aqui nos últimos anos.

    E significou, também, uma atitude de superação das partições “identitárias” como fator essencial da política: afinal, formou-se uma quase unanimidade entre estes grupos de que a oposição ao fascismo e a estupidez é um passo que antecede e engloba suas lutas setoriais, por mais que elas tenham, claro, uma natureza universal.

    O quanto isso vai representar depende, claro, dos dias turbulentos que ainda se irão viver nos EUA, com recursos e contestações judiciais e políticas que o resultado das urnas enfrentará, mas parece evidente que não há neles força para levar adiante uma cisão do país.

    Não haveria dúvidas de que o governo Bolsonaro estaria, a esta altura, inviabilizado se não fosse uma diferença, marcante, do que se passa por lá e o que acontece aqui: a cumplicidade das Forças Armadas com o presidente e não com a prevalência do poder civil.

    Os generais que partidarizaram as nossas Forças Armadas terão de ser por elas esvaziados politicamente. Do contrário, serão também levadas de roldão no despenhadeiro político que este governo tem à frente.

    Curtir

  7. A “rachadinha” de Bolsonaro: fique no cargo e a elite ganha
    Fernando Brito
    09/11/2020
    5:17 am

    https://tijolaco.net/wp-content/uploads/2020/11/rachadinha.png.webp

    A longa reportagem do Fantástico sobre o esquema das “rachadinhas” de Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz acrescenta ao caso um ingrediente explosivo: a confissão de uma das integrantes do desvio de remunerações de funcionários do gabinete do Filho 01 para o pagamento de despesas pessoais do hoje senador pelo Rio de Janeiro.

    A falta de reação da família tuiteira é a melhor métrica de quanto isso a atingiu.

    Ainda que haja provas em profusão, não espere desdobramentos rápidos.

    O caso será mantido em banho-maria, mas isso não deve ser visto como uma “pizza” bolsonarista.

    Assemelha-se mais a manter descoberto um calcanhar de Aquiles do presidente, uma espécie de “reserva de vulnerabilidade” que será usada se e como Jair Bolsonaro resolver enfrentar o poder de fato do país.

    O que se pede de Bolsonaro é, ironicamente, uma “rachadinha”: ele ocupa o cargo mas quem ganha é a elite dominante.

    Isso vai funcionar?

    Nem mesmo as forças mais reacionárias são capazes de cravar um “sim” a esta pergunta.

    A questão, para o establishment é ter alguém que seja capaz de sustentar a potência eleitoral que Bolsonaro mantém e é por isso que ele não será massacrado pela mídia mas, embora com certa “preservação do Jair”, que é, evidentemente, o arquiteto dos esquemas aplicados pelo filho.

    Curtir

      • Eu diria que esta indo muito bem nesse sentido. A única razão de ainda haver visitas aqui é porque os policiais não tem outro blog para acessar. Sem monopólio isso aqui fecha de vez.
        Aliás, tem certeza que é Guerra quem esta ai? Postagens sem noção… Mudança de lay out… Ta esquisito.

        Curtir

  8. Após dois anos, percebemos que o tsunami Bolsonero não passou de uma “marolinha”. Sequer sabemos se daqui a mais dois chegará na praia.

    Curtir

  9. Apesar de todos os contratempos e tentativas de frear as investigações do Ministério Público do Rio de Janeiro, o senador F. Embolsalário de funcionários fantasmas ou não foi denunciado. Será que a coisa vai rolar? Será que vai estornar tudo o que recebeu indevidamente? Ou será o mais do mesmo e tudo não passará de mais uma pizza que outra coisa não fez senão estardalhaço na mídia que não deu em nada.
    Vamos aguardar.

    Curtir

  10. Postagem totalmente desnecessária. Se não se alinha com as ideias dele não precisa ir tão baixo. Sem mais comentários.

    Curtir

  11. Imagem escrota, mas definiu com precisão a vassalagem do bozo em relação ao Trump! Essa relação nem era por alinhamento ideológico, era uma coisa pessoal. Me respondam como um homem pode chamar outro de amigo, sem ao menos falar o idioma do cidadão? Tava chato já essa boiolagem!

    Curtir

  12. Vamos ver em quatro anos a porcaria que estará .

    Crescimento pifio, aumento da pobreza, preços exorbitantes no mercado, dólar disparado, salário corroído.

    Ainda bem que passado quatro anos que este foi mais um do mesmo, com filhos larápios e co. O presidente cordeirinhos com o covil de ladrões, aqueles mesmos que ele era tão
    Voraz.

    Pq ele se esqueceu que ele está.no mesmo balaio.

    Curtir

  13. É realmente o nível está bem baixo, nem parece que este pertence a um delegado de polícia, é uma vergonha.

    Curtir

  14. Digo este site. E afinal de contas foram quase 60 milhões de eleitores, que devemos respeitar, e portanto é uma democracia..

    Curtir

    • Hater,

      Eu não tenho que respeitar quem defende esse bosta que só pode ser tão bosta quanto!
      Bolsonaro é um vassalo do Trump , um chupa rola de um bandido que já esteve envolvido até com traficantes de cocaína!
      Pode ter certeza, o amor dos Bolsonaros pela América acabou!
      Por fim, Bolsonaro é só mais um político ladrão , manipulador da torpeza e das necessidades alheias.

      Curtir

  15. Se acham ruim com Trump, esperem daqui a um ano com o Biden, aliás que de bobo não tem nada. Esse papo de “minoria” só foi pra campanha. A América sempre foi a América independente de ser Democrata ou Republicana. Leiam sobre o Biden na Wikipedia; há um documento de 2001 sobre ameaça de bioterrorismo onde o Biden Senador participou do alerta ao governo americano naquela época sobre o perigo de novos vírus. A China que se cuide.

    Curtir

  16. China reage à suspensão de teste com a vacina: “bajulação aos EUA”
    Fernando Brito
    10/11/2020
    11:26 am

    https://tijolaco.net/wp-content/uploads/2020/11/chinavac.jpg.webp

    O jornal Global Times, ligado ao governo chinês publicou matéria sobre a suspensão dos testes com a Coronavac, vacina chinesa que está em fase de testes para a produção no Brasil.

    E o tom dá ideia do que é a reação do governo chinês:

    O Ministério das Relações Exteriores da China, o produtor chinês da vacina e um instituto brasileiro esclareceram que a decisão do órgão regulador de saúde do Brasil de suspender os testes de uma vacina COVID-19 produzida na China não está relacionada à vacina em si, depois que a mídia estrangeira disse que a suspensão veio após um “evento adverso grave.”
    Especialistas chineses disseram que a politização das questões de vacinas por parte de alguns políticos brasileiros foi provavelmente o motivo. Eles disseram que a questão do teste da vacina, que é um trabalho que salva vidas em meio à pandemia COVID-19, não deve ser influenciada por disputas políticas brasileiras ou pressão dos EUA.

    Eles enfatizaram que a vacina é essencial para combater o vírus, mas a suspensão sem uma desculpa razoável pode retardar o processo de desenvolvimento da vacina.

    Wang Wenbin, porta-voz do ministério, disse em entrevista coletiva na terça-feira que notamos que o Instituto Butantan, parceiro da Sinovac Biotech da China no Brasil, concluiu que o “evento adverso” relatado que fez com que o órgão regulador de saúde do Brasil suspendesse os testes de um A vacina produzida na China no Brasil não teve relação com a vacina produzida pela Sinovac.(…)

    O comentário de Wang veio depois que a mídia noticiou que o Brasil havia suspendido os testes clínicos da vacina após um “incidente adverso” envolvendo um receptor voluntário, chamando-o de “um golpe” para uma das vacinas candidatas mais avançadas.

    A Sinovac disse em um comunicado enviado ao Global Times que “estamos confiantes na segurança da vacina”, acrescentando que o incidente adverso “não está relacionado à vacina”.(…)

    O Butantan lembrou que está à disposição da agência reguladora brasileira para prestar os esclarecimentos necessários a respeito de qualquer evento adverso que os estudos clínicos possam ter apresentado até o momento. (…)

    O “efeito adverso” foi divulgado quando a farmacêutica norte-americana Pfizer disse que sua vacina candidata de mRNA é mais de 90 por cento eficaz, o que o especialista disse ser muito provável que seja uma coincidência.

    No entanto, o momento não poderia ser descartado. Se assim for, a medida provavelmente visa bloquear a vacina da China, pressionando as autoridades brasileiras a cessar a cooperação com a China e recorrer à vacina fabricada nos Estados Unidos, disse o especialista.

    Mas essa possibilidade é baixa, observou ele.
    Jiang Shixue, diretor do Centro de Estudos Latino-Americanos da Universidade de Xangai, disse ao Global Times na terça-feira que, como a suspensão não está relacionada à vacina em si, a decisão aparentemente se baseia em preocupações políticas.

    A mídia estrangeira noticiou que o defensor mais visível da vacina chinesa no Brasil é o governador do grande e rico estado de São Paulo, João Doria, que também é um dos principais oponentes do Bolsonaro.

    Doria é amplamente citada como uma provável adversário à candidatura de Bolsonaro à reeleição em 2022, disse Jiang. Ele observou que Bolsonaro obviamente apelou para questões da vacina em uma tempestade ideológica alimentada pela disputa pela eleição presidencial de 2022 no Brasil.

    Jiang disse que a suspensão pode ser resultado não apenas da situação política interna, mas também da pressão dos EUA.

    A mídia disse que os laços Brasil-Estados Unidos estão esquentando depois que o Brasil recebeu um impulso com uma atualização de um acordo comercial bilateral existente em outubro.

    A vacina produzida na China pode ser uma vítima, já que o Brasil quer bajular os EUA, observaram os especialistas.

    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, alertou no mês passado que os EUA e o Brasil precisavam reduzir sua dependência das importações da China para sua própria segurança.

    A Anvisa manteve os testes após a morte de um voluntário participante da vacina COVID-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford e o laboratório AstraZeneca devido a efeitos adversos.

    A história causada pela monstruosoidade de Jair Bolsonaro ao comemorar a morte do voluntário vacinado – não se sabe ainda se com a Coronavac ou cm placebo – vai longe.

    Curtir

  17. Morte de voluntário da Coronavac ocorreu por suicídio ou overdose
    Laudo toxicológico deve acabar com essa dúvida nos próximos dias

    10/11/2020 – 14h13
    COMPARTILHE

    https://files.nsctotal.com.br/s3fs-public/styles/paragraph_image_style/public/graphql-upload-files/instituto%20butantan%20divulgacao%20vacina%20chinesa%20coronavirus_2.jpg?w_kCUtEa1Em64zwOAje3GFyxO_kxXWZu&itok=c4ktHNn7&width=750

    Por Folhapress
    Coronavac, vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan
    Coronavac, vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan(Foto: Instituto Butantan/Divulgação)
    A causa da morte do voluntário que participava dos testes clínicos da fase 3 da Coronavac não foi relacionada com a eventual aplicação da vacina contra a Covid-19.

    ​> Anvisa interrompe estudos clínicos da vacina Coronavac​

    ​> Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui​

    A principal suspeita dos investigadores ouvidos pela reportagem é de que a pessoa, um homem de 33 anos, cometeu suicídio ou teve uma overdose.

    A informação de que ele teria se matado foi divulgada mais cedo pela TV Cultura, do governo estadual. A hipótese é vista como mais provável por pessoas ligadas ao caso.

    Um laudo toxicológico deverá dirimir essa dúvida nos próximos dias. A vítima foi encontrada pelo zelador de seu prédio já morta, no dia 29 de outubro, com uma seringa a seu lado, depois que seu namorado relatou que ele estava havia muitos dias sem dar notícia.

    ​> Vacina da Pfizer contra Covid-19 é 90% eficaz, apontam resultados da fase 3​

    O Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, que coordenava o grupo de voluntários integrado pela vítima, já havia descartado a relação entre a morte e a vacina. O mesmo foi feito pelas autoridades estaduais.

    Leia mais
    Bolsonaro afirma que irá comprar qualquer vacina certificada pela Anvisa
    VACINA COVID-19
    Bolsonaro afirma que irá comprar qualquer vacina certificada pela Anvisa
    Santa Catarina tem R$ 200 milhões reservados para combate ao coronavírus em 2021
    SAÚDE
    Santa Catarina tem R$ 200 milhões reservados para combate ao coronavírus em 2021
    É essa natureza sensível da informação, aliada ao sigilo médico inerente à realização de estudos com voluntários, que fez o governo de São Paulo evitar falar por que tinha certeza de que a suspensão dos ensaios com a vacina chinesa não se justificava.

    ​> Santa Catarina pode testar vacina contra coronavírus desenvolvida na Itália​

    A decisão de parar os estudos pegou o governo de surpresa, já que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) estava a par da natureza do que é chamado de evento adverso entre o grupo de voluntários.

    A suspeita é de que houve direcionamento político na decisão, visando prejudicar o cronograma da vacinação contra o novo coronavírus, prioridade da gestão do governador João Doria (PSDB), que é adversário direto do presidente Jair Bolsonaro.

    Isso foi reforçado após Bolsonaro celebrar uma “vitória” em rede social contra Doria acerca da suspensão dos testes. Ambos os governantes vivem uma “guerra da vacina”, com o presidente questionando tanto a eficácia quanto a obrigatoriedade da imunização, mesmo tendo convênio para comprar o produto da britânica AstraZeneca.

    ​> Painel do Coronavírus: veja em mapas e gráficos a evolução dos casos em SC​

    O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, havia cometido um ato falho ao falar em óbito durante uma entrevista ao vivo na própria Cultura, na noite de segunda (9). Nesta terça, afirmou que havia citado isso apenas em teoria.

    Ainda não se sabe se o voluntário recebeu a Coronavac, que no Brasil será produzida pelo Butantan a partir do ano que vem, caso seja eficaz, ou um placebo como parte do grupo de controle do ensaio da fase 3.

    ​> UTI Covid do Hospital da Unimed em Balneário Camboriú lota em uma semana​

    Os chineses da Sinovac, criadores do imunizante, acreditam que os estudos estarão encerrados em seu país até o fim deste mês. No Brasil, há 13 mil voluntários da Coroanavac sendo acompanhados. Para ser liberada, ela precisa de aprovação justamente da Anvisa.

    *Igor Gielow

    Temas:

    Curtir

Os comentários estão desativados.