O CASO DO BICHEIRO OSTENTADOR CARLINHOS VIRTUOSO E A RIGOROSA CONDENAÇÃO DE CINCO EXCELENTES INVESTIGADORES 8

O CASO DO BICHEIRO OSTENTADOR CARLINHOS VIRTUOSO E A CONDENAÇÃO DE CINCO EXCELENTES INVESTIGADORES

0 juiz titular da 5ª Vara Criminal de Santos, no último dia 26 de julho , fez publicar sua sentença condenatória em desfavor de 5 policiais civis, do gerente da Banca Virtuoso e, também, em desfavor de cerca de 30 ex-funcionários da Banca, entre eles policiais militares ativos e inativos.

O processo foi iniciado em razão de investigação e denúncia do GAECO – Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – que se iniciou em 2013.

As penas infligidas aos policiais civis foram demasiadamente exacerbadas, alcançando 13 anos e 4 meses de reclusão por corrupção passiva, que deverão cumprir em regime fechado.

O gerente do Carlinhos Virtuoso foi condenado a 18 anos e 10 meses em regime fechado.

A caixinha do jogo ajuda na renda de um grande numero de policiais civis…Ajuda no supermercado!

Não é nenhuma vergonha, perto do que gente que se acha acima de suspeitas faz para turbinar seus já vantajosos vencimentos.

Vergonha é tomar R$ 100.000,00 por mês e mandar pagar apenas R$ 100,00 , para o plantonista.

Vergonha é delegado titular receber R$ 20.000,00, mas não deixar o mensageiro nem sequer receber R$ 1.000,00.

Vergonha sofri ao não ser cumprimentado por uma magistrada, negando-me um simples aperto de mão.

Não que me fizesse falta; apenas cumpri o ritual de vinte e poucos anos. Esqueci que era o Réu que supostamentev caluniou o sogro de um desembargador. Sim, ele se arrependeu do crime e desistiu voluntariamente de dar continuidade depois da maracutaia virar noticia Global.

Não sou bandido e não se tratava de uma mulher numa festa. Era uma funcionaria publica em seu gabinete.

Mas a maior vergonha foi, ao final da audiência, ela levantar do seu trono indo abraçar o Dr. Ruy Estanislau Silveira Mello, se desculpando por ele ter vindo de Brasília arrolado como testemunha do ofendido , dando-lhe forte abraço e mandando lembranças para o presidente Michel Temer…Pode? E me condenou sabendo que, pela lei anterior a 2010, poderia ter declarado extinta a punibilidade. Condenou e na própria sentença já assinalou a prescrição e, depois, me negou o direito a apelar sob a alegação de que equivalia a absolvição. Se eu fosse amigo do Temer seria bem diferente.

Mas retomando o assunto, durante meses os Promotores do GAECO, muito bem remunerados pelo Erário – graças a legislação imoral e de duvidosa legalidade que concede privilégios a magistrados, promotores, procuradores do estado e fiscais de renda – sempre contando com o apoio da escumalha da honestíssima PM; que se presta a destruir a vida de policiais, mas quando se trata de bandidos violentos se escondem apavorados (quem ajuda a foder policial sem mostrar a cara não passam de alcaguetes, bajuladores e , também, corruptos, embolsam , a tal verba para operações sigilosas ) realizaram campanas nas cercanias da fortaleza do jogo do bicho.

Além das escutas telefônicas iniciadas ilegalmente pela Corregedoria da PM e depois coonestadas pelo MP e Poder Judiciário

Os cinco policiais civis apenas tiveram má sorte. Não são bandidos; a coletividade perdera bons elementos.

Não estou defendendo a corrupção, fazendo apologia ou o diabo a quatro. Penso que promotores e magistrado , sob o pretexto de cumprimento estrito da lei , agem com extrema crueldade contra policiais subalternos.

Pois é assim que a banda, há mais de 50 anos, toca!

E com o conhecimento de todas as hipócritas – mas muito bem subsidiadas graças a leis imorais – autoridades deste Estado. As quais as elaboram para se locupletar à custa da sociedade, posto serem verdadeiros alvarás para o butim legalizado.

O policial civil não toma dinheiro da coletividade. Não possui privilégios.

Vai buscar de criminosos!

E não é segredo que foi o subscritor, quando ainda era Delegado, que denunciou o 1530 na Baixada Santista, também não é segredo que fez diversas postagens relacionadas ao Sr. Carlinhos ostentador.

Um cara que se fosse cozinheiro, antes de servir o policial, cuspiria na comida.

Pois sempre teve asco pela Polícia. Nunca existiu nenhuma organização criminosa formada por policiais civis e contraventores.

A corrupção foi institucionalizada no tempo do Hely Lopes Meirelles pelos banqueiros e políticos alinhados a ditadura militar! Ora, ninguem vai torturar e matar por um salario de merda! Há sempre alguma vantagem financeira!

O signatário, também, prestou declarações formais ao GAECO, além de representações expressas, as vezes manuscritas, a Corregedoria e ao próprio MP.

Mas anteriormente não queriam pegar peixe miúdo como agora andam fazendo.

Aliás, já que são incapazes de serem rigorosos com os mais fortes deveriam ser benevolentes com os mais fracos.

Chefe de DP não fica rico com dinheiro de contraventores. Pagam escolas e supermercado, mais nada!

Dizem que tudo começou graças a um escrivão que não estava tentando reprimir a corrupção, estava mesmo com a vontade de obter um pedaço dela. Posso ate estar enganado, mas se eu fosse criar caso com apontador de jogo não me sobraria tempo para mais nada!

O valente policial se deparou com um deles dentro de um bar e “cumprindo seu honroso dever ” interveio na popular “fezinha” e apanhou da freguesia e o furdunço acabou sendo mais um elemento de produção de prova sobre o envolvimento policial com o jogo do bicho.

Melhor dizendo: mais um pretexto!

E ainda foi bocudo com policiais civis que mandaram o suposto ‘ingênuo” procurar o que fazer.

Queria, na verdade, por vaidade ferida, a desgraça funcional de colegas, tão subalternos quanto ele próprio.

Como não obteve o atendimento que exigiu de dois investigadores do 7 DP, chamou o GOE e a PM. No distrito o investigador chefe apenas quis evitar um desgaste desnecessário e salvaguardar a instituição e o “escrivão”, pois a retaliação certamente viria de outras bandas.

Pois bem, foi lavrada a ocorrência, mas sem menção a suposta atividade do apontador do jogo.

E com aquela conversa de policial desonesto, repetiu ao MP o velho enredo de PM chifrudo inconformado com decisão de delegado: suposta reunião reservada entre delegado titular, investigador-chefe e um advogado do apontador do jogo. Em palavras mais claras: ACERTAMENTO A PORTAS FECHADAS!

Consta dos autos que os “bagrinhos” recolhiam verdadeira fortuna para o Palácio da Policia Civil.

Uma grande novidade.

Há muitos outros palácios neste estado que recebem a maior parcela da arrecadação do jogo do bicho.

E há aqueles que recebem propina de grandes empresas de informática.

Mas uma coisa é ganhar uma gorda nota de um representante da Microsoft outra é tomar 10% do faturamento de um bicheiro.

O primeiro é barão, o segundo é ladrão!

Mas, verdadeiramente, de uns tempos para cá só tem guloso na São Francisco.

Com a ladainha do venha a nós primeiro, depois a gente vê se sobra para o resto.

E o resto que se lasque!

Diga-se de passagem, foi o subscritor que relatou a triste realidade institucionaliza aqui pela paulistanada ( paulista danado de ladrão ) ; que aportou nas nossas praias em 2015.

E , sem hipocrisia , não fez por amor a moralidade, muito menos para ficar com um pedaço da corrupção.

Fiz mesmo por, sentimento pessoal, ódio de quem me usou para se passar de bom moço, trabalhador e “honestíssimo”.

E de outro que tripudiou da minha “infelicidade”, “recalques” e “frustrações” funcionais. Ambos estão de boa! Aqui é São Paulo, terra de bandeirantes ( bandidos ).

Mas na policia sabe como é: dinheirinho na mão todo mundo quer, mas culhões para meter a cara ou o cano são poucos.

Antes pegava a propininha quem fosse buscar diretamente com o preposto dos bicheiros. Depois monopolizaram, e nem com R$ 50,00 ajudavam o tira do PS. E a minha opinião pessoal, bicheiro e maquineiro que estabelece o acertamento com a cúpula apenas vaib se ferrar. Eles não garantem nada, não podem fazer nada que não seja perseguir policial civil que se atrever a atravessar as atividades.

O resultado: a base boicota a cúpula e alcagueta a atividade todos os dias!

Mas neste caso, na verdade, nem foi por conta da confusão envolvendo o escrivão e os tiras do 7 DP.

Foram, certamente, as alterações nas leis sobre o crime organizado e lavagem de dinheiro, sancionadas pela Dilma em 2012.

Deram maiores instrumentos legais contra os bicheiros.

Antes não se punia lavagem de dinheiro de contravenções.

E, pelo que ouvi dizer, não li a sentença integralmente, o juiz romanceou a sua decisão. Se duvidar todos os dias um apontador entra no Fórum para que os funcionários façam uma fezinha.

Excelência, tenha do, condenar investigador – a penas tão graves – que não passa de um serviçal do titular da Secretaria de Segurança Pública não foi fazer Justiça; está mais para crueldade!

E os promotores querem mais rigor…No MP, nao sei, mas na policia Sanha persecutória é traço muito comum nos grandes corruptos.

Eu fico pensando, com tanto rigor, essa gente deve fazer xixi sentados, para não deixar um respingo macular o chão do banheiro.

O seu auxilio plano de saúde é o dobro do que um Delegado titular periférico pode receber de pau da contravenção.

Mas o pior: serão execrados por muitos dos demais policiais (gente que tem prazer com a desgraça funcional do colega) e demitidos pela hierarquia superior ( por quem recebeu, muitas e muitas vezes, o envelopinho das mãos dos reprochados) .

Dirão: “cada qual que carregue a sua cruz”…Deram azar, fazer o quê?

Finalizo: policial receber propina de contraventor faz parte da elástica moral policial. Deles tripudiar é psicopatia.

Imoral, abjeto , vergonhoso e nefasto: é ver juízes vendendo sentenças Brasil afora!

Sobre as drogas e armas no BAEP de Santos – BUTIM LEGÍTIMO 19

Há quem pergunte qual a finalidade de policiais desviarem drogas e armas, são muitas!

Inflacionar a produção do Batalhão para agradar o Comandante.

Coonestar abusos de autoridade contra inocentes, especialmente vítimas de homicídios por erro ou simples crueldade.

Invadir favelas , intrujando drogas e armas em criminosos sem passagens policiais. Os quais são conduzidos como membros do PCC.

Mas a principal finalidade: desvio para venda e prática de extorsões.

Sempre funcionou assim, toma-se drogas de um traficante e entrega-se para a concorrência. Auferindo-se bom lucro pelo risco que correm.

Extorquir patrões do tráfico, gente que não porta armas , não usa , muito menos traz consigo entorpecentes. Mas é dono do seu negócio. Invadem a casa ou o surpreendem transitando . A droga é introduzida e o “butim de guerra ” exigido. É traficante e rico. Ou paga pra polícia ou vai pra cadeia e gastará muito mais .

Estão errados?

Não! Procuradores recebem mais de R$ 20.000,00 de salário fixo , mais a complementação com o rateio da verba dos honorários. Ninguém fica com menos de R$ 40.000 00. E muitos são implacáveis com gente pobre , apenas para engordar ainda mais os seus vencimentos. Ninguém se indigna. Está na lei feita sob encomenda.

Fiscais da Fazenda, recebem ótimos salários e mais o rateio de multas e impostos muitas vezes inventados por eles próprios para forçar o contribuinte a pagar o que não deve. Ah, um seleta parcela rouba, mesmo!

Ninguém se indigna com a imoralidade e desonestidade exercida a pretexto de se estar defendendo o Erário. Mas a vis attractiva é outra!

Verdadeiramente, o governo do estado deu a determinadas carreiras o direito de exercer as funções objetivando o interesse pessoal. Não o coletivo. Recuperação de ativos conversa, vil privilégio que transformaram algumas dessas pessoas em corruptos oficiais.

Eu não embarcaria numa viatura policial , como Praça, por menos de R$ 1.000,00 ( mil reais por dia ). Do couro deve sair a correia ou a correria. E como ex delegado , hoje afirmo, isonomia nada. Deveriam ganhar muito mais do que magistrados e promotores. Oficias PM comandam o equivalente a enormes empresas. Ganhando uma porcaria que não pagará uma boa faculdade para os filhos. E em escola publica não há vagas para todos.

Não vale é ficar batendo e matando, muito menos perseguindo inocentes. Contudo, certamente , policial mal pago , tem “direito” ao butim. Tem que ficar rico como muitos outros servidores. Merece viver como rico , em vez de tomar cusparada na cara da elite funcional , política e empresarial .

Digo o mesmo para policiais civis que são tratados como escumalha.

Lixo do lixo, sob a ótica de gente perfumada no esgoto.

Apreenderam uma tonelada de cocaína , fiquem com a metade. Tomem tudo do ladrão, desde que não tenha vítima identificada.

E para todos digo: não maltratem, não matem quem não lhe quer matar, socorram o cidadão.

Mas tendo oportunidade fiquem com tudo o que for possível.

E com a certeza de que os falsos moralistas fazem muito pior.

A vida funcional é curta, a vida pode ser longa e deplorável com uma aposentadoria vil.

Não errem e não atravessem o negócio do colega.

Quem erra vai pra rua por fazer mal feito.

Quem se atravessa é safado.

E não digam que estou defendendo o banditismo policial.

Não!

Muito menos incentivando e enaltecendo a corrupção.

É apenas moralidade elástica. Apenas a cruel realidade!

Mas é assim que a casta da política e do funcionalismo quer que a banda toque.

E não há banda boa nem banda podre Há um grande bando armado desprezado , desvalorizado e escravizado.

E pergunto que mal faz vender cocaína e armas objeto de peculato quando autoridades superfaturam remédios e vacinas?

Tudo na vida tem um preço para a vitória : 1-ESQUECER O MAL; 2-CRER NO BEM; 3-SERVIR COM AMOR. 25

“Eu posso fazer todas as coisas que Deus me pede com a força que Cristo me dá.”Filipenses 4:13. 

Quaisquer crises podem ser vencidas. 

Quando o mundo proclama que você é um derrotado, doente, falido, incompetente, Deus lhe afirma que você é vencedor, forte inteligente, são e capaz de superar qualquer crise.

Deus nos vê fortes, Ele sabe quem somos, nós é que ainda nos enxergamos pequenos demais. 

A certeza da vitória nos estimula a cultivar a esperança e otimismo, verdadeiras chaves que abrem as portas para a vitória. 

Se,ao contrário,  cedermos ao pessimismo, achando que tudo vai dar errado, o que acreditamos se torna realidade. 

Devemos, portanto, acreditar na vitória, crer no sucesso, na paz em nosso lar, no nosso progresso profissional e em tudo que represente nossas necessidades materiais e profissionais. 

E como tudo na vida tem um preço, eis as três condições para a vitória: 

1-ESQUECER O MAL;

2-CRER NO BEM;

3-SERVIR COM AMOR. 

Uma sexta- feira e um final de semana repletos de amor e paz. Jesus por todos e todos por Jesus.

Mensagem recebida de uma grande amiga!
image.png

Anos atrás, quando era mais idiota do que hoje, também como o DA CUNHA, revelava um nojento preconceito em relação aos mais antigos…Embora, eu tivesse por parâmetro a idade de 65 anos. Eu me autoreprovo por muitas coisas, mas a única de que me arrependo e me causa vergonha foi externar tal pensamento preconceituoso, estupido, vil…Vilanesa , pois o que eu queria era o cargo deles sem ter a mesma experiência, competência e sabedoria…A pessoa deveria poder trabalhar enquanto possuir saúde, disposição e prazer…Hoje tenho preconceito apenas contra velhacos…Há milhares deles nas polícias com menos de 30. Da Cunha, você é da mesma espécie de quem não tolera negros …O tipinho cuja única pretensão é subir de oprimido para opressor…No seu caso, de camundongo passar a ratão! ( Se já não for! ) 31

” quantos anos você tem? 55, 60? Cara, 60 não é mais na polícia. Se tu tem 60 e está na polícia é porque você tem algum outro interesse, porque você não está afim de correr atrás de vagabundo’. Vai dar aula na faculdade, vai desenvolver outra atividade intelectual, vai ser advogado, secretário, qualquer coisa, mas para ser polícia você tem que ter um motivo… – Veja mais em https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2021/07/29/estrela-da-internet-delegado-chama-policiais-de-ratos-e-e-tirado-da-rua.htm?cmpid=copiaecola

Cara, tu foi polícia alguma vez na vida? Lembra que quando te conheci , não sei por que razão , você veio falar comigo, muito educadamente, alias, dizendo que queria mesmo ser MAGISTRADO. Lembra o que te falei? Não deveria ter ingressado aqui, você nunca ingressara na magistratura e será , provavelmente, mais um frustrado.

E salvo engano , você foi oficial R2 – um pessoal por quem tenho minhas “reservas” – do tipo de coisa assim como “meia-cerveja” .

Uma mão-de-obra barata e transitória que a sociedade ajuda no início da vida, tipo dentistas , médicos e jovens humildes que se formam com o soldo.

Tristemente, muitos , posteriormente, destilam uma falsa arrogância e prepotência que não se vê na maioria do Generalato.

Que tenham orgulho eterno pelos anos dedicados ao serviço militar. Mas conscientes de que não são militares e nunca foram militares de carreira.

Os poucos que conheci na polícia civil , não vou generalizar, alguns investigadores e dois ou três delegados , além da soberba , pareciam portadores de algo como uma espécie de disforia de identidade funcional. Meio-militar , meio-policial, meio porra-nenhuma; tal como meia-cerveja: inútil!

Eu só gosto de cerveja inteira, no mínimo seis garrafas. Se for pra beber uma apenas, bebo agua!

Meu irmão, policial de verdade “não corre atrás de vagabundo” , adiantadamente o aguarda ou o desperta aos primeiros raios do sol. Sem fazer escândalo, sem fazer média pra mídia.

Se alguém tiver que correr atrás de vagabundo que seja o projétil.

Correr atrás de vagabundo – com apito e cassetete – se fazia há 100 anos.

Ou os meus mestres , em 1988, todos com mais de 55 anos , que não pareciam ser ratazanas, não entendiam nada da matéria.

Mas ainda tenho bem viva a advertência: policial civil não corre atrás de vagabundo, policial civil não faz perseguição com viatura…

Pra fazer merda existe a PM!

Tanto que , dias atrás, um oficial morreu “correndo atrás de vagabundo”!

Perdemos um ser humano, um profissional que custou grande investimento da sociedade, uma viatura e do vagabundo ninguém sabe nem se existia.

E quem acha alguém com 55 anos velho , vive ainda no início do século XX…

Estamos em 2021!

Graças por eu ser um velho de 60 anos com coração de menino e menos idiota do que fui quando na fase da cobiça!

RATOS, RATAZANAS E O CAMUNDUNGO = A Polícia Civil esta mais democrática e legalista…O delegado DA CUNHA não pode reclamar…Por muito menos , a toque de caixa , fui de Santos para – plagas menos inóspitas , Hortolândia – com um PAD direto e mais de uma dezena subsequentemente…Nem sei o que seja uma AP! O “jovenzinho” – provavelmente deve estar trocando seus neurônios por hormônios. No seu caso estão sendo benevolentes, inclusive! Meu caro, você sempre foi apadrinhado por homens com mais de 55 anos e desempenhou muito bem o papel de camundungo …Esqueceu que com dias na carreira foi – imerecidamente – muito prestigiado pelo Dr. Tanganelli, que se ainda estiver nas fileiras deve beirar os 70 anos…Pior do que ratos e ratazanas são os ingratos camundungos! 17

Quanto a ligar sirene em benefício próprio pelo menos foi honesto; pois e o que a boa parcela desses pseudodelegados que vestem farda preta mais fazem, ne? Quer um bom conselho, submeta-se a  perícia médica , se afaste por evidentes problemas mentais vá desfrutar de uma imerecida merrequinha como camundongo aposentado. Alias, uma boa alma da Corregedoria Geral me deu tal oportunidade. Eu serei lhe serei eternamente grato, mas nunca compareci ao DPM. Mas o Sr. deveria ir, pois assistindo alguns segundos de um dos seus vídeos percebe-se uma certa deficiência de ordem psíquica…Talvez seja apenas desequilíbrio hormonal, em alguns meses o Sr. volta renovado, fininho como sempre foi e com o eixo normalizado. Entende, ne?

Eu digo imerecidamente porque delegado estagiário tem que ralar no plantão vestindo paletó e gravata; não esse papel bizarro de vestir fantasia de SWAT pra importunar maconheiros .

Dr. Nestor Sampaio Penteado Filho morre por Covid-19 57

Delegado da 1ª Seccional de Campinas morre por Covid-19

Nestor Sampaio Penteado Filho, de 54 anos, estava internado desde março, diz Polícia Civil.

Por G1 Campinas e Região

14/07/2021 20h05  Atualizado há 4 minutos


Nestor Sampaio Penteado Filho morreu por Covid-19 — Foto: Reprodução / Redes Sociais

Nestor Sampaio Penteado Filho morreu por Covid-19 — Foto: Reprodução / Redes

O delegado titular da 1ª Seccional de Campinas (SP) Nestor Sampaio Penteado Filho, de 54 anos, morreu na tarde desta quarta-feira (14) por Covid-19, segundo a Polícia Civil. De acordo com o diretor do Departamento de Polícia Judiciária na região (Deinter-2), José Henrique Ventura, o policial estava internado desde 18 de março no Hospital São Luiz, na capital paulista.

Segundo Ventura, a vítima deixa a mulher e um filho. Ainda não há informações sobre local de sepultamento. “Em nome da Polícia Civil e todos os policiais da região de Campinas, lamento imensamente a perda do colega, delegado titular da 1ª Seccional, e dar as condolências à família. Que a alma dele descanse em paz, pois cumpriu dignamente sua missão”, destaca o delegado.

Ventura informou que as equipes da Polícia Civil em Campinas foram vacinadas em 28 de março.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) lamentou a morte do delegado e disse que desde o início da pandemia vem adotando medidas para garantir a proteção dos agentes contra Covid-19.

Prédio da Delegacia Seccional de Campinas, SP — Foto: Luiz Granzotto / Prefeitura de Campinas

Prédio da Delegacia Seccional de Campinas, SP — Foto: Luiz Granzotto / Prefeitura de Campinas

NESTOR, que Deus lhe acolha e dê forças aos seus familiares e amigos mais chegados!

Eu lastimo, mas sem hipocrisia, o colega fez maldades comigo desde os tempos da ADPESP.

Nem vou falar dos seus pareceres como “caneta fantasma” do seu dileto Diretor!

Especialmente a palavra “higienização” que o Sr. empregou em relação a minha pessoa , ocultamente, se manifestando pela nossa demissão.

Lembrando que sempre lhe tratei com total respeito , bem como ao seu saudoso pai! Nem vou dizer todo o sofrimento que o seu parecer pela nossa remoção “no interesse do serviço” , causou a mim e aos meus!

Enfim, que o seu espirito tenha paz e que seus familiares logo superem a tristeza e só guardem as doces lembranças!

ONDE ESTÃO AS NOVAS FUNCIONAIS DOS POLICIAIS CIVIS CLASSIFICADOS NA SPTC? 30

ONDE ESTÃO AS NOVAS FUNCIONAIS DOS POLICIAIS CIVIS CLASSIFICADOS NA SPTC?

9 de julho de 2021 10:55
Para: “dipolflitparalisante@gmail.com” <dipolflitparalisante@gmail.com>
Os policiais civis classificados na SPTC ainda não receberam as novas identidades funcionais.Onde estão? Foram feitas, não foram?Estão paradas em algum lugar…em alguma gaveta?Ao que tudo indica todos, ou a grande maioria dos demais colegas do estado, já receberam.Quando se pergunta no 4° andar da SPTC a resposta é que não sabem de nada…que depende do DAP.

INVESTIGADORA FANTASMA NA DPPC 16

fala meu amigo td bem ????conhece o,,,,,,,

policial civil lotada na DPPC- produtos controlados, ela esta quase dois anos sem aparecer na delegacia, você pode ver pela herbie dela e tudo mais …… sexta feira o divisionário dela chamou ela e pediu pra ela tirar uma licença premio pq a pica já vai estourar da corregedoria……. A mulher do seu ex-amigo ganhando previlegios, só na pc


Em que pese essa moça ter me chamado de lixo , por algo que eu não fiz , que ela trate de arrumar uma justificativa medica. Pois se for aplicar a lei, como deveria ser de rigor , ela leva consigo, para o olho da rua, gente que apenas se fez de cego pra não desagradar o Diretor.

Publicamos em respeito ao colaborador , porque dessa gente, mesmo mantendo-se cerca de 10.000 quilômetros de distância , ainda assim se corre perigo.

POLÍCIA CIVIL DE MINAS GERAIS ANUNCIA UNIFICAÇÃO DOS CARGOS DE ESCRIVÃO E INVESTIGADOR 28

POLÍCIA CIVIL DE MINAS GERAIS ANUNCIA UNIFICAÇÃO DOS CARGOS DE ESCRIVÃO E INVESTIGADOR

Chefe da Polícia Civil de Minas Gerais anuncia novo concurso público para a Polícia Civil de MG, e informa que serão disponibilizados somente 30 vagas para investigador, e explica que isto deve ao fato de que os cargos dessa carreira deverão ser transformados com os cargos de escrivão de polícia em cargos de uma nova carreira de inspetor de polícia. “Menos burocracia na investigação. Não estamos mais na época de Pero Vaz”, disse o chefe de polícia.

A Associação Nacional dos Escrivães de Polícia Federal (ANEPF) apoia as iniciativas de modernização e transformação do cargo de Escrivão de Polícia, inclusive no âmbito da Polícia Federal.

Fonte da informação: https://www.instagram.com/p/CRC4CTyh9CF/…

Colaboração do leitor: Defensor Publico

Saudades do Major Olímpio…Por quê um cara decente se vai e gente imunda permanece?…Gostava como ele se referia ao Flit: ” um blog sem rebuços”! Ele também nunca teve falsidade… 6

E quem não tem falsidade as vezes exagera…

Mas falta, no sentido acima, EXAGERADOS…

Sobrando exageros na maldade, na crueldade e na perfídia!

Não sei o motivo, mas ao recuperar o Flit foi o primeiro pensamento que me veio…

Que falta faz esse maluco , inteligente pra cacete , sem sorriso falso e sempre disposto a ajudar!

E só nos vimos duas vezes: numa festa de casamento de um outro cadete em 1982 ou 83 , ele ainda cursava o ultimo ano da Academia. Depois em 2010 , durante a greve!

Depois, aqui no Flit se tornou um amigo virtual, em finais de semana, feriados , sempre que vinha comentário de Ilha Bela eu sabia quem era.

Foi minha testemunha de defesa por duas vezes!

Major Olímpio , tenho muita saudade de você.

Suposto torturador , que virou Delegado por seus relevantes serviços como membro da tigrada do DOI-Codi- e que até hoje caça comunistas – foi simbolicamente condenado por sequestro 12

Em sentença inédita, juiz condena ex-agente da ditadura ‘Carlinhos Metralha’

Carlos Alberto Augusto, conhecido como Carlinhos Metralha, foi agente da Ditadura Militar - Michel Filho/O Globo
Carlos Alberto Augusto, conhecido como Carlinhos Metralha, foi agente da Ditadura Militar Imagem: Michel Filho/O Globo

Pepita Ortega e Marcelo Godoy

São Paulo

21/06/2021 16h52

O juiz Silvio César Arouk Gemaque, da 9ª Vara Criminal Federal de São Paulo, condenou o delegado Carlos Alberto Augusto, ex-agente da ditadura militar conhecido como ‘Carlinhos Metralha’, que atuava no Departamento Estadual de Ordem Política e Social de São Paulo (Deops/SP), a 2 anos e 11 meses de prisão, em regime inicial semi-aberto, pelo sequestro do ex-fuzileiro naval Edgar de Aquino Duarte, desaparecido desde 1971.

Trata-se da primeira condenação penal em relação a crimes cometidos durante o regime de exceção marcado por torturas, censura e assassinatos, diz o Ministério Público Federal. A Procuradoria informou que vai recorrer da decisão para pedir o aumento da pena imposta ao ex-agente da ditadura, bem como para que a Justiça acolha outras solicitações feitas na ação, como o cancelamento da aposentadoria do delegado.

A denúncia contra ‘Carlinhos Metralha’ foi apresentada à Justiça em 2012, e atingia também o ex-delegado Alcides Singillo, além de um dos principais torturadores da ditadura, o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-comandante do Destacamento de Operações de Informações do II Exército (DOI-Codi) em São Paulo – militar já exaltado pelo presidente Jair Bolsonaro em mais de uma ocasião. Os dois deixaram de figurar como réus na ação após falecerem em 2019 e 2015, respectivamente.

Segundo a Procuradoria, o caso de Carlos Alberto Augusto é um dos poucos que tiveram andamento na Justiça. Em nota, o MPF ressaltou que a maioria das 50 ações penais propostas nos últimos anos por crimes cometidos na ditadura foi rejeitada ou está paralisada, ‘em descumprimento a normas e decisões internacionais que obrigam o Brasil a investigar e punir quem tenha atuado no extermínio de militantes políticos entre 1964 e 1985’.

“Acho que essa sentença representa um marco histórico. É a primeira vez que o Judiciário reconhece que houve crimes contra a humanidade na ditadura militar e condena um agente estatal. Com isso, reconhece-se não apenas o caráter sistemático das violações estatais, que houve um terrorismo estatal, mas também reforça o Estado Democrático de Direito. Não há nenhum governo, governante ou agente estatal que esteja acima da lei. A relevância da sentença é, assim, não apenas para o passado, mas sobretudo para o presente e para o futuro”, afirmou ao Estadão o procurador da Republica Andrey Borges de Mendonça, responsável pela ação que levou à condenação de Carlos Alberto Augusto.

Edgar de Aquino Duarte foi preso no dia 13 de junho de 1971, sem qualquer ordem judicial. Na época, trabalhava como corretor da Bolsa de Valores de São Paulo. Ele já não integrava nenhum grupo de oposição à ditadura, uma vez que havia deixado a militância em 1968, após retornar do exílio. Antes havia sido expulso da Marinha, em 1964, em decorrência do Ato Institucional nº 1. Ainda assim, o ex-fuzileiro naval entrou no radar das autoridades após ter seu nome citado no depoimento de José Anselmo dos Santos, ex-colega de Marinha que se tornou um agente infiltrado dos órgãos de repressão.

De acordo com o MPF, ‘Carlinhos Metralha’, participou diretamente da ação que resultou na prisão de Edgar e sua condução ao DOI-Codi, um dospiores e mais violentos centros de repressão política da ditadura. A detenção do ex-fuzileiro foi mantida sem comunicação judicial pelos dois anos seguintes, sendo que testemunhas relataram ‘bárbaras torturas’ praticadas contra ele. Edgar também foi sucessivamente transferido entre a unidade comandada por Ustra e o Deops. O ex-fuzileiro foi visto por testemunhas pela última vez em junho de 1973.

Na sentença, Gemaque destacou que a responsabilidade penal de Carlos Alberto Augusto sobre o desaparecimento de Edgar de Aquino Duarte foi comprovada ‘além de qualquer dúvida razoável’. Segundo o magistrado, há provas ‘mais do que suficientes’ de que o ex-agente da ditadura participou da prisão do ex-fuzileiro e atuava em pelo menos um dos locais onde a vítima estava detida ilegalmente.

“Em hipótese alguma, é admissível que forças estatais de repressão, mesmo em regimes como os vivenciados naquela época, tivessem autorização para a prática de atos à margem da lei em relação a Edgar, permanecendo preso por pelo [menos] dois anos, incomunicável, submetido a toda a sorte de violências, torturas e tratamentos degradantes. Ora, espera-se das forças de Estado o exercício legítimo do direito da força, não a prática de crimes”, ressaltou o magistrado.

Gemaque destacou que as condutas, ‘criminosas e perversas’, exigem uma resposta penal a fim de afastar a impunidade. “A marginalidade estatal que prendia sem mandado, sequestrava, torturava, desaparecia e matava pessoas por suas posições políticas, ainda que envolvidas em ações violentas de guerrilha, praticava toda essa sorte de condutas ao abrigo, por ação ou omissão, das então forças repressivas, deve receber o mesmo tratamento processual compreendido para os graves crimes internacionais praticados contra direitos humanos, já que de um verdadeiro holocausto se tratava”, ponderou.

Nessa linha o juiz destacou que a responsabilização de crimes de sequestro praticados no contexto da repressão da ditadura militar não está alcançada pela Lei de Anistia em razão da ‘perenidade de seus efeitos no tempo’ e também dos inúmeros tratados internacionais dos quais o Brasil faz parte e que classificam o desaparecimento forçado de pessoas como crime contra a humanidade.

“Sem dúvida nenhuma o caráter de um ataque sistemático de perseguição política praticado durante o período de maior perseguição política pós-64 aplica-se ao caso retratado na denúncia, como bem salientou o representante do MPF em suas alegações finais, uma vez que o crime de sequestro imputado ao acusado pode ser caracterizado como desaparecimento forçado de pessoas, na esteira do que vem decidindo sistematicamente a Corte Interamericana de Direitos Humanos”, ressaltou.

COM A PALAVRA, O DELEGADO CARLOS ALBERTO AUGUSTO

Até a publicação desta matéria, a reportagem buscou contato com o ex-agente da ditadura, mas sem sucesso. O espaço permanece aberto a manifestações.

Policiais civis do Deic são presos por suspeita de sequestro e extorsão de integrante de facção criminosa em SP 20

Gaeco diz que policiais exigiram R$ 300 mil para libertar Bruno Fernando de Lima Flor, o Armani, integrante da cúpula da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), após invadirem a casa do criminoso sem mandado.

Por G1 SP e TV Globo — São Paulo

18/06/2021 07h19  Atualizado há 49 minutos


Policiais são presos suspeitos de sequestrar e extorquir integrante de facção crimonosa

00:00/04:45

Policiais são presos suspeitos de sequestrar e extorquir integrante de facção crimonosa

Dois policiais civis foram presos na manhã desta sexta-feira (18) em uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público de São Paulo.

De acordo com investigações, os dois policiais que atuam na sede do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), sequestraram e extorquiram dinheiro de Bruno Fernando de Lima Flor, o Armani, integrante da cúpula da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). O crime ocorreu em 24 de julho de 2020.

Armas e dinheiro apreendidos na casa de um dos policiais civis alvo da operação do Gaeco — Foto: Divulgação

Armas e dinheiro apreendidos na casa de um dos policiais civis alvo da operação do Gaeco — Foto: Divulgação

Os dois policiais fazem parte da 2º Delegacia do Patrimônio do Deic. Outros quatro policiais civis e dois advogados são alvos de buscas.

Segundo o Gaeco, os policiais do Deic entraram na casa do criminoso sem ordem judicial, pegaram R$ 15 mil e depois levaram ele para a delegacia, que foi usada como uma espécie de cativeiro, e passaram o dia exigindo dinheiro para liberá-lo. Inicialmente, eles teriam exigido R$ 300 mil, mas depois fecharam um acordo por R$ 75 mil.

A sede do Deic, uma das unidades especializadas mais importantes da Polícia Civil de São Paulo, localizada no Carandiru, na Zona Norte da capital, foi alvo de buscas nesta manhã.

De acordo com a Corregedoria da Polícia Civil, 14 policiais foram presos e 8 foram demitidos ou expulsos da corporação nos cinco primeiros meses deste ano.

Fuzis apreendidos com policial civil alvo de operação do Gaeco contra criminalidade, policial teria participado de sequestro e extorsão de integrante do PCC — Foto: Divulgação

Fuzis apreendidos com policial civil alvo de operação do Gaeco contra criminalidade, policial teria participado de sequestro e extorsão de integrante do PCC — Foto: Divulgação

Delegado de Polícia cada vez menos autoridade policial! – Agora temos uma Corregedoria privada da pseudo “Polícia Científica” e um Diretor do IML mandando mais do que o Secretário de Segurança criando, por portaria, seu próprio setor de apurações disciplinares e nomeando um perito criminal bacharel em Direito para investigar médicos! 31

Inconstitucionalmente e com abuso de poder o diretor do IML cria seu próprio setor encarregado de apurações preliminares de infrações disciplinares e crimes cometidos por legistas. O Conselho da Polícia Civil e a própria Corregedoria Geral devem, imediatamente, adotar providências para anular tal ato e adotar providências legais em desfavor da Diretoria do Instituto Médico Legal. Lembrando que há apenas duas polícias em São Paulo: Civil e Militar!

lIVRAMENTO – DESABAFO DE UMA ESCRIVÃ EXONERADA POR NÃO SUPORTAR ASSÉDIO MORAL E A CORRUPÇÃO 55

Estou em luto.

Não por ter pedido exoneração da NADA Gloriosa PCSP, mas sim por não ter tomado uma atitude antes.

Tentei. Tentei muito vencer com meu trabalho, com minha dedicação. Ilusão.

O sistema não se interessa por bons profissionais, tudo o que eles não querem são bom profissionais.

Querem os dóceis, de preferência os mudos cumpridores de ordens.

A polícia não está a serviço da população.

A polícia trabalha para si.

Para manter egos, privilégios e charutos cubanos.

Não menosprezo os muitos bons policiais que assim como eu, tentam.

Pelo contrário.

Por esses eu sinto. Eu sei que dói.                        

Essa mensagem é direcionada a essa gente que nem parece ter nascido.

De certo foram cuspidos do ventre seco do desamor.

Cada uma dessas sementes abortados saberá que esse texto as pertence.

Não se importarão, eu sei, estão demasiadamente entretidos lustrando suas coroas.

Ainda não perceberam que a coroa não é de ouro e sim de espinhos.

Um salve aos reis de coisa alguma.

Não me curvo a vocês.

Nunca me curvarei.

Vocês não podem me atingir.

Ainda que me alvejem, não me acovardo.

Não me omito.

Não lhes dou palanque.

A corregedoria que, efetivamente nada de efetivo corrige, pode relinchar a vontade.

Continuem encenando seriedade enquanto carros importados desfilam nas pomposas sedes.                              Costumamos usar o termo “sistema” para abrandar a realidade.

Quem dá a luz ao sistema são pessoas.

Então, meus caros, não é o sistema que é podre, vocês são.

É podre o que ordena o corte das cabeças e é fraco aquele que cumpre as ordens.

Assim Cristo foi crucificado: pela ação e pela omissão.    

Entendo as congratulações que alguns me deram mas não há coragem nenhuma em minha ação.

Eu pude fazer. Sei que muitos não podem.

É certo que talvez eu fizesse de qualquer forma porque não se doma bicho selvagem.

Meu falecido pai jamais se curvou e a ele dedico minha resistência.

Não sucumbi, pai.

Eles tentaram dizer que mulher na polícia ou é puta ou é nada.

Pois a mulher não se curvou.

Pois a mulher entrou de cabeça erguida, fez seu trabalho de cabeça erguida e saí de cabeça erguida.                               Ao pífio ser (ao qual não me recordo o nome…

João de alguma coisa) que me disse antes de eu sair “esse mandado de segurança não vai dar em nada” eu retruco tardiamente: seu tirocínio está muito ruim.

Antes de qualquer sentença eu já tinha meu veredito.

Ganhei minha dignidade, minha liberdade.

Você está acostumado com preço, não com valor, logo, talvez não consiga mensurar o que lhe digo.

Muitas autoridades têm dificuldade de entender o significado da palavra valor.

Mas… que a vida lhes ensine… ou não.

Essa conta não é minha e essa história não mais me interessa. 

__________________________________

Meus comentários:

Dia 3 de maio, deste mês de maio, fui demitido do cargo de delegado, 23 anos de carreira, desde os meus 27 anos de idade.

Por conta de não me curvar para o erro, a estupidez, a incompetência e, sobretudo, por me recusar a servir à corrupção institucionalizada.

Vivo muito bem, grande parte do tempo alegre.

Mas não sou um homem feliz.

Sofri grandes injustiças e as feridas são profundas.

Mas te garanto , pra quem é honesto e tem um bom nível intelectual, a vida só melhora para quem deixa a Polícia Civil.

Seja muito feliz e tente enterrar os ressentimentos.

Se você me autorizar gostaria de publicar o seu depoimento, sem mencionar o seu nome no Flit Paralisante.

Abraços, foi uma honra receber e ler a sua mensagem.