Delegado Federal alisa deputado criminoso…Fosse um qualquer seria algemado em vez de autorizado a fazer live…Tem PF ficando de quatro para o bolsonarismo 16

Diante do deputado musculoso, policial solitária teve reação mais acertada

Deputado Daniel Silveira discute no IML - Reprodução de vídeo
Deputado Daniel Silveira discute no IML Imagem: Reprodução de vídeo

Chico Alves

Colunista do UOL

17/02/2021 19h39

Foram muitas as reações desde que o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) postou nas redes sociais o vídeo em que despeja ameaças e xingamentos a ministros do Supremo Tribunal Federal, além de fazer apologia ao AI-5.

Alexandre de Moraes determinou prisão em flagrante; os parlamentares da Câmara debatem se ratificam ou não a punição e a Procuradoria-Geral da República denunciou Silveira por agressão, incitação à violência e outros crimes.

Todas essas reações dão margem a controvérsias.

A ordem de Moraes detonou discussão sobre se é possível ou não aplicar o conceito de flagrante a um mandado de prisão daquela natureza.

O debate entre os deputados oscila entre a condenação ao comportamento de Silveira e o receio de que a decisão de Moraes permita punições arbitrárias aos políticos.

A denúncia da PGR chega com atraso, diante do extenso cartel de barbaridades praticadas pelo pesselista marombado.

Partiu de uma solitária policial que cumpria plantão na portaria do Instituto Médico Legal do Rio a atitude mais acertada diante das bravatas do brutamontes.

Como costuma fazer em outros recintos, o negacionista Silveira tentou entrar sem máscara contra a covid-19 para fazer exame de corpo de delito, antes de seguir para a prisão.

Ante o pedido da policial civil para que colocasse a máscara, o deputado alegou que tem “dispensa”. A mulher não aceitou a alegação: “Aqui dentro não tem dispensa”.

E prosseguiu: “Para a nossa proteção e para a sua, mas aqui dentro tem que usar máscara”.

O deputado insiste e a policial repete: “Não existe dispensa”, diz ela.

Silveira se exalta “Não existe? Não? Eu faço o quê? Rasgo? A senhora não manda em mim não”.

A partir daí, sob o olhar complacente do delegado federal que o escoltava, o parlamentar passa a discutir com a mulher. Por vezes, faz menção de avançar em direção a ela e é contido.

Diz que a servidora é “militante petista”, que quer “fazer espetáculo”, avisa à agente que “não está falando com vagabundo não”, solta vários palavrões e provocações.

A policial, no entanto, foi inflexível. “Aqui dentro tem que usar máscara, senhor”, foi a frase mais repetida por ela, em voz tranquila. Também disse a ele algumas vezes: “Respeita a casa”.

Depois de muito esbravejar, Daniel Silveira finalmente colocou a máscara.

Em nenhum momento a mulher pareceu intimidada com o tom agressivo do deputado.

Sem qualquer alarde, a policial cumpriu o seu dever e obrigou o parlamentar musculoso a cumprir as regras de civilidade de uma forma mais instantânea que o ministro do STF, a Comissão de Ética da Câmara ou a PGR.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

  1. Falou à policial “sou polícia também”, não, não é, contava com menos de 10 anos de atividade (segundo biografia na página da Câmara, foi Pm de 2012 até 2018) quando eleito, ou seja teve que se afastar (uma espécie de exoneração a pedido) para concorrer nas eleições gerais.

    Curtir

  2. TF confirma prisão e empurra caso ‘brucutu’ para a Câmara
    Fernando Brito
    17/02/2021
    4:12 pm

    https://tijolaco.net/wp-content/uploads/2021/02/MAISUM.png.webp

    O referendo, por unanimidade, mantendo a decisão de Alexandre de Moraes, que determinou a prisão em flagrante do deputado Daniel Silveira, com apologia do AI e da tortura a ministros do Supremo Tribunal Federal empurra para os deputados a “batata quente” que representa a sinceridade bolsonarista manifestada pelo “brucutu parlamentar”.

    É muito difícil que os deputados se disponham a comprar a defesa de Silveira – em si, um ninguém, a não ser porque expressa a grosseria e a brutalidade de quem está hoje na Presidência – e arranjar uma encrenca com o Supremo.

    Se ele vai ou não perder o mandato é conclusão a que não se pode chegar, depois do episódio Flordelis, é claro.

    Chamou a atenção a aparente combinação entre os ministros – o que, claro, não incluiu Marco Aurélio Mello – para que pronunciassem apenas o voto de referendo, sem novos comentários.

    É sinal claro que não estão interessados em muito “data vênia” e que cobram uma ação igualmente enérgica não só da Câmara mas também do grupo bolsonarista.

    Mas este, não vai se fazer de rogado e vai pressionar o presidente Arthur Lira a pagar, já e à vista, o preço de sua eleição ao cargo.

    Não vai dar, óbvio.

    A lua-de-mel entre Centrão e bolsonaristas, depois das apaixonadas núpcias da eleição para a presidência da Câmara, vai virar briga de vila.

    Bolsonaro pode fingir que não é com ele, mas é, porque vai ter de tourear o seu gado cibernético, que fez do brucutu o seu herói do mês.

    Curtir

  3. Não concordo com absolutamente nenhuma das manifestações desse deputado federal; mas, convenhamos, ele tem todo dinheiro de fazê-las. Os ministros do STF se apequenam todas as vezes em que, para não tirar a “escada” do relator quando a matéria é “suposto” ataque à democracia e ao próprio Supremo, votam “fechados”. Esse inquérito, em que se investiga qualquer coisa que melindre algum ou alguns dos ministros do STF, é um verdadeiro “bom bril”, com suas 1001 utilidades. Poxa, ver o ministro Barroso votando “sim” à essa barbaridade, de se mandar prender o deputado, é para mim uma grande tristeza. E a ministra Cármen Lúcia, cujo pai conheci quando fui promotor de Justiça, deve estar causando muito desgosto ao amigo “Flori”. Alexandre de Moraes, que volta e meia abastece o carro no posto de gasolina do qual sou sócio, não mais ganhará, por suas traquinagens, lavagem dos vidros e calibragem dos pneus “de grátis”. Gilmar, Toffoli e o advogado de Lula, estes três não têm mais jeito. Marco Aurélio já era; está saindo sem deixar saudade. Rosa da Rosa pouco sabe de direito penal e, portanto, na sua inocência foi na do promotor Alexandre e se deu mal. Nunes Marques ainda não se deu conta quanto aos cuidados que deve ter naquela “arapuca”. E Fux, como presidente do Supremo, nem deveria ter votado, para não ficar mal como ficou. Enfim, o deputado em questão é um boçal, mas não é somente ele. Compete agora à Câmara dos Deputados mostrar que, quando o assunto é a liberdade de expressão de seus integrantes, o poder de decisão é unicamente da própria Câmara, e não dos 11 que, como juristas, formam um time cujo “cavalinho do Fantástico” que os representaria, estaria na rabeira da fila. Nem quando Márcio falou demais contra os militares, nos tempos da ditadura, a Câmara rastejou tanto. Mário Covas estava lá para fazer entender que a “liberdade de expressão” deve, sempre, ser garantida, ainda que dela surjam idiotices surreais.

    Curtir

    • Eu defendo e defenderei sempre o STF, enquanto Corte Maior. Mas , no meu caso, só obtive voto favorável do Min. Marco Aurélio. O relator Alexandre de Moraes alegou que eu não demonstrei repercussão geral. Caramba, que eu saiba eu sou o único delegado demitido por procedimento irregular decorrente de críticas a administração policial por meio de Blog. Eu não aguento mais ficar embargando e agravando. Ainda bem que eu acabo me divertindo.

      Curtir

  4. Esse deputado “Daniel não sei de que” é tão boçal que defende o AI-5 e quando vai preso grita por liberdade de expressão. Faltou estudar um pouquinho pra saber que uma das primeiras coisas que o Ato Institucional nº 5 tirou foi a liberdade de expressão. Duas coisas que não combinam na mesma frasse: (AI-5 + LIBERDADE). Bora comprar uns livros de História, no SEBO tem, por 10,00R$!

    Curtido por 1 pessoa

  5. Nesta zorra que é a política nacional o que menos me importo é saber se o deputado falou m…, se os ministros/políticos do STF, que por sinal não tem santo, foram ou não ameaçados o que me importa para mim é a PHORRA da cadeira rasgada toda fodida! Isso sim é que deveria ser o foco da discussão, é o retrato acabado do que o poder público tem a oferecer a população, lá, IML do RJ, como cá quando é para prestar de serviços a população é isso aí!
    Cadeira fodida e quebra sem espuma, Uma verdadeira metáfora… quer ser atendido pelo estado antes vc tem que sentar na pau duro!

    Curtir

  6. Os pais e mães do ‘brucutu’
    Fernando Brito
    18/02/2021
    9:18 am

    https://tijolaco.net/wp-content/uploads/2021/02/danieldequem.png.webp

    Ontem, aparentando dar-lhe desimportância, o presidente do STF fingiu esquecer o sobrenome do sujeito que, horas antes, havia colocado o Tribunal que preside sob ameaça e dito que espancaria um de seus ministro, perguntou: “Daniel de quê?”

    A capa de O Dia, que reproduzo acima, faz pergunta correta: Daniel de Quem?

    Pois sujeitos como aquele podem ser, como já disse, encontrados em qualquer broderagem de bombados, mas este foi eleito basicamente, com votos vinculados a policiais – entre os quais, vê-se por sua ficha, era dos piores exemplos – e por muitos que, com ele, sentiram prazer mórbido com o vilipêndio à memória de uma mulher, negra e vereadora, executada friamente por pistoleiros.

    Daniel Silveira, com todo seu tamanho de brucutu foi parido do útero do ódio, do policialismo, do “prendo e arrebento” construído por gente de modos muito mais finos e macios, sem a lombrosiana ignorância que o pretenso Hulck exala.

    Ele é um representante não só do “tiro , porrada e bomba” da mentalidade policial que se formou neste país – com a ajuda da notória submídia, a do “mundo cão” – mas também dos que, “com a devida vênia” fizeram da política um caso de polícia.

    Daniel Silveira, com todo o seu tamanho, é só uma pequena erupção purulenta do que fizeram ao nosso país, depois de quatro décadas, a partir da Anistia, em que nos dedicamos a construir, na política, um convívio civilizado que, aliás, nunca chegou completamente aos mais pobres, para os quais a lei que aplica é a que o brucutu sugeriu.

    Admitir que, em nome da democracia e do “direito” de um deputado de, em nome dela, insuflar um golpe institucional que acabe com ela é quase o mesmo que, em nome da liberdade de alguém defender-se, liberem-se, para milicianos ou pré-milicianos, arsenais de guerra para que eles possam render um povo inteiro, que é pacífico e desarmado.

    Só não é igual porque isso é pior.

    Curtir

  7. É mais um idiota, uma enganação para trouxas eleito nas costas do Bolsonaro como o Dória, esse tipo de gente deve ser varrido para a lata de lixo da história nas próximas eleições.

    Curtido por 1 pessoa

  8. Pra mim isso é uma tremenda cortina de fumaça pra tirar o foco do desastre do governo “no tocante” à saude. Sem vacina, oxigênio, leitos…etc… E a gripezinha matando milhares….

    Curtido por 1 pessoa

  9. 130 votos pelo brucutu são retrato de nossa miséria moral
    Fernando Brito
    19/02/2021
    11:22 pm

    https://tijolaco.net/wp-content/uploads/2021/02/brucutu.png.webp

    Francamente, não sinto vontade alguma de ‘comemorar’ a derrota por 364 votos a 13o do brucutu bolsonarista na votação sobre a manutenção da prisão de Daniel Silveira.

    Imaginar que haja 130 defensores de amarrar um ministro do Supremo Tribunal Federal e “bater na sua cara com um gato morto até ele miar” é demais para mim.

    Sabemos o que essa expressão quer dizer e a disposição de torturar – ainda que sem praticar a tortura – marca de forma suficiente o horror da tortura e do torturador.

    Foi, se é que se pode dizer assim, um momento lamacento no pântano que se tornaram nossas instituições e elites políticas.

    Ao lado do do brucutu, transformado em choramingas “arrependido” nada se poderia esperar senão o cinismo dos covardes.

    Mas do lado dos democratas, o que se ouviu de lúcido?

    Não eram as opiniões de Daniel Silveira o que importava. Saudosos da ditadura há aos magotes, fascistas sempre os houve e, confessemos, até vários muito mais ou alguma inteligência que aquele monstrengo.

    Por mais que vários parlamentares tenham criticado a atitude do brutamontes, não houve quem levantasse que isso é apenas o fruto podre do ódio em que este país está mergulhado e sobre quem são os responsáveis por esta situação.

    O deputado valentão, que virou covardão, é absolutamente desimportante como indivíduo, apenas mais um policial do “cumé que é?”

    Mas onde estava uma voz vigorosa a fazer calar toda esta gente e proclamar que liberdade não é o poder de ameaçar e que governo não é o exercício de armas ou de bíceps?

    Onde estava alguém para dizer que Jair Bolsonaro entregava a cabeça de um de seus esbirros para manter outras como vassalas?

    Onde estava quem dissesse à direita que eles seriam empurrados a ser Daniel Silveira, daqui para a frente, na inecitável escalada fascista deste país.

    Nosso inimigo, tal e qual o deputado bombadão é moral e eticamente minúsculo. Quando nos apequenamos, damos-lhe chances.

    Curtir

  10. Observem no site abaixo que todos os deputados que são de uma carreira militar votaram para NÃO manter a prisão do valentão.
    A atitude desses deputados militares mostra um certo corporativismo que ainda subsiste entre militares, mesmo se tratando do acusado ser um metido a valentão.

    https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2021/02/19/veja-como-deputados-votaram-sobre-a-manutencao-de-prisao-de-daniel-silveira.htm

    Curtir

  11. Gente sendo presa por se expressar (Não existe crime sobre isso) com base em inquérito ilegal (Onde juiz é também vítima e carrasco), tudo fora da legalidade e neguinho batendo palminha. Tá serto… Só torça pra um dia esse mesmo pessoal com todo esse “respeito à lei” não venha com a Polícia Federal bater na sua porta. Porque primeiro eles pegam “Nossos inimigos” mas o que fazer se um dia algum deles decidir que você é o inimigo? Ai você vai reclamar né? Mas já será tarde.

    Curtir

Os comentários estão desativados.