Operação noteiro ou QUEM ROUBA MAIS DO QUE PODE CARREGAR É DO GRUPO 3 – 09, 10, 11 e 12 ? 6

Grupo investigado por lavagem de dinheiro na região mantinha rede completa e sofisticada de empresas; entenda

Trinta e três pessoas são investigadas e 76 mandados de busca e apreensão devem ser cumpridos. Além de Franca, estão envolvidas no esquema empresas de Barretos, Ribeirão Preto e outras quatro cidades da região.

Por g1 Ribeirão Preto e Franca

22/06/2022 16h15  atualizado


Equipamentos de validação de cédulas foram apreendidos em Operação Noteiro, em Franca (SP) — Foto: Ministério Público/Divulgação

Equipamentos de validação de cédulas foram apreendidos em Operação Noteiro, em Franca (SP) — Foto: Ministério Público/Divulgação

esquema de lavagem de dinheiro e exploração de jogos de azar desmantelado nesta quarta-feira (22) pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), era formado por uma rede completa e sofisticada de empresas criadas especialmente para este fim.

As informações são do promotor de Justiça de Franca (SP) Paulo Carolis, que investiga o caso.

“Era uma rede completa e sofisticada de empresas criadas para estabelecer negociações entre elas de forma a acobertar aquilo que era resultante da exploração de jogos de azar pelo estado. É um esquema engenhoso. Quem pensou nisso, pensou muito bem”, diz.

A Operação Noteiro, deflagrada pelo Gaeco, tem apoio da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo e das Polícias Civil e Militar.

Apreensão de dinheiro na Operação Noteiro, do Gaeco de Franca (SP)  — Foto: Divulgação

Apreensão de dinheiro na Operação Noteiro, do Gaeco de Franca (SP) — Foto: Divulgação

Segundo Carolis, o grupo investigado chegou a movimentar R$ 170 milhões entre janeiro de 2017 e dezembro de 2021 em 19 municípios paulistas por meio de negociações feitas entre 12 empresas de noteiros (validadores de cédulas), que repassavam esses equipamentos para empresas que seriam responsáveis por entregar as estações de jogos de azar nos pontos de exploração de jogos.

O Gaeco chegou a esse valor tomando como base a documentação fiscal e movimentações financeiras.

Nesta reportagem você vai entender:

  1. Qual o ramo de atuação das empresas investigadas?
  2. O que é um noteiro?
  3. Onde esse tipo de equipamento pode ser encontrado?
  4. Por que os investigados escolheram este ramo?
  5. Como funcionava o esquema?
  6. Como o esquema foi descoberto?
  7. O que foi apreendido até o momento?
  8. Onde a operação acontece?
  9. Qual o perfil dos investigados?

1. Qual o ramo de atuação das empresas investigadas?

De acordo com Paulo Carolis, promotor de Justiça de Franca, as empresas envolvidas no esquema atuavam na venda e aluguel de noteiros e totens, que serviam como base para os noteiros.

2. O que é um noteiro?

Noteiros são equipamentos que contam com dispositivos eletrônicos para ler ou contar cédulas de dinheiro.

Apreensão na Operação Noteiro, do Gaeco de Franca (SP) — Foto: Ministério Público/Divulgação

Apreensão na Operação Noteiro, do Gaeco de Franca (SP) — Foto: Ministério Público/Divulgação

3. Onde este tipo de equipamento pode ser encontrado?

Jukebox (máquinas de música), vending machines (máquinas de refrigerantes, salgadinhos, doces, brinquedos de pelúcia), e caça níqueis.

4. Por que os investigados escolheram este ramo?

Empresas de venda e aluguel de noteiros atuam em um ramo restrito, ainda de acordo com Carolis. “Não chamaria muito a atenção. Foi criado de forma planejada”.

5. Como funcionava o esquema?

Segundo o promotor, o grupo era composto por empresas que vendiam noteiros e empresas que vendiam totens (utilizados para acoplar o equipamento de contagem de notas).

As empresas intermediárias locavam os equipamentos prontos para os pontos de exploração de jogos e, assim, justificavam toda a movimentação financeira.

“Esse valor justificado de repasse desse validador de cédula para essas empresas era feito para dar aparência de que realmente entrou como essa negociação, mas quando, na verdade, ele decorrida da exploração de jogo de azar”, diz Carolis.

Essas empresas poderiam até comercializar produtos de maneira lícita, mas também eram usadas como laranja, como explica o promotor.

“Elas podem até comercializar coisas lícitas, mas misturavam o dinheiro dos jogos com todos os demais. Ou seja, uma verdadeira dissimulação de capital, inviabilizando a identificação do que seria exclusivamente ilícito”.

6. Como o esquema foi descoberto?

O Ministério Público chegou até os investigados depois de observar padrões de conduta nos locais onde eram realizados os jogos de azar. As primeiras investigações começaram em 2018.

“Nós começamos a identificar padrões de conduta, de documentos e de dados relacionados aos locais onde eram explorados os jogos de azar e aos equipamentos que eram utilizados. A partir disso, identificamos as empresas que estariam envolvidas neste suposto esquema, aprofundamos a investigação e conseguimos, efetivamente, identificar a função de cada empresa, de cada investigado”.

7. O que foi apreendido até o momento

Foram apreendidos equipamentos, celulares e uma quantia de dinheiro em espécie que ainda seria contabilizada. Todo o material será analisado.

8. Onde a operação acontece

Há diligências em 19 municípios do Estado de São Paulo, entre eles FrancaSão Joaquim da BarraNuporangaMiguelópolisRifainaRibeirão Preto e Barretos. São cumpridos 76 mandados de busca e apreensão e 33 pessoas estão sendo investigadas dentro do esquema.

Cidades onde o grupo atuava:

9. Qual o perfil dos investigados

Ainda segundo Carolis, os empresários envolvidos no esquema tem “grande capacidade econômica”

  1. Então o tal Wellington Honorato,vulgo bonito, dono da Jp loterias ,foi descoberto

    😱😱😱😱😱😱😱

    Curtir

  2. Até que enfim acharam o bicheiro da zona norte de sp

    O famoso Wellington Honorato vulgo ,bonito

    Curtir

  3. Vou te contar uma coisa o contraventor amigo do PCC é o tal do “bonito” ou seja Wellington Honorato, sócio do pereira e Juruna que fazem parte do central loteria

    E vamo conta um segredinho o Daniel salcetto ,vulgo “Palocci” é o testa de ferro

    Logo logo solto os rgs , celulares e endereços
    E os galpões ,e nome dos PMs e civis e advogados

    Curtir

  4. JP. LOTERIAS E PCC LTDA

    CADASTRO: WELLINGTON HONORATO
    NOME FANTASIA: PRIMEIRO COMANDO DA CAPITAL

    ACABOU COM A VIDA DO NOSSO ENTE, EUDES APARECIDO MENEZES RG: 16.609.311

    E DO GIVANILDO LUIZ SANTANA
    OAB 386112

    Curtir

  5. Vixiiii então esse é o nome do cara que é envolvido com o PCC lá na norte😱😱😱

    Curtir

  6. Câmara repete ‘jeitinho’ do Senado com a ‘PEC Compra Voto’

    Fernando Brito 04/07/2022 11:51 am

    O roteiro está armado: a exemplo do que fez o Senado, apensando a proposta de Emenda Constitucional da “compra de votos” a uma outra, já com tramitação avançada, para aprovar a toque de caixa os “vale tudo” com que o governo Bolsonaro conta para a reversão das pesquisas eleitorais.

    Com isso, burlam-se os prazos e ritos regimentais para o exame de propostas de alterações na Constituição e caminha-se para aprovar os pagamentos a tempo de que influam nas eleições de outubro. O relator Danilo Forte, herdado da proposta-hospedeira (que tratava de incentivar o consumo de biocombustíveis), pretende apresentar o relatório até depois de amanhã e votar o texto no dia seguinte.

    A gula de todos se apresentarem como “bonzinhos”, porém, pode criar atrasos ao plano. É que Fortes resolveu apresentar mais um “vale”: o “vale Uber”, destinado a oferecer um subsídio mensal aos motoristas de aplicativos.

    E isso pode atrasar em mais alguns dias a aprovação das medidas e em muitos outros a implantação dos pagamentos, porque terão de ser criados cadastros que inexistem na administração pública.

    O ‘rombo’, que começou em R$ 29 bi e passou a R$ 42 bilhões na versão aprovada pelo Senado, pode passar agora a R$ 50 bilhões. Mas cada bilhão não é nada perto de cada dia dos 90 que faltam para a eleição.

    E aí já não é só a questão de não ganhar eleitores – como é o caso do “Auxílio Brasil”, voltado para os mais pobres, majoritariamente eleitores de Lula.

    Caminhoneiros, taxistas e motoristas de aplicativo, por tudo o que se pode perceber, são, em grande parte ou até em maioria, apoiadores de Bolsonaro. Se o auxílio já não lhes resolve quase nada, o atraso no seu pagamento pode criar frustração e revolta.

    Curtir

Os comentários estão desativados.