João Alkimin: Quem paga a fatura? 20

Quem paga a fatura?

Há 20 anos ocorria o massacre da casa de detenção e o então Governador Fleury, diga-se de passagem, também ex-PM e Promotor Público,  desde aquela época afirmava a mesma coisa: “não autorizei a invasão”.
Me lembra muito o Governador Geraldo e seu Secretário ferreira Pinto, que também não sabem de nada.
Agora, o ex Governador Fleury, talvez evoluindo com o passar dos tempos, copia o mote do Governador Geraldinho “quem não reagiu está vivo”.
Ora, quantos teriam reagido na casa de detenção ao poder de fogo da PM? Que a época invadiu a detenção com unidade do GATE sob o comando do então Capitão Wanderlei Mascarenhas de Souza, com o GOE sob o comando do Capitão Arivaldo Sérgio Salgado e com a ROTA propriamente dita sob o comando do Capitão Valter Alves Mendonça, no primeiro andar com o Capitão Ronaldo Ribeiro dos Santos e com a presença do então Tenente Coronel Luis Nakaharada.
Diz em entrevista o ex Governador Fleury que dois Juizes e direito estavam presentes como se isso servisse para validar qualquer coisa. Foi provado que a presença de Magistrados não inibiu a conduta enlouquecida da tropa, bem como demonstrado desde aquela época que o fato do Secretário de Segurança ser Promotor  de Justiça não quer dizer que não se cometam arbitrariedades e, estão ai para dizer o caso Gradi, Castelinho e outros.
As afirmativas do ex -Governador e Procurador de Justiça aposentado Fleury, não me causam estranheza, tendo em vista que politicamente sua origem é a mesma de Mário Covas, de Geraldo Alckimin e tantos outros, o PMDB.
Portanto, são todos farinha do mesmo saco.
E quem paga essa fatura? Certamente a tropa, pois os Oficiais provavelmente estavam e estão bem protegidos, alguns inclusive, prestando serviços a Prefeitura de Mogi das Cruzes.
E os soldados?
Esses pagarão certamente, pelo menos uma parte  da fatura.
Necessário também se faz, acabar com essa história de que algumas unidades são Tropa de Elite. Especificamente, com referência a ROTA, na Polícia Militar. Tropa de Elite são aqueles que atendem qualquer ocorrência, de briga de bêbado a sequestro com reféns, pois esses, os patrulheiros, os integrantes da força tática, não escolhem ocorrências de maior visibilidade como a ROTA, porque a mesma escolhe as ocorrências que quer atender.
Tropa de Elite são aqueles Policiais Civis que estão nos plantões, pois também não escolhem ocorrências, encarando o que vier pela frente.
Parece-me que a Administração usa hoje uma nova maneira de massacrar seus policiais, nesse caso especificamente os civis, enchendo-os de PADs , em que a vitima mais visível é o Delegado Conde Guerra, tentando com isso obstar seu retorno as fileiras, tática essa que reputo idiota, pois uma parte da justiça pode ser cega mas nossos Tribunais Superiores enxergam bem e longe.
O exemplo mais claro de como age a Administração é o caso do Jornalista Fábio Pannuzio, que se viu obrigado a encerrar seu blog por não aguentar  mais pagar honorários advocatícios, segundo suas próprias palavras. Entendo e respeito, mas não concordo, pois nesse caso deveria então aconselhar imediatamente o Delegado Conde Guerra a retirar o Flit Paralisante do ar, mas não o farei, por vários motivos, dentre os quais o mais importante, tenho certeza que ele não iria fugir da raia.
Causa-me espanto também a autofagia do PSDB que ataca um dos seus, pois não podemos nos  esquecer que o jornalista Pannuzio sempre defendeu esse partido, demonstrando assim, que o PSDB não aceita críticas, quer somente que sejam tecidos loas a sua Administração, quando criticado o criador se vira contra a criatura e imediatamente a ataca e esta se não recuar será devorada. Não tenho a menor duvida que se o jornalista Panuzzio não houvesse recuado, certamente o próximo passo seria pressionar a Rede Bandeirantes de onde ele tira seu sustento a demiti-lo. Digo isso porque sou testemunha viva do que tentaram fazer com o jornalista Carlos Brickman quando o mesmo criticava um outro Secretário de Segurança, que moveu dezenas de processos contra o mesmo. Tempos bicudos esses que vivemos…
Quero deixar claro que a responsabilidade por esse artigo, pelos anteriores e pelos posteriores é minha. Pois meus textos não são analisados, censurados ou sequer revisados pelo Flit Paralisante ou pelo Vejo São José.
João Alkimin

Crise gravíssima na segurança pública de São Paulo. 49

Apagão geral na segurança pública em São Paulo

Publicado em 29-Set-2012

Sem comando e com licença para matar. De um lado essa é a atuação da PM nas ruas de São Paulo. De outro, os próprios policiais são vítimas dos criminosos, sem condições de investigar e de desarticular o crime organizado que a tudo comanda de dentro dos presídios.

Não há outro diagnóstico possível. Esta é a situação da Polícia Militar em São Paulo. Licença para matar, aliás, dada pelo governador tucano Geraldo Alckmin em suas declarações irresponsáveis e desastradas a cada ocorrência de violação dos direitos humanos cometidas por sua polícia.

É o pior dos mundos, um verdadeiro apagão geral na segurança pública no Estado. Mas, uma coisa vocês, que acompanham o blog, hão de convir: não é por falta de tratar do tema, de criticar. Ano após ano nós criticamos. E a situação só piora.

Leiam as palavras dessa moradora do Jardim Macedônia: “Eu coloquei as mãos para cima, assustada, com medo de ser baleada também (…). Eu não acreditei na cena que vi: as meninas baleadas, o policial com arma em punho pra mim como se eu fosse uma bandida”, contou a mãe de uma das meninas atingidas por estilhaços (segundo a PM) quando os policiais atiravam contra motoqueiros suspeitos no bairro Jardim Macedônia, na capital paulista.

“Cala a boca filha. Isso aí foi só um tirinho de raspão”

Uma das meninas foi atingida no nariz e a outra alvejada [segundo a nota d PM por estilhaços] no olho. E não bastasse isso, ambas foram levadas sozinhas, sem a presença de um adulto – repito, elas têm 11 e 14 anos –, pelos policiais ao hospital. Vejam o que a menor delas contou à imprensa: “Dentro da viatura eu falava: cadê a minha mãe? Eu quero a minha mãe? Por que vocês machucaram a gente? O moço (PM) falou assim: cala a boca filha, isso aí foi só um tirinho de raspão”.

E há ainda o caso dos PMs assassinados durante suas folgas. Agora foram mais três policiais mortos. O primeiro da ROTA, atingido por tiro de fuzil quando saía de casa, na quinta (27.9). Na sexta (ontem, 28) mais dois PMs. A contabilidade macabra está nos jornais: 73 PMs mortos este ano, 56 em horário de folga.

Agora vocês imaginem o clima no enterro deste policial da ROTA, também morto quando saía de casa. Estava de folga, como os dois outros mortos também nestes dias.

Governador, talvez não adiante abordar milhares de pessoas…

Vocês querem indicadores mais claros de que o crime está comandando as ações da segurança pública do Estado, de dentro dos presídios? Querem maior atestado de falência da política (será que merece este nome?) de segurança pública instalada no Palácio dos Bandeirantes?

O governador Geraldo Alckmin tem que parar e pensar. Tem que rever a situação, convocar a inteligência, colocar para estudar o problema da segurança pública. Não pode mais continuar com essa política que deixa, de um lado os criminosos à vontade para dominarem a situação, de outro a polícia agindo sem direção, sem condições de enfrentar os criminosos. A polícia tem que proteger efetivamente a população, em vez de se comportar como verdadeira ameaça à população.

Não dá para saber se a ação está ou não relacionada com este problema das mortes dos PMs, mas entre a tarde e a noite da mesma quinta em que morreram mais dois PMs, a polícia militar realizou uma mega-operação e deteve 252 pessoas em todo o Estado. Abordaram 64.291 pessoas. Daqui a pouco abordarão todos os habitantes do Estado. E aí? É essa a inteligência da nossa polícia?

A que ponto chegamos…

No caso das meninas do Jardim Macedônia, não bastasse tudo o que fizeram, o absurdo dessas meninas estarem sozinhas, ainda um “Cala a boca, filha?” Onde estamos? Onde está o governador? Em nota oficial, após os PMs terem coragem de dizer que as meninas haviam sido acidentalmente atingidas por balas de borracha, a PM afirmou ter instaurado inquérito para apurar os fatos.

“Por motivos a esclarecer, um dos policiais efetuou disparos contra os ocupantes da moto e os estilhaços atingiram as duas crianças que estavam do outro lado da rua”, diz a nota.  A que ponto chegamos? Essa é a segurança pública do dr. Geraldo Alckmin. Esta é a PM tucana.

A situação traduz muito bem a insegurança da população frente a uma polícia que necessita urgentemente de comando, de um plano de ação articulado, e de melhor preparo. Coisas que fazem parte de qualquer política de segurança pública decente, mas que definitivamente não existe em São Paulo, por tudo o que temos visto (e comentado) aqui no blog.

Há uma crise gravíssima na segurança pública de São Paulo. Uma crise, aliás, que a mídia esconde ou trata como se fosse mais um caso isolado. Não é. A violação dos direitos humanos em São Paulo é sem precedentes. E é um dos lados da moeda. A falta de efetividade das ações policiais para conter os criminosos é o outro lado. Eles se complementam e mostram uma polícia desorientada, agindo a esmo e amedrontando as pessoas. Mas não os criminosos.

Cadê a imprensa, sempre tão crítica às políticas do PT? O que está precisando acontecer mais para que ela afinal se dê conta de que algo não anda bem?

Estamos à mercê de um verdadeiro bang bang, cercados de cenas que lembram os filmes do velho oeste estadunidense. Onde estamos?

ZÉ DIRCEU

VELOMÍCIO TUCANO: Morte de Hebe é motivo para exploração eleiçoeira 24

———- Mensagem encaminhada ———-
De: Governo SP – Sala de Imprensa<imprensa@comunicacao.sp.gov.br>
Data: 29 de setembro de 2012 17:36
Assunto: VALE ESTE – Hebe será velada no Palácio dos Bandeirantes
Para: dipol@flitparalisante.com

Caso não consiga visualizar, clique aqui
Sábado, 29 de Setembro de 2012

Hebe será velada no Palácio dos Bandeirantes

O velório da apresentadora Hebe Camargo será realizado a partir das 18h deste sábado, 29 de setembro, no hall nobre do Palácio dos Bandeirantes. O velório será aberto para a população a partir das 20h.

 

A apresentadora morreu na manhã deste sábado em São Paulo. O enterro será no Cemitério Gethsemani a partir das 9h30 deste domingo, 30 de setembro.

Evento: Velório da apresentadora Hebe Camargo
Data: Sábado, 29 de setembro de 2012
Horário: 18h00
Local: Hall nobre do Palácio dos Bandeirantes. Av. Morumbi, 4.500 – São Paulo/SP
Assessoria de Imprensa

(11) 2193-8520

www.saopaulo.sp.gov.br

Governo do Estado de São Paulo

Serra faz discurso dedicado à “amiga” Hebe 15

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, evitou atacar seus adversários durante comício na noite deste sábado (29) no largo Treze de Maio, em Santo Amaro, na zona sul da capital.

O tucano iniciou seu discurso pedindo um minuto de silêncio à “amiga” Hebe. A apresentadora morreu aos 83 anos na madrugada deste sábado após sofrer uma parada cardíaca em sua casa, no Morumbi, na zona sul.

“A Hebe nos deixou hoje e quero dizer a vocês que eu perdi uma amiga que me apoiou em todas as eleições, desde 1986. Às vezes apenas pessoalmente, às vezes publicamente. Fiquei muito triste, mas fico contente de poder compartilhar esta homenagem com vocês do largo Treze”, disse Serra.

Abaixo-assinado “VAMOS REAGIR SÃO PAULO” – Ajudar a proteger a quem protege você 24 horas por dia 365 dias por ano – 43

http://www.peticaopublica.com.br/?pi=REAJA

Acabei de ler e assinar este abaixo-assinado online:

« “VAMOS REAGIR  SÃO PAULO” – Ajudar a proteger a quem protege você 24 horas por dia 365 dias por ano – »

http://www.peticaopublica.com.br/?pi=REAJA

Eu concordo com este abaixo-assinado e acho que também concordaras.

Assina o abaixo-assinado aqui http://www.peticaopublica.com.br/?pi=REAJA e divulga-o por teus contatos.

Obrigado.

PM alerta tropa sobre novos ataques 43

  • 28 de setembro de 2012
  • 23h31

CAMILLA HADDAD

A onda de assassinatos a policiais militares, principalmente durante as folgas, fez o comando da corporação espalhar cartazes nos quartéis de São Paulo para alertar a tropa sobre os riscos de ataque e recomendar cautela nos bicos. O aviso tem circulado há três dias e exibe dados sobre PMs mortos à paisana e em serviço. A reportagem esteve em quatro batalhões da capital e encontrou cartazes fixados bem na entrada dos prédios.

No panfleto consta que 54 policiais foram executados fora do trabalho. O número já subiu para 55 desde anteontem, quando o soldado André Perez de Carvalho, de 40 anos, levou vários tiros de fuzil na frente de casa, na Avenida Corifeu de Azevedo Marques, no Butantã, zona oeste. A vítima estava indo para o trabalho no quartel das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota). Perez morreu a caminho do hospital.

“O clima não está nada bom. A gente está apreensivo porque virou alvo. A sensação é de que está piorando”, revela um soldado que trabalha na região de Perdizes, na zona oeste. O PM conta que desde junho eles já estariam sendo orientados por seus comandantes a não andar desprevenido nas ruas. Uma policial feminina da zona norte comenta que ela e os colegas têm permanecido dentro da recepção e as conversas na porta do batalhão são evitadas. “A situação está parecida com a dos ataques de 2006. Mas só esses informes não me deixam tranquila”, lamenta. “Eu tenho filha pequena. Quero voltar para a casa.”

No Comando de Policiamento Metropolitano 3, localizado na Avenida Ataliba Leonel, em Santana, na zona norte, uma das pistas da via foi isolada por quatro cones. De acordo com policiais dali, a medida visa proteger quem trabalha no local e é aplicada mais ao anoitecer.

Em nota, o Centro de Comunicação da corporação confirmou o alerta e disse que “as orientações são parte da rotina de instrução do policial. São abordados assuntos que dizem respeito ao profissional em sua atuação. Também podem abordar aspectos de sua conduta fora do horário de serviço”. A PM não autorizou que o comandante da tropa, Roberval Franca, fosse entrevistado.

Cláusula 18 – Mais um dia, mais dois PMs executados…Governo não tem competência para conter o terrorismo imposto pelo PCC 24

Enviado em 28/09/2012 as 22:32 – ORLANDO

28/09/2012 – 21h07

Dois PMs são mortos em duas ações de criminosos na zona sul de SP

COLABORAÇÃO PARA A FOLHA DO AGORA

Atualizado às 22h15.

Dois policiais militares foram assassinados em duas ações de criminosos na noite desta sexta-feira, na zona sul de São Paulo.

Na primeira ação, o cabo Antonio José de Farias, do 3º Batalhão da Polícia Militar, morreu após atingido por quatro tiros na região do abdome. Ele estava acompanhado de seu filho e um outro policial militar identificado como soldado Veneziano.

De acordo com a polícia, dois homens se aproximaram dos PMs, que estavam de folga, e atiraram contra eles na rua Belfort Duarte, por volta das 18h. Os PMs teriam revidado à ação dos criminosos, baleando os dois. Um dos criminosos morreu no local e o outro conseguiu fugir.

O cabo Farias chegou a ser levado para o hospital Nossa Senhora de Lourdes, mas não resistiu aos ferimentos e morreu por volta das 20h30. O outro policial também foi baleado e levado ao hospital. Ele não corre risco de morte, segundo a PM.

O filho de Farias foi atingido de raspão e socorrido para o pronto-socorro de Saboya.

Na segunda ação, um policial militar identificado como soldado Laercio, 42, morreu após criminosos entrarem no bar onde ele estava, próximo ao terminal Varginha (zona sul) e fazerem disparos contra o PM. Assim como os outros dois policiais, ele também estava de folga.

O soldado chegou a ser socorrido ao pronto-socorro Balneário, mas morreu às 20h20. Ninguém foi preso até as 22h10.

Os dois casos estão sendo encaminhados para o DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa). (MARINA GAMA E JOSMAR JOZINO)

Piso do Alckmin afunda sala de aula 7

Em Cubatão, sala de aula é parcialmente “engolida” por cratera em escola estadual

Gustavo Delacorte Do UOL, em Santos

Uma sala de aula foi parcialmente “engolida” por uma cratera de aproximadamente sete metros de comprimento e um metro de altura, em Cubatão (56 km de São Paulo). O problema, que se tornou público nesta sexta-feira (28), aconteceu por volta das 23 horas do último dia 19, na Escola Estadual Lincoln Feliciano, no bairro Vila Nova, e até agora não foi solucionado.

NA PRÁTICA: Penas mais severas para policiais e ex-policiais 19

Publicada lei que estabelece pena a milicianos e grupos de extermínio

28 de setembro de 2012

A punição para crimes relativos a grupos de extermínio, milícias, organizações paramilitares e esquadrões pode chegar a oito anos de detenção. A lei tipificando o crime e estabelecendo a pena foi sancionada pela presidente Dilma Rousseff e está na edição desta sexta-feira no Diário Oficial da União.

O Artigo 2º do texto determina que a pena será aumentada em um terço até a metade, se o crime de homicídio for praticado por milícia privada, sob “o pretexto de prestação de serviço de segurança ou por grupo de extermínio”.

A pena mínima é quatro anos e a máxima, oito.

Pelo Código Penal, de 1940, a associação de mais de três pessoas para cometer crimes é denominada quadrilha, cuja pena vai de um a três anos.

O Artigo 288 do texto detalha em que consiste o crime: “Constituir, organizar, integrar, manter ou custear organização paramilitar, milícia particular, grupo ou esquadrão com a finalidade de praticar qualquer dos crimes (previstos no Código Penal)”, diz.

No começo deste mês, o plenário da Câmara aprovou o projeto de lei que tipifica o crime de extermínio e penaliza a constituição de grupo de extermínio, milícia privada ou esquadrão, assim como a oferta ilegal de serviço de segurança pública e de patrimônio, aumentando a pena para homicídio relacionado a esses casos em um terço e até a metade. O projeto foi à sanção presidencial.

A proposta foi elaborada a partir de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) que investigou as ações de grupos de extermínio e milícias privadas na Região Nordeste do Brasil. A ideia é limitar também a ação dos responsáveis por chacinas, nas quais são mortos civis, autoridades públicas, policiais e dissidentes de quadrilhas, além de testemunhas de crimes.

Aí Pode! 9

Enviado em 28/09/2012 as 10:25 – CARONTE

Bom Dia!

Senhoras e Senhores.

Realmente pelo que se observa, estamos fadados em pleno século do maior avanço tecnológico e Aeroespacial, a somente aceitamos e assistirmos passivamente as porcarias da Rede do Editor do Globo e de algumas de suas assemelhadas pelo País afora, a sofrer sem contestações ou preocupação dos órgãos legalmente constituídos, no tocante aos preços abusivos dos canais fechados, enquanto no Uruguai e Argentina, por exemplo, somente se cobra o básico ou o que realmente se assiste, não tendo a hipótese de ser obrigado a ter que engolir ou se empurrar “goelas abaixo” muitos pacotes extremamente caros e danosos à sociedade já tão explorada e sofrida: Ai Pode!

Quando se diz que é novela “idêntica à realidade, porém, sempre ensejando ser meramente fictícia”: Ai Pode!

Quando se tapa os olhos do povo no horário de folga no domingo à tarde com aquela porcaria do Faustão e, transmissão de jogos de futebol contrários aos seus desejos somente para entorpecer e desviar a atenção do trabalhador: Ai Pode!

Quando se coloca no meio das novelas do horário nobre, inúmeros desejos de consumo da classe de proletariados, dando a ensejar e induzir ao externo que aqui é um País de futuro e de iguais oportunidades: Ai Pode!

Quando se controla privativamente, mais de 70% de todo o meio de comunicação de um Território, que a priori, deveria ser do Governo Federal por uma questão de Segurança Nacional, acumulando-se inclusive mensalmente muitos milhões de dólares: Ai Pode!

Quando se fomenta que o combustível no País, principalmente o Álcool, não está no poder e controle do Governo, muito menos da Petrobrás: Ai Pode!

Quando se comenta que estamos vendo empresas sendo fechadas no nosso País por absoluta inviabilidade de subsistência e devido aos altos índices de tributos e, ter o dissabor ao assistir de camarote uma enxurrada de produtos que se dizem serem “chineses”, muitos deles inclusive com a devida falta de controle de qualidade e, que indubitavelmente vem-se também na contramão destes um alarmante e detestável índice de desemprego, derivado inclusive procedimento de abertura para os produtos estrangeiros, simplesmente ensejando controle da balança comercial e livre negociação entre países, Ai Pode!

Quando se exporta o seu melhor produto alimentício e de primeira grandeza e necessidade para o exterior “a preços intitulados” como “Concorrência e competitividade”, enquanto isto, quase dois terços do povo brasileiro não tem nada ou quase para se colocar no prato dos seus filhos e, quando este aparece numa prateleira ou frigorifico de supermercado, muitas vezes a qualidade é aquém e o preço é o dobro: Ai pode!

Quando não se exige nada do estrangeiro para entrada neste País e, a nós brasileiros são negados o básico: Ai Pode!

Quando em algumas situações se rejeita lá fora muitos dos nossos produtos de primeiríssima linha, aqui não se questiona qualidade, idoneidade ou a devida origem do produto do exterior: Ai Pode!

Quando …

Quando …

Caronte

NINGUÉM GOSTA DE POLÍCIA, NEM JUIZ, NEM PROMOTOR, NEM ADVOGADO, NEM A SOCIEDADE 31

Enviado em 28/09/2012 as 10:15 – CUTUCANO

NÃO PODEMOS COMBATER O CRIME, OS PROMOTORES E DEFENSORES PÚBLICOS ESTÃO EM SEUS GABINETES A ESPREITA ESPERANDO MAIS UM PM ENTRAR NO MATADOURO DO TRIBUNAL DO JURI.

NINGUÉM GOSTA DE POLÍCIA, NEM JUIZ, NEM PROMOTOR, NEM ADVOGADO, NEM A SOCIEDADE, SOMOS UM ESTORVO PRA ELES, CERTA VEZ FUI AO FÓRUM DA BARRA FUNDA, VER UM PROCESSO EM ANDAMENTO, QUANDO DISSE SER POLICIAL CIVIL, O ESCREVENTE, LOGO DISSE ENTÃO VC. É MAIS UM QUE NOS TRÁS SERVIÇO.

OUTRO DIA LI EM ALGUM LUGAR A SENTENÇA DE UM MAGISTRADO DADO A UM POLICIAL CIVIL O QUAL DISSE “QUALQUER UM DO POVO EU ABSOLVERIA, MAS POR SE TRATAR DE POLICIAL CIVIL DEVO CONDENA-LO”

Governo federal vê embate Rota-PCC 39

Enviado em 28/09/2012 as 1:10 – BORN TO KILL

Resposta da facção criminosa a ações do batalhão faz SP ter alerta para crises elevado; secretário de Segurança contesta relatório BRASÍLIA – O sistema de monitoramento de crises do governo federal aumentou o alerta para São Paulo por causa das ações recentes do Primeiro Comando da Capital (PCC). Um relatório especial feito pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin), que abastece o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) ligado à Presidência da República, mostra que a situação, ruim há alguns meses, tende a se agravar em razão da resposta do grupo às ações das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota). O governo de São Paulo nega. Acuado pela ofensiva policial, o comando do PCC teria determinado que seja aplicada no Estado a “cláusula 18″: “Vida se paga com vida e sangue se paga com sangue”. Para cada membro da facção morto, um policial deve ser assassinado. A morte do soldado André Peres de Carvalho, do 1.º Batalhão de Choque (Rota), na capital, teria sido recebida ontem pelo PCC como uma “vitória”. Pela primeira vez, o grupo teria conseguido atingir a unidade.

A contabilidade mortal do PCC também incluiu a execução de Florisvaldo de Oliveira, de 53 anos, o Cabo Bruno, no mesmo dia, no interior do Estado. Líder de um grupo de extermínio nos anos 1980, estava livre havia 34 dias e seria um símbolo para o PCC. Informações da Abin mostram que o grupo teria se fortalecido nos últimos seis anos, depois de uma relativa “paz” desde os ataques a São Paulo, em maio de 2006.

Mesmo com alguns líderes presos, o PCC se reorganizou. Recentemente, no entanto, a Rota iniciou um trabalho próprio de inteligência que começa a chegar perto do PCC. Informações atribuídas a denúncias anônimas – como a do “tribunal” estourado há duas semanas, em que nove pessoas foram mortas – teriam vindo desse trabalho.

O secretário da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, contesta o documento. “Fico indignado. São notícias sem fundamento. A Abin não monitora presídios e não mantém contato com a inteligência do Estado. Não monitora nem as fronteiras para coibir a entrada de armas e drogas.” Ele acusou a agência de, no período pré-eleitoral, servir a interesses político-partidários.

Comando. Com o grupo caçado pela Rota, a ordem de usar a “cláusula 18″ teria vindo diretamente de Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, líder do PCC preso na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau. A instrução aos criminosos é observar o cotidiano de policiais, para conhecer seus hábitos e fazer a execução durante a folga – de preferência, na frente da família.

Dados da PM de São Paulo mostram que o número de policiais mortos neste ano é 40% maior do que no mesmo período de 2011. A preocupação do governo federal é que a crise se intensifique em São Paulo e se espalhe. As informações da Abin são de que o PCC se armou e se expandiu nos últimos anos. Apesar de concentrar as ações em São Paulo, ele teria associações com criminosos em diversos Estados, especialmente nas fronteiras com o Paraguai e a Bolívia. / COLABOROU MARCELO GODOY

http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,governo-federal-ve-embate-rota-pcc,936887,0.htm

Liberdade de expressão tem limites, liberdade para político roubar não tem limites 7

27/09/201219h06

Google bloqueia vídeo que motivou prisão de diretor-geral no Brasil

DANIEL CARVALHO DE SÃO PAULO

Atualizado às 21h47.

O diretor-geral do Google Brasil, Fabio José Silva Coelho, informou na noite desta quinta-feira (27) que a empresa bloqueou o vídeo que motivou sua prisão ontem.

Segundo Coelho, o último recurso movido pela empresa foi negado na noite de quarta-feira (26). “Agora, não temos outra escolha senão bloquear o vídeo no Brasil”, escreveu o diretor no blog do Google Brasil.

No comunicado, ele afirma que a Justiça Eleitoral não permitiu uma discussão mais profunda do assunto envolvendo o vídeo com ataques ao candidato à Prefeitura de Campo Grande (MS) Alcides Bernal (PP).

Liberdade de expressão tem limites, diz juiz que mandou prender executivo do Google

Após detenção de diretor, Google deve reforçar defesa da liberdade de expressão Diretor-geral do Google no Brasil é detido pela Polícia Federal

Juiz recua e expede alvará de soltura a executivo do Google Candidato que processou Google diz não ter nada contra site de buscas

“Estamos profundamente desapontados por não termos tido a oportunidade de debater plenamente na Justiça Eleitoral nossos argumentos de que tais vídeos eram manifestações legítimas da liberdade de expressão e deveriam continuar disponíveis no Brasil”, afirmou o diretor-geral.

Reprodução
Mensagem avisa que vídeo foi removido do site
Mensagem avisa que vídeo foi removido do site

Coelho foi preso por ordem da Justiça Eleitoral de Mato Grosso do Sul por descumprir a determinação de retirar dois vídeos com ataques a Alcides Bernal. Conduzido à sede da Polícia Federal em São Paulo, foi ouvido, autuado por crime de desobediência e liberado em seguida, por se tratar de crime de menor potencial ofensivo.

Uma das publicações que motivaram a ação foi retirada do ar pelo próprio usuário, fato citado por Coelho na nota. “Ironicamente, o usuário que publicou um dos vídeos acabou por removê-lo e fechou sua conta no YouTube –esse é apenas um exemplo dos efeitos intimidatórios do episódio para a liberdade de expressão”, escreveu.

No início desta noite, o vídeo “Alcides Bernal – Tostão contra o Milhão – Macbook Apple”, postado pela usuária “luanaximenez”, não estava mais disponível.

Na tela aparece um comunicado: “Este conteúdo não está disponível em seu país devido a um requerimento legal do governo”. Outros vídeos com o mesmo conteúdos, porém, continuavam no ar na noite desta quinta-feira

A Justiça também determinou a suspensão do Google e do YouTube em Mato Grosso do Sul por 24 horas. A Embratel, citada na decisão, informou que cumprirá a ordem, mas não informou quando os sites sairão do ar.