( prá recordar ) MORTE DO POLICIAL: nós estávamos intensificando o patrulhamento nas imediações da residência dele, sobretudo, nos horários de saída e retorno. A fiscalização era feita por meio da força-tática e de viatura da 1ª Companhia da corporação 24

Comandante diz que policial morto em SV recebia ameaças  (  É O MESMO QUE AGORA DIZ QUE O FUKUHARA TINHA ESCOLTA )

De A Tribuna On-line 

O tenente-coronel Marcelo Prado, comandante do 39º Batalhão da PM de São Vicente, disse que, há cinco meses, o policial Marco Antônio Vieira, de 44 anos, assassinado com 10 tiros na tarde deste sábado, em casa, no Japuí, havia comparecido ao batalhão para ser ouvido a respeito das ameaças que vinha recebendo.

“Ele não tinha identificação e não imaginava quem poderia ser. A corregedoria foi notificada sobre o fato e nós estávamos intensificando o patrulhamento nas imediações da residência dele, sobretudo, nos horários de saída e retorno. A fiscalização era feita por meio da força-tática e de viatura da 1ª Companhia da corporação”, explicou Prado, que acompanhou o velório e o enterro do policial.

“Já temos alguns nomes. Estamos aguardando apenas a complementação pelas provas periciais, através de impressão digital. É um trabalho conjunto com a polícia civil e corregedoria da PM”, destacou.

O tenente estima que quatro pessoas estejam envolvidas no assassinato. Segundo ele, as testemunhas que estavam no local viram apenas dois indivíduos, porém a polícia trabalha com a hipótese de terem recebido o apoio de outras duas pessoas em uma motocicleta.

Enterro

O enterro do policial no Cemitério Municipal Memorial Vicentino foi marcado pela tristeza e inconformismo de amigos, familiares e colegas de profissão.

“Ele era uma pessoa muito querida no bairro onde morava. Estava sempre disposto a ajudar quem precisasse, dava a vida pelas pessoas. Ele se foi, mas honrou a sua farda e tinha muito orgulho do trabalho que fazia”, afirmou uma pessoa da família, que preferiu não se identificar.

___________________

Tudo  conversa!

Policial ameaçado só pode contar com o Criador .   

  1. Senhor Secretário e agora como fica uma vida foi ceifada de um Policial quem paga a conta quem vai ajudar a familia dele.

    dane-se, um a mais um a menos.

    Quem se importa a não swer a viuva e filhos.

    Se fosse importante seria diferente contudo a vida de um Policial é diferente dos Bacanas será que perante o criador também havera separação .

    Sabe Dr. Conde Gerra e demais Delegados sabe o que me conforta e que mais cedo ou tarde os poderosos morrem pois, são mortais já me basta por enquanto

    Curtir

  2. INFELIZEMENTE TEMOS UM POLICAL A MENOS ENTRE NÓS( CIDADÃOS ) E ESSES CRAPULA( CRIMINOSOS). A SOCIEDADE ESTÁ DESAMPARADA . OS NOSSOS GOVERNANTES ESTÃO DISCUTINDO ÉTICA ENQUANDO NÓS SOFREMOS COM A VIOLENCIA.

    Curtir

  3. Pingback: MORTE DO POLICIAL: nós estávamos intensificando o patrulhamento nas imediações da residência dele, sobretudo, nos horários de saída e retorno. A fiscalização era feita por meio da força-tática e de viatura da 1ª Companhia da corporação | Blo

  4. Que esta notícia sirva de alerta aos senhores Policiais Militares:

    É desta maneira que o Secretário Pinto “gosta” tanto da PM:

    “Gosta muito”, mas não está nem um pouco preocupado com esta rotina de homicídios contra Praças da PM, especialmente na Baixada!

    Curtir

  5. … eu realmente quero entender melhor, o que é a JUSTIÇA nesse pais. eu quero saber como tem tanta gente que ao invés de cumprir seu trabalho e nos defender, defende os MERDAS , isso! esses mesmos que você ta pensando… esses bandidinhos, maloqueiros que ficam a noite inteira fumando, cheirando ,roubando e planejando a morte de quem coloca a cara a tapa pra defender a própia familia deles …quero saber o que falta para o papel mudar, e ao invés de policiais serem mortos, os BANDIDOS sejam pois o é o que me dá mais gosto de ouvir … po aquele nóia morreu , aquele que matou aquela mina sabe? é isso que eu quero ouvir! Eu agradeço a Deus por eu ter escolhido outra profissão, pois não deixaria em puni nem um ser miseravél desses !A sociedade não tem nenhum pouco de conciencia em relação aos Policiais que estão nas ruas lutando por segurança para eles , e quando acontece de um policial matar um LADRÃO… … ele deve ser preso,todos querem justiça. Mas quando se trata de um POLICIAL trabalhador, eles não estão nem ai, e que se exploda o mundo né?O legal é se o povo começar a se importar, se informar das coisas que estão acontecendo e tomar providências .. se não vai ser tarde , e só vão dar valor quando um familiar , amigo morrer com 10 tiros no corpo todo, pego de forma desprevinida na qual chamamos de COVARDIA !

    … reflita, e faça o que lhe convém, mas aprenda a lutar com dignidade e saber o que é a Justiça!

    ‘ EU QUERO É PAZ ‘

    (01/10/2009 – Mais um PM morto e ai?)

    Curtir

  6. Enquanto os “políticos” se preocupam com a aprovação de bingos, que lavam dinheiro do crime organizado,nós policiais nos preocupamos com quem será o próximo. Estamos sendo executados com requinte de crueldade na presença de nossos familiares, e os nossos comandantes estão preocupados com a promoção ao posto superior. Estamos indignados, pois, a corregedoria desce a serra e nos fiscaliza nos mínimos detalhes ( tarjeta; bota; gorro; funcional;e demais acessórios) mais nunca aparecem para ajudar a prender os criminosos,isso precisa dar um basta, temos uma legislação arcáica e uma instituição falida. vejamos como exemplo, que a pouco dias, um sargento foi preso por desviar munições do centro de suprimento da PM Paulista destinando-os aos criminosos do Rio de Janeiro ( COMANDO VERMELHO ), e que o mesmo sargento informou que oficiais sabiam de tal conduta. Onde vamos parar.

    Curtir

  7. Realmente,Concordo Com Todos os Comentarios, Estamos Cheio De hipócritas e Lixos Nesse Mundo, Infelizmente Marcos Foi Uma Das Vitimas.
    Mais Olha, Se Mataram o PM Marcos e a Justiça Não Fez Nada, a Não Ser Os Proprios Amigos Que Trabalharam Com Ele e Familiares, PorQue Quando Morre Um Ladrao Um Lixo No Caso, Da Mó B.ó Para Os Policiais?.
    Eu Axo Que a Justiça Deveria Ser Mais Justa Como Eles Mesmo Dizem! Ja Que Mataram, PorQue Não Pode Morrer?

    “Eu Axo Que Ladrao Traficante Em Si Criminoso! Deve Morrer Msm, PorQue Como Diz Um Amigo Meu, Ladrão Nao Tem Ética”

    Saudades Tiu Marcos!

    Curtir

  8. o elemento falecido citado na materia a cima, é considerado como vítima, segundo o inquérito ele recebia ameaças;
    por qual motivo?
    quais tipos de ameças?
    embora essas informações são confidenciais, ou seja a verdade é articulada!

    Curtir

  9. Jardineiro de Collor é pago com verba do Senado, diz revista
    PUBLICIDADE

    DE SÃO PAULO

    Três funcionários contratados como assistentes parlamentares pelo gabinete do senador Fernando Collor (PTB-AL) prestam serviços particulares a ele, segundo reportagem publicada nesta semana pela revista “Época”.

    André Borges/Folhapress

    O senador Fernando Collor (PTB-AL) fala durante sessão da CPI do Cachoeira
    Acemilton Gonçalves da Silva atua como jardineiro na casa de Collor. Recebe R$ 2.200 mensais do Senado. Carmen Valéria Rocha e Sandra Regina Sasaki são arquivistas de uma fundação do senador. Têm salário de R$ 6.400 cada uma.

    A Folha não conseguiu contatar o senador ontem. À revista sua equipe informou que “os três servidores desempenham, como assistentes parlamentares, as atividades de apoio que lhe são determinadas”.

    Curtir

  10. Ministério Público quer reaver dinheiro desviado no mensalão
    O Ministério Público tenta reaver os milhões de reais desviados pelo esquema do mensalão, mas outros casos de corrupção indicam não é tarefa fácil recuperar dinheiro público roubado.

    Curtir

  11. 14/10/2012 09h03 – Atualizado em 14/10/2012 09h07
    Soldado da PM é morto com tiros de fuzil na Zona Sul de SP
    Policial estava em frente a padaria quando foi baleado.
    Criminosos fugiram em direção a uma favela na região.
    Do G1 SP

    6 comentários
    O soldado da Polícia Militar Flavio Adriano do Carmo, de 45 anos, foi morto na noite deste sábado (13) com tiros de fuzil no Jardim São Luís, na Zona Sul de São Paulo. O policial do 3º Batalhão do Choque estava de folga quando foi morto.
    Segundo a Polícia Civil, o PM estava em frente a uma padaria na Rua José Barros Magaldi, altura do número 1180. Segundo o relato de testemunhas à polícia, dois homens desceram de um Fox prata e atiraram contra a vítima, que foi atingida no tórax e na cabeça.
    Em seguida, os criminosos fugiram em direção a uma favela da região. O PM chegou a ser socorrido no Pronto-Socorro Campo Limpo
    O soldado era casado e estava na Polícia Militar desde 1996. Ninguém havia sido preso até a manhã deste domingo (14).

    Curtir

  12. Um policial militar de folga foi morto com tiros de fuzil em uma padaria no Jardim São Luis, zona sul de São Paulo, na noite deste sábado (13).

    Polícia põe escolta para PMs ameaçados em São Paulo
    Sargento é suspeito de ligação com mortes na Grande SP e Baixada Santista
    Governo precisa proteger policiais, diz ex-secretário
    Há um ciclo vicioso de violência, afirma professor
    Alckmin faz ‘jogo de empurra’, diz ministro da Justiça

    De acordo com a polícia, um Fox com dois ocupantes parou em frente à padaria, na rua José Barros Magaldi, 1.180, por volta das 21h. Um deles desceu com um fuzil e disparou contra o policial Flavio Adriano do Carmo, 45. O PM foi atingido no tórax e na cabeça

    O PM chegou a ser socorrido ao pronto-socorro do Campo Limpo, mas não resistiu aos ferimentos. Carmo, que estava na PM desde 1996, pertencia ao 3º Batalhão do Choque. Ele era casado.

    O caso foi registrado no 92º DP (Parque Santo Antônio).

    Com este caso, subiu para 84 o número de PMs mortos desde o começo do ano. Do total, 67 PMs eram da ativa e 17 da reserva.

    Curtir

  13. 14/10/2012 07h41 – Atualizado em 14/10/2012 11h16
    Três morrem durante assalto a transportadora de valores em SP
    Prédio em Santo Amaro, na Zona Sul, foi invadido na madrugada.
    Criminosos entraram pela rede de esgoto e cavaram túnel.
    Tatiana Santiago
    Do G1 SP

    10 comentários

    Sacos de dinheiro foram encontrados dentro do ônibus usado no assalto (Foto: Tatiana Santiago/G1)
    Um assalto a uma empresa de transporte de valores, na madrugada deste domingo (14), terminou com três suspeitos mortos e um quarto preso na região de Santo Amaro, na Zona Sul de São Paulo. Segundo a Polícia Militar, pelo menos quatro criminosos invadiram a sede da empresa e roubaram o cofre após cavarem um túnel pela rede de esgoto. A Protege, localizada na Rua Laguna, foi invadida por volta da 1h20. Até as 10h, ninguém da empresa foi encontrado para comentar o assunto.

    Fundo falso de ônibus era usado para saída e
    entrada de assaltantes (Foto: Tatiana Santiago/G1)
    De acordo com a PM, os criminosos estavam em um ônibus e o veículo foi estacionado na Avenida Professor Alceu Maynard Araújo, na altura da Avenida das Nações Unidas, sobre uma boca de lobo. O ônibus tinha fundo falso, o que permitiu que os assaltantes entrassem pela rede de esgoto e cavassem o túnel sem serem vistos até a Rua Luís Seraphico Júnior.
    O sistema de vigilância da empresa detectou a invasão do cofre e acionou a polícia. Quando os criminosos deixavam a empresa, foram surpreendidos com a chegada da PM e houve troca de tiros. No tiroteio, dois suspeitos foram atingidos. Eles foram socorridos ao Pronto-Socorro Campo Limpo, mas morreram no local.

    Sede da empresa fica em Santo Amaro, na Zona
    Sul de São Paulo (Foto: Tatiana Santiago/G1)
    Um terceiro suspeito, que estava vestido com roupa de mergulho, tentou entrar pelo fundo falso do ônibus e foi atropelado pelos próprios assaltantes. Ele foi levado ao Pronto-Socoro de Santo Amaro, mas não resistiu aos ferimentos.
    O quarto homem ficou dentro do ônibus e os policiais tentaram negociar sua rendição por cerca de duas horas. Como ele não se rendeu, os policiais jogaram uma bomba de gás lacrimogêneo no veículo e o renderam. O homem não ficou ferido.
    No ônibus, foram apreendidos um fuzil, uma pistola, alguns carregadores e dinheiro. A quantia roubada não foi informada. O caso será registrado no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

    TOMARAM NO CU pcc e psdb di bosta

    Curtir

  14. ESSES LIXOS DO psdb ESTÃO TRAVESTIDOS DE POLÍTICOS, MAS NA VERDADE É UMA CORJA DE BANDIDOS. QUEM É O RECOLHA DO psdb? UM TAL DE PAULO PRETO! ESSES ROUBOS A BANCO , CARRO FORTE E EMPRESAS DE SEGURANÇA É PARA FINANCIAR CAMPANHAS ELEITORAIS, DINHEIRO PARA COMPRAR VOTOS, SÃO TODOS DA MESMA PANELA pcc e psdb. CADÊ OS ÓRGÃOS DE SEGURANÇA FEDERAIS PARA DAR UM BASTA NESSA FACÇÃO. SERÁ QUE A ABIN NÃO SABE DISSO? FAZ 20 ANOS QUE O psdb GOVERNA SP E FOI AI QUE NASCEU O pcc. O QUE O GOVERNO DO psdb, TANTO SERRA COMO ALCKIMIM FIZERAM, DESTRUIRÃO AS POLICIAIS, SUCATEARAM AS POLICIAS , PAGAM SALÁRIOS DE FOME PARA OS POLICIAIS, ACABARAM COM AS INVESTIGAÇÕES, FECHARAM DELEGACIAS, PRATICARAM BARBARIDADES CONTRAS AS POLÍCIAS E ASSIM O PCC PODE AGIR SEM SER INCOMODADOS E HOJE É O PODER PARALELO COM PODER DE FOGO QUE MUITOS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA NÃO POSSUEM, TEM DINHEIRO, TEM UM EXÉRCITO DO CRIME AO SEU COMANDO, ALGUNS CHEFES DO pcc ESTÃO SEGUROS EM SEUS ESCRITÓRIOS DENTRO DOS PRESÍDIOS E DE LÁ COMANDAM AS MORTES. O PCC E PSDB SÃO ALIADOS, POR ISSO QUE SÃO INTOCÁVEIS, SÃO PROTEGIDOS PELO GOVERNO PAULISTA. UM BANDO DE CANALHAS. QUANDO A POLÍCIA MATA BANDIDOS DO pcc O GOVERNO ACHA RUIM E PEDE APURAÇÃO RIGOROSA CONTRA AS POLÍCIAS, ELES ESTÃO DO LADO DOS BANDIDOS E NÃO DA SOCIEDADE.

    Curtir

  15. Duas menores são pegas com 11kg de droga
    Garotas, de 15 e 12 anos, saíram de Campo Grande (MS); polícia apura se PCC usou as adolescentes
    RAONI ZAMBI – CAMPINAS

    Raoni Zambi | TodoDia Imagem

    Tijolos de maconha apresentados pela Polícia Militar, que foram apreendidos com as duas menores
    A Polícia Civil de Campinas investiga o uso de menores de idade pelo PCC (Primeiro Comando da Capital) como “mulas”, gíria utilizada no meio policial para designar pessoas que transportam droga. Ontem, por volta das 12h, duas menores de idade foram apreendidas com 11 quilos de maconha no Jardim Itatinga, conhecido por ser uma área de prostituição e por estar sob influência da facção criminosa.
    A PM (Polícia Militar), em patrulhamento pela Rua Caiuás com a Rua Eldorado, viu duas garotas, de 15 e 12 anos, carregando malas. As garotas, ao verem a viatura, ficaram nervosas. Os policiais resolveram abordá-las e fazer uma busca. A maconha encontrada estava em forma de tijolos e enrolada em fitas adesivas.

    CAMPO GRANDE

    As duas contaram que moram em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, e que foram contratadas por uma mulher para trazer a droga até Campinas. Elas contaram também que receberiam R$ 1,5 mil para fazer o transporte. As adolescentes relataram que é a primeira vez que participavam do esquema e que vieram de carona.

    De acordo com o relato das meninas aos policiais militares, a viagem de Campo Grande até Campinas começou anteontem, às 13h. Os investigadores agora irão apurar se a história contada é verdadeira.

    FAMÍLIA

    A polícia entrará em contato com familiares das meninas. Caso não seja possível, elas deverão ser encaminhadas para a UIP (Unidade de Internação Provisória) de Campinas, pelo fato de serem menores de idade. Uma delas apresentou documento no qual é apontado que ela tem necessidades especiais.

    No 1° Distrito Policial, onde foi feito o Boletim de Ocorrência, as garotas contaram que não sabiam quem as recrutou para fazer a entrega. “A gente não sabe de nada. Uma mulher nos chamou e pronto. Aceitamos por causa do dinheiro e viemos de carona com caminhoneiros”, disse a mais velha.

    Um dos policiais militares que participou da ação contou que não é comum encontrar menores de idade de outros Estados transportando droga para Campinas. “O que surpreende é a idade delas, são muito jovens e podem não saber direito com quem estão se envolvendo. O valor da droga apreendido é considerado alto para os traficantes. É uma pena ver esse tipo de situação”, disse.

    OUTRO CASO

    A auxiliar de limpeza E. C. S., 23, foi presa ontem em flagrante por tráfico de drogas ao tentar entrar com um tijolo de maconha no CDP (Centro de Detenção Provisória), na Rodovia Jornalista Francisco Aguirre Proença (SP-101). Na revista as agentes encontraram a droga. A acusada relatou que estava sendo coagida a entrar no local com a maconha.

    Curtir

  16. Antes o esquadrão da morte agindo do que o Brasil na mão dos bandidos, é um antídoto necessário, pois o esquadrão da morte já existe e faz tempo, apenas para os pobres. O governo do estado de São Paulo reconhece necessidade da construção de 15 presídios ao ano para recolher todos fora da lei que estão nas ruas , então, isso prova que não existe intensão de prender os fora da lei e sim deixando eles atentando contra a dignidade da sociedade honesta e trabalhadora, dentre eles estão os políticos ladrões. É proposital a ação do do governo. A Polícia trabalha com as ferramentas disponíveis pelo governo, ele fornece pouco para prender pouco, até parece que é a polícia a culpada, mas não é, a polícia prende o pouco que consegue e o judiciário solta, a polícia prende novamente e o judiciário solta. A verdade é que a polícia enxuga gelo quando prende esses poucos. Se tivéssemos exemplos saudáveis vindo da classe dominante ai sim teríamos como cobrar bom comportamento dos menos favorecidos, mas não temos, os maiores ladrões são da classe rica, por sinal a classe política dão péssimos exemplos, temos todos tipos de denuncias de pessoas que conseguem se eleger e na verdade são bandidos que aproveitam o cargo para saquear os cofres públicos, dai vem os ensinamentos para os menos favorecidos para fazer igual, ou seja roubar, claro que o ladrão pequenos rouba a diretamente a sociedade utilizando violência física requintes de crueldade, mas não é muito diferente daquele senador , deputados, governador, prefeito que roubam também não, eles matam aqueles que estão nas filas dos hospitais esperando um médico que a administração não contratou, ele morre por falta do remédio que o político roubou, ele morre pela falta de educação que o político roubou dele, ele morre pela falta de segurança pública que o político roubou, ele morre pela falta de transporte público que o político roubou, ele morre pela falta de moradias que o político roubou,ele morre porque não pode trafegar nas rodovias, pois não tem dinheiro para pagar os pedágios porque o político esta lá para lhe roubar, enfim ele morre pela falta de esperança que o político lhe roubou.
    Porque não a pena de morte no Brasil? Quem seria os primeiros a irem para o corredor da morte? Eles fariam as leis contra eles mesmo?

    Curtir

  17. Imagem 138/138: 14.out.2012 – O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), se limpa depois de ser atingido por um copo de café atirado por uma mulher quando participava de uma caminhada de apoio ao candidato do PSB à Prefeitura de Campinas, Jonas Donizette, no bairro Ouro Verde. No ato, ele fez críticas ao PT, que disputa com Donizette, cujo vice na chapa é o tucano Henrique Magalhães Teixeira, o segundo turno das eleições.
    QUE PENA , FOI APENAS UM COPO DE CAFÉ, DESPERDÍCIO.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Curtir

  18. 15/10/2012 – São Paulo: O Estado novamente sob ataque
    Autor:
    Por Juvenal Marques Ferreira Filho

    A dicotomia antagônica – contra fatos não há argumentos – parece ser desconhecida do governo do Estado de São Paulo. O morticínio de quase 100 policiais militares e de aproximadamente 3.000 civis, não vou precisar os números uma vez que nesse momento a estatística pode ter subido, não são suficientes para que o governo admita que esteja sob ataque do crime organizado. Aliás, a tônica do governo, desde a origem da facção PCC no ano de 1994, foi sempre a da negação. Primeiro a facção não existia, depois não era organizada, e por derradeiro não controla o crime no Estado de São Paulo.
    Segundo Freud – A Negação é a tentativa de não aceitar na consciência algum fato que perturba o Ego. Noutras palavras – A Negação é a forma que o consciente se utiliza, quando se depara com um problema para o qual não encontra solução ou contraria aquilo que se quer acreditar. Diante do topor causado pelas ações contundentes do crime, o discurso apresentado tem sido de que – as execuções são uma reação do crime as ações da política de segurança pública adotada. Embora não no sentido de que o governo quer fazer a população crer, realmente esses ataques covardes são sim uma reação a falta de política de segurança vigente há muitos anos neste Estado. O mote de que a política de segurança está no rumo certo tem sido repetido insistentemente pelo governo, na tentativa de incutir na mente da população uma verdade forjada. Um certo regime político que surgiu na Europa nos anos de 1930 criou um ministério de propaganda, cuja filosofia se baseava na idéia de que – uma mentira repetida várias vezes obtém credibilidade de uma verdade. Infelizmente a sociedade, numa letargia incrível, a imprensa, essa por motivação política ou comercial e órgãos de fiscalização do Estado, dependentes financeiramente do poder executivo, nada tem feito para obrigar o governo a mudar o rumo do modelo de segurança adotado. O caos não se instala de uma hora para outra. O processo é por vezes lento, contínuo e silencioso. No Estado de São Paulo não foi diferente.

    Os equívocos, propositais ou decorrentes da incompetência, vêm há muitos anos com a escolha de pessoas sem o conhecimento exigido para chefiar a segurança pública e a administração penitenciária. Os erros crassos cometidos na administração penitenciária são inacreditáveis, desde a negação da existência dessa organização, com absoluta omissão na sufocação desse organismo, quanto pela propagação da facção com a distribuição de suas lideranças por presídios de todo o Estado. A metástase do tumor cancerígeno não enfraquece a doença, pelo contrário, mata o doente. As decisões desastrosas na administração conduzem a constatação da total incapacidade dos diversos titulares da pasta. Na segurança pública, no entanto, se resolveu adotar uma política militarista, a começar com a escolha de vários secretários oriundos do oficialato da polícia militar, que apostaram na doutrina do confronto com morte.

    Nesse diapasão a polícia militar amealhou investimentos na dotação de armamentos e aumento nominal de efetivo. Digo nominal, porque na prática houve uma dispersão de policiais militares em várias outras áreas, a disposição de secretarias, do Ministério Público e tantos outros órgãos. Aliás, a polícia militar passou a se constituir braço armado do MP, que hoje faz investigação, a bem da verdade somente no varejo midiático, e inclusive representa em juízo pela expedição de Mandados de Busca a serem cumpridos pelos milicianos. Tudo ao arrepio do arcabouço jurídico nacional. Alegam ser necessário uma flexibilização na interpretação da lei a pretexto da defesa da sociedade. Nesse particular faço um parêntese – a grande maioria dos regimes de exceção surgiu com a interpretação conveniente da lei em favor daqueles que alegaram querer proteger a sociedade civil. Num passado não muito distante podia se avistar policiais em dupla policiando as ruas, comércio e até em salões de bailes havia um policiamento preventivo, bem diferente do que ocorre hoje, embora o governo diga que a polícia esta fazendo seu trabalho.

    A grande indagação é qual polícia e qual trabalho? A polícia militar há muito deixou de ser preventiva, se constituindo numa polícia de embate. Quando digo polícia de embate, não quero absolutamente dizer que esse não deva ocorrer quando necessário, muito pelo contrário. Mas não se pode olvidar da função constitucional de policiamento preventivo da polícia militar, que ultimamente tem tentado substituir a polícia civil com arremedo de investigações e prisões no varejo para reforço das estatísticas do governo. Engana-se a sociedade com altos índices de prisões de pequenos traficantes espalhados pelas vielas da periferia, enquanto não há uma efetiva investigação sobre quem financia, importa e distribui a droga no Estado. Confundem inteligência policial com o simples ato de fazer escutas telefônicas e, ainda divulgam na mídia como obtiveram as informações. Esses amadores prestam um grande desserviço à sociedade. A Inteligência Policial deve subsidiar a polícia com informações, não somente para o direcionamento do policiamento preventivo em áreas específicas, como também para o conhecimento das organizações criminosas, liderança e organograma, área de atuação, logística, etc., que auxiliarão sobremaneira na investigação do crime, quando a prevenção falhar. Portanto, a Segurança Pública de qualquer Estado deve, no mínimo, se basear no tripé – Inteligência Policial, Policiamento Preventivo e Polícia Investigativa. Evidentemente essas atividades devem ser desempenhadas pelas polícias com suas competências delimitadas, devidamente estruturadas, aparelhadas e treinadas para o exercício de seu mister.

    A Polícia Civil de São Paulo, cujo papel constitucional é a investigação, foi, por sua vez, sistematicamente sucateada. Nos últimos anos os poucos concursos realizados não preencheram nem as vagas decorrentes de aposentadorias e exonerações. As instalações das delegacias são péssimas, há carência material e de funcionários. Em decorrência disso e do aumento exponencial da população de São Paulo, as poucas equipes de investigação nos distritos policiais não conseguem investigar nem 10% dos boletins registrados. A polícia que tem por função constitucional investigar, hoje mal consegue cumprir os expedientes decorrentes dos procedimentos e requisições judiciais. Não bastasse tudo isso, a falta de uma política salarial para valorização das polícias, tanto civil como militar, empurrou seus integrantes para as periferias das cidades, com muitos destes morando em favelas, tornando os policiais reféns da marginalidade. O resultado não poderia ser outro. Expostos, desmotivados e acuados, os policiais passaram a serem alvos do crime organizado. Esses fatos em outro país teriam gerado apuração de responsabilidade.

    O problema grave que se instalou no Estado é decorrente da incompetência e da falta de política de segurança. O governo está aturdido e não sabe o que fazer, e se defende negando o óbvio ululante, com declarações do tipo: – “O PCC, que alegavam não existir, não domina os presídios e o crime organizado”, “O PCC não está por trás das mortes de policiais”, “Não há grupos de extermínio compostos por policiais militares”, “Os casos pontuais de confronto são frutos da reação do crime pelas excelentes ações na área de segurança pública”.

    O governo precisa urgentemente elaborar e implementar ações efetivas na adequação das polícias ao cenário de violência que impera no Estado de São Paulo. Isso exige investimento real na contratação de policiais, treinamento e aparelhamento dos agentes que defendem a sociedade, com um salário digno e compatível com o risco de morte, até que para que se apresentem candidatos capacitados dispostos a abraçar uma carreira com tantos perigos. A Colômbia somente reverteu os altos índices de criminalidade com aplicação de parte do PIB em segurança pública. Os policiais colombianos passaram a ter um salário compatível com o risco enfrentado, inclusive com a construção de condomínios exclusivos para os policiais, a fim de evitar que suas famílias se tornassem reféns da criminalidade vizinha. Os motociclistas obrigatoriamente têm inscrito a placa do veículo nos capacetes. Essas e outras ações são frutos de um plano de segurança pública levado a sério no país vizinho.

    São Paulo necessita de um pacto contra a criminalidade e de uma política de segurança elaborada por profissionais envolvidos diretamente no combate ao crime. Basta de planos de segurança politicamente corretos elaborados por sociólogos, psicólogos, promotores, advogados, etc. Não obstante valorosos, esses profissionais devem se ater a sua área de atuação.

    Os índices de mortes diárias em São Paulo têm superado países em guerra. A polícia está sendo caçada por criminosos que tem instruções de matar policiais na frente de suas famílias. A tropa está se sentindo encurralada e abandonada pelo comando. Ninguém se engane, a reação virá, ainda que na forma de esquadrões da morte. Aliás, as últimas ocorrências de chacinas indicam que caminhamos para a barbárie, não àquela do “olho por olho”, mas a que sanciona “dez mortes por cada vida tirada”.

    São Paulo, o Estado novamente sob ataque.

    O autor é bacharel em direito pela Faculdade Católica de Direito de Santos. Ingressou na carreira policial em 1980 como Soldado da Polícia

    Militar de São Paulo, onde alcançou a graduação de 2º Sargento. Em 1989 assumiu o cargo de Investigador de Polícia, tendo exercido a

    função até aprovação no concurso para Delegado de Polícia em 1994. Contato por e-mail: juvenalmarques2010@gmail.com .

    Curtir

  19. 16/10/2012 18:48
    Anistia administrativa aos policiais civis pela greve de 2008
    Da Redação

    O Projeto de Lei 596/2012, de autoria do deputado José Bittencourt (PSD), propõe anistia administrativa aos policiais civis do Estado de São Paulo participantes da greve realizada de 16/09/2008 à 13/11/2008.
    Segundo Bittencourt, a justa reivindicação de melhoria na estrutura de trabalho e de aumento salarial motivou dezenas de paralisações e manifestações, sendo que alguns líderes do movimento chegaram a ser presos administrativamente, mas logo liberados.
    Associações e sindicatos ligados aos servidores, entretanto, ainda são réus em ações movidas pelo Estado, que pleiteia indenização por danos materiais em razão da paralisação. “Visamos, com este projeto, sanar injustiças cometidas contra servidores públicos que se manifestavam por estarem insatisfeitos com a omissão do Estado em garantir uma estrutura básica para o trabalho e remuneração digna”.

    Curtir

  20. A sessão solene proposta pelo deputado Itamar Borges lotou o plenário e homenageou 31 policiais civis de diversas carreiras

    Em sessão solene de comemoração ao “Dia da Polícia Civil” foi realizada na noite desta segunda-feira (15), no Plenário Juscelino Kubitscheck de Oliveira, uma grande homenagem à Polícia Civil de São Paulo pelo reconhecimento dos serviços judiciários prestados à população paulista. O evento aconteceu na Assembleia Legislativa, zona sul da Capital. A sessão foi uma iniciativa do deputado estadual, Itamar Borges.

    Pelo menos 500 pessoas participaram da homenagem que contou com a presença do secretário da Segurança Pública de São Paulo, Antônio Ferreira Pinto; da delegada geral de polícia em exercício, Ana Paula Batista Ramalho Soares, que na oportunidade representou o delegado geral, Marcos Carneiro Lima; do comandante geral da PM, coronel Roberval Ferreira França; do deputado estadual, Itamar Borges e dos deputados federais, Arnaldo Faria de Sá e Protógenes Queiróz.
    Vale destacar ainda a presença de vários delegados de polícia e membros do Conselho da Polícia Civil, além de líderes de entidades policiais, autoridades civis, militares e convidados.
    Os trabalhos de abertura foram comandados pelo presidente da Assembleia Legislativa, Barros Munhoz que após o inicio da sessão, transferiu a presidência para o deputado Itamar Borges.
    No comando, o deputado proponente da sessão solene, Itamar Borges destacou o mérito e a importância da homenagem e falou do seu carinho e respeito pela Polícia Civil do Estado de São Paulo.
    Em seu discurso, o secretário Ferreira Pinto exaltou o trabalho da Polícia Civil: “ Eu tenho a honra de conviver com os senhores, de aprender e de conhecer homens vocacionados que prestam relevantes serviços para a nossa sociedade. Esta é realmente a melhor polícia do Brasil, inegavelmente”.
    “Esta é uma noite muito especial, que a Assembleia, por meio do deputado Itamar Borges, presta esta homenagem à Polícia Civil. Estou muito feliz e quero parabenizar a todos os policiais civis pela determinação e pelo empenho no combate a criminalidade”, disse a delegada geral em exercício, Ana Paula Ramalho.
    Por fim, foram homenageados 31 policiais com a entrega de uma placa alusiva para delegados, investigadores, escrivães, agentes policiais e carcereiros que representaram toda a instituição.

    Curtir

  21. O Estado de s. Paulo

    Rifa de R$ 20 do PCC sorteia 4 carros 0km

    A polícia apreendeu na sexta-feira, 15, três blocos de uma rifa do Primeiro Comando da Capital (PCC). Eles estavam na casa de Julio Cesar Bicho, de 34 anos, um dos principais ladrões de banco de São Paulo. Os bilhetes, que custam R$ 20 cada, prometem aos sorteados quatro carros 0km como prêmio. Vendida por integrantes que estão fora dos presídios, a rifa é uma das formas de arrecadação de recursos usada pela facção criminosa.
    A rifa achada na casa de Bicho, na Vila Matilde, zona leste, aponta como primeiro prêmio um veículo Kia Soul. Segundo os bilhetes, também serão sorteados dois Gols e um Uno Mille. Além dos bilhetes, agentes da 5.ª Delegacia do Patrimônio (Roubo a Banco) do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) encontraram relógios de grife, roupas, celulares, rádios e um notebook. Ainda foi apreendido um Citroën C3.
    Responsável por 17 roubos a banco na capital apenas neste ano, Bicho foi preso quando saía de casa na tarde de sexta. Ele ainda tentou enganar os agentes, apresentando carteira de habilitação em nome de outra pessoa. As investigações, porém, já traziam imagens da atuação do criminoso em diversos assaltos. Em um dos casos, ele apontou a arma para a boca de um gerente.

    Curtir

Os comentários estão desativados.