1. Quem trabalha na polícia no Brás ou no Brasil sabe o quanto é difícil para o policial. Se corta o capim, mas este volta a crescer. Patrulhei muito o Brás em 1999-2000, naquela época, a gente sabia que os “donos do pedaço” eram os políticos da prefeitura paulista, PT por sinal, e o chinês Law Kin Chong, o qual teve almoço com o SSP Marco V. Petrelluzzi. Início da era Alckmin. De lá pra cá o que mudou? Nada. Demitiram o chinês para colocar o PCC.

    Hoje quando termino um flagrante, tem preso que me pergunta se ele pode ir para um presídio chefiado pelo PCC. Pois é, o Bras(il) está indo bem. E se o Lula voltar? Talvez, o DP tenha que pagar o aluguel.

    Curtir

    • Quanta preocupação com “ética”… Já ouviu o ditado muito antigo que diz em “Casa que falta pão…” ???
      Sistema penitenciario (com os tais novos “policiais penais”) é uma vergonha… Dá até a sensação que em certos casos alguns desses novos “cops” empurram o detentor para a “sindicalização”… Tem comissão? E celular que é aprendido pelos novos “cops” e dias depois reaparece em nova revista, e reaperece, e reaparece…?
      Você acha que só polícia ganhando bem (supondo que Boolsonaro ou seus paus-mandados seja(m)capaz(es) disso) melhora nível de civilidade nacional? Veja o exemplo da PRF? Uns bárbaros bem pagos aterrorizando periferia…
      E como admitiu o Bozo: na época do Lula sobrava pra cerveja e pro churrasco… Nunca votei nele, mas agora é a minha vez de errar…Tome 13!

      Curtir

  2. Policia de SP não tá tendo grana nem pra abastecer o possante. Conheço colega que nunca foi de busão pro trampo e hj tá indo e ainda levando marmita com arroz e zoiudo… e tá falando mal da era Lula! Pelo menos a gasosa era mais barata e o PF tinha preço mais honesto! Volta Lulão! Kkkk podem me xingar ! Kkkkk volta Lulão! Kkk pimeiro turno aguardo o Lulão kkkk!

    Curtir

  3. Pesquisa Datafolha de 26 de maio para presidente por sexo, cor, idade, escolaridade, renda, região e religião
    Confira os números da pesquisa por segmento. Levantamento foi divulgado na quinta-feira (26).
    Por g1

    27/05/2022 09h06 Atualizado há um dia

    Curtir

  4. Bolsonaro tem o que dizer na TV?

    Fernando Brito 30/05/2022 2:30 pm

    Os jornais anunciam que Jair Bolsonaro já gravou parte de suas inserções na programação aberta de rádio e televisão e que elas teriam como eixo ataques a Lula e aos governos petistas.

    Se for mesmo assim, mais uma “bola fora” de um presidente que, como mostra a Folha de hoje, projeta a imagem de desinteressado para com o sofrimento do povo brasileiro, quando se diz que ele “enforca dias úteis e faz do lazer uma rotina em governo mal avaliado“.

    Só se for muito mal assessorado – ou não ouvir o óbvio – porque só marcará o óbvio, para os poucos que não o perceberam: quem o amedronta é Lula.

    E de que Bolsonaro vai falar?

    Bem, certamente do “Auxílio Brasil”, com que pretendeu reverter sua má situação entre as camadas mais pobres da população. Vai mal aí, como mostrou o Datafolha, ao registrar que, neste segmento, o atual presidente perde de 3 votos por um de Lula.

    E isso se deve, em boa parte, à falta de empatia de Bolsonaro com os pobres. Seu “popular” é o chulo, o agressivo, o desqualificado, não o solidário, o emocional, o humano.

    Dificilmente Bolsonaro deixará de falar de si próprio e do quanto sofre de “perseguição” e “sabotagem”, para explicar o seu fracasso administrativo. É natural para quem cuida do poder como um bem pessoal, não um projeto político coletivo.

    É discurso que só se presta a seus apoiadores, a turma do “não deixam o homem trabalhar” ou que houve e há uma grande conspiração contra o atual mandatário. Com tanto poder, fazer-se de vítima é outra estratégia inconvincente.

    Fará mal negócio se tentar terceirizar a responsabilidade da inflação e do preço alto dos combustível com o “fica em casa”, a guerra na Ucrânia ou o imposto dos estados. Isso não deu certo hora alguma e não seria agora que ia dar.

    Em resumo: de quase nada adiantarão as aparições de Bolsonaro nas redes de televisão aberta. Ele não tem o que mostrar, não tem o que dizer e não tem o que prometer.

    Curtir

  5. S
    ECONOMIA
    FOLHA
    ESPORTE
    SPLASH
    UNIVERSA
    VIVABEM
    TILT
    ECOA
    CANAL UOL
    MOV
    NOSSA
    TAB
    PESQUISAS ELEITORAIS
    PESQUISAS ELEITORAIS
    Pesquisa BTG/FSB: sem Doria, Lula vai a 46%; Bolsonaro tem 32%, e Ciro, 9%

    Do UOL, em São Paulo

    30/05/2022 08h05Atualizada em 30/05/2022 13h28

    Pesquisa BTG/FSB divulgada hoje aponta o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como líder na disputa presidencial, com 46% das intenções de voto, e o atual presidente Jair Bolsonaro (PL) em segundo lugar, com 32%, no cenário principal com 11 pré-candidatos. O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) aparece na terceira posição, com 9%. Esse resultado é para o levantamento estimulado, quando os entrevistados recebem uma lista prévia de nomes de pré-candidatos.

    A senadora Simone Tebet (MDB) ficou com 2%, enquanto o deputado federal André Janones (Avante) teve 1%. Leonardo Péricles (UP), o deputado federal Luciano Bivar (União Brasil), Sofia Manzano (PCB), a sindicalista Vera Lucia (PSTU), José Maria Eymael (DC) e o cientista político Felipe D’Avila (Novo) foram citados, mas, por arredondamento, não chegaram a 1%. Como a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, esses oito candidatos estão tecnicamente empatados.

    PUBLICIDADE

    RELACIONADAS

    Programa de Simone Tebet terá ‘Lei de Responsabilidade Social’ de Tasso

    Bolsonaro pauta agenda externa com foco em sua reeleição

    Lula pede votos para Boulos no evento de pré-candidatura do psolista
    Acompanhe o Radar das Eleições, novo videocast com informações de bastidores, análises de candidaturas e das pesquisas de intenção de voto
    Brancos e nulos foram 2%, enquanto 5% disseram que não votariam em nenhum candidato. Não sabem ou não responderam 1%.

    A pesquisa mostra que existe possibilidade de vitória de Lula ainda no 1º turno. Considerando a margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos, o petista varia entre 44% e 48%, enquanto a soma dos adversários do ex-presidente varia de 42% a 46%.

    Considerando apenas votos válidos —exclui-se brancos, nulos e não sabem —Lula fica, pela margem de erro, entre 48% e 52%. Desta forma, a pesquisa aponta possibilidade do petista vencer as eleições em primeiro turno. Para ser vencedor no primeiro pleito, segundo a lei das eleições do TSE, o candidato precisa de 50% mais 1 dos votos válidos.

    Os resultados da pesquisa de hoje não são comparáveis com a rodada anterior, divulgada em abril, já que houve mudança nas opções apresentadas aos entrevistados. Entre as alternativas, não constou mais o nome do ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB), que deixou a corrida presidencial.

    Em abril, Lula tinha 41% das intenções de voto. Bolsonaro e Ciro registraram a mesma pontuação de hoje: 32% e 9%, respectivamente. Janones ficou com 3%, e Tebet e Vera Lucia, 1% cada. Os demais pré-candidatos não pontuaram.

    A pesquisa ouviu 2.000 eleitores de 16 anos ou mais entre os dias 27 e 29 de maio. As entrevistas foram feitas por telefone. O índice de confiança do levantamento é de 95%. A pesquisa foi feita pelo Instituto FSB, contratada pelo banco BTG Pactual e registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número de protocolo BR-03196/2022.

    Veja a seguir os cenários testados para 1º turno
    Cenário principal:

    Lula (PT): 46%
    Bolsonaro (PL): 32%
    Ciro Gomes (PDT): 9%
    Simone Tebet (MDB): 2%
    André Janones (Avante): 1%
    Leonardo Péricles (UP): 0%
    Luciano Bivar (União Brasil): 0%
    Sofia Manzano (PCB): 0%
    Vera Lúcia (PSTU): 0%
    José Maria Eymael (DC): 0%
    Felipe D’Ávila (Novo): 0%
    Nenhum: 5%
    Branco/nulo: 2%
    Não sabe/não respondeu: 1%
    Cenário 1:

    Lula (PT): 41%
    Bolsonaro (PL): 31%
    Ciro Gomes (PDT): 13%
    Eduardo Leite (PSDB): 3%
    André Janones (Avante): 2%
    Simone Tebet (MDB): 2%
    Branco/nulo/nenhum: 7%
    Não sabe/não respondeu: 2%
    Cenário 2:

    Lula (PT): 44%
    Bolsonaro (PL): 32%
    Ciro Gomes (PDT): 10%
    Simone Tebet (MDB): 3%
    Tasso Jereissati (PSDB): 1%
    André Janones (Avante): 1%
    Branco/nulo/nenhum: 8%
    Não sabe/não respondeu: 1%
    Pesquisa espontânea
    Na pesquisa espontânea, quando os entrevistados não recebem uma lista prévia de pré-candidatos, Lula lidera com 41% das intenções de voto. Bolsonaro tem 29%. Ciro ficou com 3%, e Tebet e D’Avila, 1% cada. Os entrevistados que citaram outros pré-candidatos foram 2%.

    Veja o resultado a seguir:

    Lula (PT): 41%
    Bolsonaro (PL): 29%
    Ciro Gomes (PDT): 3%
    Simone Tebet (MDB): 1%
    Felipe D’Avila (Novo): 1%
    Outros: 2%
    Nenhum: 6%
    Branco/nulo: 3%
    Não sabe/não respondeu: 13%
    Simulações de 2º turno
    A pesquisa BTG/FSB também fez a simulação de dez cenários para o segundo turno da corrida ao Palácio do Planalto. Lula vence em todos os cenários em que está presente, enquanto Bolsonaro perde para Ciro e empata, dentro da margem de erro, com Jereissati, Leite e Tebet.

    Cenário 1:

    Lula (PT): 54%
    Bolsonaro (PL): 35%
    Não voto: 10%
    Não sabe/não respondeu: 1%
    Cenário 2:

    Lula (PT): 49%
    Ciro Gomes (PDT): 27%
    Nenhum: 15%
    Branco/nulo: 8%
    Não sabe/não respondeu: 1%
    Cenário 3:

    Lula (PT): 54%
    Eduardo Leite (PSDB): 24%
    Nenhum: 15%
    Branco/nulo: 7%
    Não sabe/não respondeu: 1%
    Cenário 4:

    Lula (PT): 53%
    Simone Tebet (MDB): 24%
    Nenhum: 14%
    Branco/nulo: 8%
    Não sabe/não respondeu: 1%
    Cenário 5:

    Lula (PT): 55%
    Tasso Jereissati (PSDB): 20%
    Nenhum: 15%
    Branco/nulo: 9%
    Não sabe/não respondeu: 1%
    Cenário 6:

    Ciro Gomes (PDT): 47%
    Bolsonaro (PL): 36%
    Nenhum: 12%
    Branco/nulo: 4%
    Não sabe/não respondeu: 1%
    Cenário 7:

    Bolsonaro (PL): 39%
    Tasso Jereissati (PSDB): 36%
    Nenhum: 18%
    Branco/nulo: 6%
    Não sabe/não respondeu: 1%
    Cenário 8:

    Bolsonaro (PL): 39%
    Eduardo Leite (PSDB): 38%
    Nenhum: 15%
    Branco/nulo: 6%
    Não sabe/não respondeu: 2%
    Cenário 9:

    Bolsonaro (PL): 39%
    Simone Tebet (MDB): 39%
    Nenhum: 16%
    Branco/nulo: 5%
    Não sabe/não respondeu: 1%
    A FSB Pesquisa é um instituto fundado em 2008 e ligado ao grupo FSB Comunicação, que presta serviços a empresas e órgãos públicos. A empresa realiza levantamentos sobre intenções de voto para presidente desde a eleição de 2010. Essas pesquisas são realizadas principalmente por meio de entrevistas feitas por operadores treinados a eleitores por telefone.

    Curtir

Os comentários estão desativados.