Maior litigante de má-fé do Brasil conta com a indulgência de dezenas de magistrados e suas bizarrices interpretativas…Tomando proveito da da miserabilidade ou “chicanagem” de quem advoga – muitos trapaceando – por remuneração dependente de êxito 56

FORAGIDO DA JUSTIÇA

Maior litigante individual do país, Bottura é alvo de mandado de prisão

28 de junho de 2022, 17h49

Conhecido como um litigante profissional,, o empresário Luiz Eduardo Auricchio Bottura foi alvo de uma operação da Polícia Civil de São Paulo nesta segunda-feira (27/6). Foram expedidos um mandado de prisão temporária contra Bottura e outros três de busca e apreensão em endereços ligados a ele.

ReproduçãoMaior litigante individual do país, Eduardo Bottura é alvo de mandado de prisão

O empresário ainda não foi localizado e, segundo informações colhidas pelos policiais, encontra-se fora do país. Ao todo, foram apreendidos três veículos, celulares e diversos documentos. 

A operação apura centenas de ações criminosas perpetradas por Bottura, o maior litigante individual do país, em concurso com pessoas do seu núcleo familiar e com auxílio de advogados e agentes públicos.

Segundo a Polícia, Bottura deu causa a aproximadamente três mil ações judiciais e extra judiciais infundadas, com a utilização de documentos falsos e chancelados por agentes públicos dotados de fé pública, alguns induzidos a erro e outros cooptados, utilizando-se do Poder Judiciário de maneira indevida para a obtenção de vantagem econômica.

Materiais apreendidos pela Polícia Civil de São Paulo em operação contra Bottura
Reprodução

Há notícia de mais de 500 vítimas dos crimes de Bottura. De uma única vítima, a polícia diz que houve a subtração de cerca de R$ 10 milhões, com posterior remessa do valor para o exterior, especialmente para o Uruguai, onde estaria depositado em instituições financeiras sem ter sido devidamente declarado às autoridades brasileiras.

Litigante serial
Bottura já foi condenado mais de 200 vezes por litigância de má-fé. São tantas as ações ineptas que a Justiça brasileira já formou até mesmo uma jurisprudência exclusiva sobre ele.

Foi criada até uma associação para ajudar as vítimas de processos movidos pelo empresário, chamada de Associação de Vítimas de Eduardo Bottura.

 

https://www.conjur.com.br/2022-jun-28/maior-litigante-pais-bottura-alvo-mandado-prisao

  1. Fachin reage a Braga: auditoria não é para ‘melar’ eleição

    Fernando Brito 01/07/2022 7:04 pm

    O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Edson Fachin, reagiu com dureza à declaração feita pelo general Walter Braga Netto a empresários de que “sem auditoria não tem eleição” ,

    “Ter eleições é obrigação de, periodicamente, ouvir cidadãs e cidadãos na escolha de seus representantes e governantes. Não é, em hipótese alguma, atividade cuja validade se condiciona à produção de um resultado que confirme a vontade isolada de um ou de outro ator político. Em 2022 haverá eleições livres, seguras e auditáveis”.

    “Não tem eleição” é coisa que só um ditador ou quem pretende sê-lo, sem mais.

    As palavras revelam as ideias, sr. general, e os “esclarecimentos”, em geral, tentam escondê-las.

    Braga Netto ficou desconfortável pela língua comprida, que o traiu revelando o que pensa e pretende: um golpe.

    Curtir

  2. Vc é incapaz de comentar qq matéria do Flit… Fala q não tem visão é fica replicando desesperadamente matérias do UOL. Quando uso sua justificativa do PQ vc vota toda vez na esquerda aí fica brava e se limita a dizer “é a lei”. Vergonha alheia de vc. Todos podem ler o UOL não precisa de vc ficar esse monte de groselha. Já chegou a levar uma no pé da orelha do Guerra e não aprendeu. Vc fez o mesmo nas eleições passadas. Bolsonaro ganhou. Vc morreu? Vc viu LGBTQIAZ ser perseguido? Perderem direitos conquistados? Nem vou continuar…

    Curtir

  3. Fator Lula decidirá disputas estaduais

    Fernando Brito 02/07/2022 10:33 am

    Muito mais importante que o desempenho dos candidatos a governador medido pelo Datafolha nos três mais populosos estado do país – SP, MG e RJ – é o traço comum das candidaturas alinhadas a Lula e às que (embora o escondam) se alinham a Jair Bolsonaro.

    Os percentuais obtidos por Fernando Haddad (líder em SP, com 34%); Freixo no Rio (em empate com Cláudio Castro, com 22%) e Alexandre Kalil, com 21% contra o bem avaliado governador de Minas, Romeu Zema, com 48%) contrastam fortemente com os índices obtidos por Lula (43%, 41% e 48%, respectivamente).

    Salvo por Fernando Haddad, cuja identidade com Lula se beneficia da campanha presidencial de 2018, os outros dois candidatos têm dificuldades em alcançar, até agora, uma identidade eleitoral com o ex-presidente. O alto grau de indecisão revelado pela pesquisa seria mais bem definido como desinformação.

    Mas não é só isso: prejudicam-se, e por culpa própria, as picuinhaS partidárias que atrasam o oferecimento à população da composição mais forte de nomes que poderiam alcançar. Só agora o PSB, depois de ter obtido quase todas as concessões do PT, ameaça – timidamente – aceitar que não terá chance sem uma unidade real com Lula.

    Não é o discurso para saber quem dará palanque a Lula nos Estados, mas o inverso: a quem Lula dará o seu significado nas disputas estaduais.

    Já do lado governista, a identidade com Jair Bolsonaro é algo que os candidatos – até mesmo Tarcísio de Freitas, um ilustre desconhecido em São Paulo – tentam evitar tanto quanto possível, pelos altos índices de rejeição do presidente. Consideram que já têm como certos os votos bolsonaristas e, portanto, não haveria porque espantar a maioria contrária ao “Mito”.

    Também neste caso, a campanha eleitoral é o “problema”.

    Curtir

  4. Caso Caixa desgasta Bolsonaro: ‘maldito sois vós entre as mulheres’

    Fernando Brito 05/07/2022 6:41 pm

    Jair Bolsonaro publicou, hoje cedo, um vídeo, sem maiores identificações, onde uma mulher, ao ver outra ser agredida, saca e aponta uma pistola para o agressor.

    Foi a senha para que seus seguidores passassem a dizer que, isto sim, era defender os direitos da mulher.

    Óbvio que foi uma tentativa de “responder” à misoginia que se escancara em seu governo, incendiada pelos episódios de assédio sexual protagonizados por seu amigo, o ex-presidente da Caixa Pedro Guimarães, a quem Bolsonaro evita criticar.

    Ainda hoje, no seu “cercadinho”, corrigiu-se de ter dito que Guimarães fora “afastado” da direção da Caixa para repetir que ele “pediu afastamento”.

    O problema é que o cidadão parece um poço sem fundo de encrencas, tendo todos os dias vazadas novas gravações que testemunham o comportamento equino que mantinha na gestão da empresa.

    E cada “patada” e xingamento que vem à tona, na sua própria voz, bem como os testemunhos pessoais que se multiplicam, vão minando a possibilidade que não se aceite como verazes as acusações de abuso que, digamos, “deram início à série”.

    Não creio que isso tenha maior influência sobre os eleitores e eleitoras que já se definiram por Bolsonaro – o desprezo às mulheres é crônico no bolsonarismo – mas é mortal para a necessidade do atual presidente em tirar a vantagem que Lula tem no eleitorado feminino, especialmente no Sudeste, que concentra 42% dos que votarão em outubro.

    De fato, a imensa vantagem de Lula sobre Bolsonaro entre o eleitorado feminino (49% a 21%, segundo o último Datafolha, compilado pelo jornal O Globo) é muito menos nos estados de São Paulo, Rio e Minas Gerais.

    A diferença de 28 pontos cai para 17 entre as mulheres de São Paulo, para 21 em Minas e para apenas 14 no Rio de Janeiro. justamente onde o noticiário tem mais repercussão.

    É aí que o Caso Caixa ajuda a manter e até a tornar Bolsonaro maldito entre as mulheres.

    Curtir

  5. Caso Caixa desgasta Bolsonaro: ‘maldito sois vós entre as mulheres’

    Fernando Brito 05/07/2022 6:41 pm

    Jair Bolsonaro publicou, hoje cedo, um vídeo, sem maiores identificações, onde uma mulher, ao ver outra ser agredida, saca e aponta uma pistola para o agressor.

    Foi a senha para que seus seguidores passassem a dizer que, isto sim, era defender os direitos da mulher.

    Óbvio que foi uma tentativa de “responder” à misoginia que se escancara em seu governo, incendiada pelos episódios de assédio sexual protagonizados por seu amigo, o ex-presidente da Caixa Pedro Guimarães, a quem Bolsonaro evita criticar.

    Ainda hoje, no seu “cercadinho”, corrigiu-se de ter dito que Guimarães fora “afastado” da direção da Caixa para repetir que ele “pediu afastamento”.

    O problema é que o cidadão parece um poço sem fundo de encrencas, tendo todos os dias vazadas novas gravações que testemunham o comportamento equino que mantinha na gestão da empresa.

    E cada “patada” e xingamento que vem à tona, na sua própria voz, bem como os testemunhos pessoais que se multiplicam, vão minando a possibilidade que não se aceite como verazes as acusações de abuso que, digamos, “deram início à série”.

    Não creio que isso tenha maior influência sobre os eleitores e eleitoras que já se definiram por Bolsonaro – o desprezo às mulheres é crônico no bolsonarismo – mas é mortal para a necessidade do atual presidente em tirar a vantagem que Lula tem no eleitorado feminino, especialmente no Sudeste, que concentra 42% dos que votarão em outubro.

    De fato, a imensa vantagem de Lula sobre Bolsonaro entre o eleitorado feminino (49% a 21%, segundo o último Datafolha, compilado pelo jornal O Globo) é muito menos nos estados de São Paulo, Rio e Minas Gerais.

    A diferença de 28 pontos cai para 17 entre as mulheres de São Paulo, para 21 em Minas e para apenas 14 no Rio de Janeiro. justamente onde o noticiário tem mais repercussão.

    É aí que o Caso Caixa ajuda a manter e até a tornar Bolsonaro maldito entre as mulheres.

    Curtir

  6. Caso Caixa desgasta Bolsonaro: ‘maldito sois vós entre as mulheres’

    Fernando Brito 05/07/2022 6:41 pm

    Jair Bolsonaro publicou, hoje cedo, um vídeo, sem maiores identificações, onde uma mulher, ao ver outra ser agredida, saca e aponta uma pistola para o agressor.

    Foi a senha para que seus seguidores passassem a dizer que, isto sim, era defender os direitos da mulher.

    Óbvio que foi uma tentativa de “responder” à misoginia que se escancara em seu governo, incendiada pelos episódios de assédio sexual protagonizados por seu amigo, o ex-presidente da Caixa Pedro Guimarães, a quem Bolsonaro evita criticar.

    Ainda hoje, no seu “cercadinho”, corrigiu-se de ter dito que Guimarães fora “afastado” da direção da Caixa para repetir que ele “pediu afastamento”.

    O problema é que o cidadão parece um poço sem fundo de encrencas, tendo todos os dias vazadas novas gravações que testemunham o comportamento equino que mantinha na gestão da empresa.

    E cada “patada” e xingamento que vem à tona, na sua própria voz, bem como os testemunhos pessoais que se multiplicam, vão minando a possibilidade que não se aceite como verazes as acusações de abuso que, digamos, “deram início à série”.

    Não creio que isso tenha maior influência sobre os eleitores e eleitoras que já se definiram por Bolsonaro – o desprezo às mulheres é crônico no bolsonarismo – mas é mortal para a necessidade do atual presidente em tirar a vantagem que Lula tem no eleitorado feminino, especialmente no Sudeste, que concentra 42% dos que votarão em outubro.

    De fato, a imensa vantagem de Lula sobre Bolsonaro entre o eleitorado feminino (49% a 21%, segundo o último Datafolha, compilado pelo jornal O Globo) é muito menos nos estados de São Paulo, Rio e Minas Gerais.

    A diferença de 28 pontos cai para 17 entre as mulheres de São Paulo, para 21 em Minas e para apenas 14 no Rio de Janeiro. justamente onde o noticiário tem mais repercussão.

    É aí que o Caso Caixa ajuda a manter e até a tornar Bolsonaro maldito entre as mulheres.

    Curtir

  7. Nem assim, Lira? ‘PEC Compra Voto’ fica para terça-feira

    Fernando Brito 07/07/2022 9:36 pm

    O medo de não ter votos suficientes para aprovar a “PEC Compra Voto” fez Arthur Lira recuar, quando a votação de um requerimento de encerramento de discussão (para abreviar a votação) foi aprovado por 303 votos a 91, com cinco votos a menos que o necessário para fazer o quorum qualificado de 308 votos para aprovação de uma mudança na Constituição (que é de 308 votos).

    É uma sinal de que pode ficar mais complicado aprovar o pacote de bondades. Antes, o requerimento para a quebra de interstício (intervalo) regimental tinha tido menos votos (294 a 95) e assinalava a pouca disposição da base governista em “bancar” o trator governista, mesmo na mais importante e desesperada manobra governista do oficialismo.

    A votação ficou para terça-feira, quando os deputados já contavam estar liberados para ficar em campanha.

    Claro que isso não indica uma possibilidade de que o esparramo eleitoral de dinheiro seja contido, mas aponta que ele ficará mais caro, politicamente e em outros “mente” que estão envolvidos na votação.

    Provavelmente será aprovada, mas sua implementação está cada vez mais complicada, até pelo fator “Pedro Guimarães”.

    Explica-se: sob holofotes, a direção da Caixa está impedida de formalizar ordens para a implementação dos benefícios. A folha do “Auxílio Brasil” de 400 reais está rodada, mas não se pode, sem a aprovação do aumento de R$ 200, rodar outra folha. Nem se fala no “auxílio-táxi” e no “voucher caminhoneiro”.

    Só em agosto, e olhe lá, a depender que tudo corra bem na semana que entra.

    Bolsonaro corre cada vez mais o risco de fazer o que não quer (dar rendaaos pobres) e não conseguir por isso o que quer, ter os seus votos.

    Curtir

  8. Auxílio não compra nem uma cesta básica

    Fernando Brito 08/07/2022 2:08 pm

    O gráfico aí em cima mostra que só em três capitais – João Pessoa, Salvador e Aracaju – o valor – já com o aumento que está para ser aprovado – do novo “Auxílio Brasil” chega a permitir a compra de uma cesta básica de alimentos, segundo o valor apurado pelo Dieese no mês passado, que inclui uma “ração básica” para uma família de quatro pessoas.

    É isso o que Bolsonaro vai fazer até a eleição: tentar comprar o voto do brasileiro mais pobre com uma sacola de comida, distribuída até que capture seus votos.

    Ou não, porque acham que a grande maioria não vai perceber isso e separar o que é a sua necessidade imediata de comer e dar de comer a seus filhos daquilo que é seu sentimento de dignidade e esperança.

    Estratégias assim podem ajudar a eleger vereador, não presidentes.

    Ainda mais numa eleição onde a transferência de renda é algo que está no DNA de seu adversário, Lula.

    Aliás, faça a você mesmo a pergunta sobre qual candidato o eleitor humilde acha que manterá o auxílio depois da eleições, se Bolsonaro ou Lula. Alguém tem alguma dúvida de que as respostas serão, na maioria, Lula?

    Alguém lembra aí quantas vezes Bolsonaro disse que Bolsa-Família era para vagabundos, que as mulheres engravidavas para receber uns tostões a a mais, que não se encontrava gente para trabalhar porque estavam todos “encostados” nos benefícios?

    O povo tem fome, mas não deixa de ter inteligência por isso. Está na dele e vai pegar o benefício, se puder. Mas não é por ele que vai dar o voto.

    Curtir

  9. A ‘moralidade’ obscena do ‘Centrão’

    Fernando Brito 09/07/2022 10:34 am

    A manchete do Estadão, hoje, é a confirmação do que se disse aqui há dois dias: a eleição de Rodrigo Pacheco à presidência do Senado custou uma cifra bilionária em recursos públicos do Orçamento da União: Os R$ 2,3 bilhões liberados na forma de “emendas do relator” – o tal “Orçamento Secreto” – aos senadores que lhe deram o voto de forma declarada, fora os que não se manifestaram. Ainda há outros 18 eleitores de Pacheco sem valores, porque o voto era, tanto quanto o Orçamento, secreto.

    Agora imaginem o quanto custou a escolha de Arthur Lira para presidir a Câmara e ganhar o direito de “sentar em cima” dos pedidos de impedimento do Presidente da República. Os 302 votos que recebeu, certamente dados com o mesmo elevado espírito publico que os oferecidos a Rodrigo Pacheco, dão a ideia de quanto podem ter custado aos cofres públicos.

    Não é preciso discutir a corrupção “em espécie” que pode vir daí, na execução de serviços e obras a que se destinem, na ponta, os valores liberados pelas emendas secretas.

    Basta que se cuide da corrupção política que elas geram, ao estabelecer quem “levará obras” a seus eleitores e quem vai cumprir o papel para o qual foi eleito: o de representar politicamente quem lhe deu o voto e os partidos pelos quais subiram ao parlamento.

    Quase todos eles pediram votos em nome da moralidade pública. E moralidade é, como se sabe, tudo aquilo que beneficia a quem a pede.

    Curtir

  10. “Apagou a luz” é boato, mas o medo é golpista

    Fernando Brito 10/07/2022 9:41 am

    Em tempo de guerra, dizem os gaúchos, boato é como terra, está em toda parte.

    Hoje, dois colunistas políticos dos mais conhecidos no Brasil – Elio Gaspari, na Folha e n’O Globo, e Ricardo Noblat, no Metrópoles, referem-se ao que seria o mesmo “plano” para “melar ” as eleições.

    Gaspari diz, em sua coluna que uma das receitas da”magia negra” seria” provocar um apagão no fornecimento de energia por algumas horas em duas ou três grandes cidades, atingindo-se um significativo número de eleitores”. E, ” com ou sem tumultos populares”…

    Melada a eleição, aparece a mesma turma pacificadora, marcando uma nova data. Calcula-se que isso só seria possível depois de pelo menos dois meses. Tendo ocorrido uma catástrofe dessas proporções, a totalização eletrônica estaria ferida.

    Já Noblat escreve que “há estudos de cenários para todos os gostos, só não há para o reconhecimento da derrota e a transferência pacífica da faixa presidencial”.

    Se a Justiça Eleitoral não admitir que os militares participem do processo de apuração de votos, Bolsonaro poderá abdicar de sua candidatura para gerar uma comoção entre seus devotos. Se esse não for o caso, um apagão de energia poderá ocorrer em algumas regiões do país no dia do primeiro turno.

    Nenhum dos dois, claro, dá muita credibilidade ao boato, embora ambos sugiram que o pântano bolsonarista tem nutrientes mais que capazes de alimentar o golpismo e as cúpulas do Congresso prestem-se, pela sua maioria a caldeirões destas feitiçarias.

    Mas a coincidência de métodos para realizá-las, informadas aos dois, quase que simultaneamente, sugere que há quem queira plantá-las, semeando o medo na população.

    Não haverá trevas no dia 2 de outubro, haverá a luz da esperança.

    Conviria esclarecer-se que as urnas possuem, cada uma delas, baterias que garantem seu funcionamento, sem alimentação externa, por mais de 10 horas, segundo o Tribunal Superior Eleitoral. Para “melar” desta forma o processo seria indispensável que houvesse um caos urbano que dependeria de ataques de arruaceiros que agisse de forma coordenada, sabotando a ordem pública.

    A propagação destes boatos, entretanto, cumpre o papel de espalhar medo na opinião pública e o medo é um aliado de Bolsonaro.

    Curtir

  11. O que leva um cidadão “de bem” policial, que se diz “cristão conservador” invadir armado uma festa particular, e causar aquela tragédia. Estragou 2 famílias, inclusive a dele e agora tá todo fodid#. Se sobreviver, vai perder o emprego, ganhar uma bela cana, enquanto o protagonista que ele defende tá lá todo bonitão, falando as merd@s de sempre! Burrice esse é o seu nome!

    Curtir

    • Por favor não confunda uma atitude isolada, que merece punição e terá, com o seu pensamento e visão do mundo! Aqui fica a pergunta o que leva um marido a matar a esposa, mãe do seu filho porque ela estava comemorando a conquista de um título do seu time de coração, que não era o mesmo do marido? O que leva uma pessoa a matar ou por conta de futebol? Isso mesmo não há explicação! E usando a sua “lógica” os jogadores do time do marido homicida estão de boa! Todos bonitões e muito bem pagos! Já o marido/pai está preso ….. Explica aí?

      Curtir

      • Gente louca existe em todo lugar, invlusive cometendo feminicídios e assassinatos por causa de futebol e outras besteiras por aí. Mas me referi especificamente a um policial, que deve ganhar um baita salário, ter uma família bacana e destroçou 2 famílias por causa do bozo que fica falando as merd@, que nem vou repetir pq todo mundo já sabe! Na verdade vc já sabe disso tudo que eu falei… mas precisava “passar um paninho” pro mito. O Brasil nunca passou por isso. Acorda !

        Curtir

        • Vc que está passando pano! Ou você não lembra que o seu ídolo lançou o nos contra eles! Ou você também não ficou sabendo que o seu candidato recentemente rendeu homenagens a dois PeTralhas pai e filho que agrediram uma pessoa porque estava comemorando a prisão do 9 dedos! Mandando está pessoa para a UTI! Agora as m…que o seu ídolo fala não conta? Veja o vídeo onde uma militante PeTralha diz ter ódio da classe média, fazendo discurso de ódio e molusco morrendo de rir e achando graça! Isso não conta! E outra pateta esquerdista dizendo que entende a lógica do roubo/assalto dando a entender que a vítima ter que ser conformar! Isso não é discurso de ódio? O presidente pode até falar m…..mas o ex-presidiário fala muito mais!

          Curtir

          • Quem ta falando de Lula? Só pensa em Lula? Tô falando de um insano que imita gente morrendo de Covid. Só isso já mostra que o cara é doente e Quem o segue é pior, haja vista o policial maluco que fez merd@! Cuidado aí com essa insanidade! Vc é um sério candidato!

            Curtir

            • Entendi! Você posta sua opinião num post sobre o maior litigante do Brasil, imputa a “responsabilidade” de um crime político ao presidente, num país que as eleições está em clima de Fla x Flu, mas não era isso que você queria chamar atenção! E eu sou candidato a doido! Você é o isentão ou melhor você acredita na terceira via, repito e eu sou candidato a doido! Está certo!

              Curtir

  12. O controlador do ódio

    Fernando Brito 11/07/2022 11:48 pm

    Qualquer um que observe o que se passa nas redes sociais sabe que o episódio de violência insana em Foz do Iguaçu é apenas um dos primeiros e não o final da violência que marca esta campanha eleitoral.

    Não há, apesar das declarações “pacifistas” de autoridades federais, nenhuma determinação em deter este processo. E, no caso das duas maiores autoridades do país, o presidente e o vice-presidente da República, nem sequer declarações pacifistas.

    Todo este discurso mimizento sobre radicalização política cai no vazio diante dos fatos.

    Ninguém foi a uma festa sertaneja dizer “Lula lá” e dar tiros em pessoas, mas o contrário, um dos milhares de fanáticos bolsonaristas é que invadiu uma festa de aniversário e disparou, de longe e à queima roupa, contra uma pessoa que, para ele, tinha de ser eliminada.

    Não há dois polos violentos a condenar, há apenas um, o da extrema-direita e todos os que a ela são coniventes.

    Vejam como a mídia só cobra ao presidente da República que ele passe a ser, ao menos, hipócrita e manifeste condolências ao morto por seu fanático, no mínimo por razões eleitorais. E espantam-se, sei lá porque, que de nem isso ele seja capaz.

    É este tipo de moderação em que creem?

    Não procurem nas pesquisas eleitorais da semana seguinte o resultado dos fatos sobre a opinião pública, porque elas são um processo mais lento de digestão.

    O que elas mostram para o segundo turno são, cada vez mais, o indicativo do primeiro.

    Paradoxalmente, Jair Bolsonaro entrou num processo de desmonte que consiste na sua estratégia de falar à sua bolha, indiferente ao fato de que ela é limitada.

    Bolsonaro está expelindo eleitores que são resistentes a Lula, mas não concordam com a transformação do país numa república miliciana, embora concordem com que ela seja uma república de privilegiados.

    Curtir

  13. Dora Kramer: “Se não houver interferência, ambiente político terá cada vez mais violência”

    Curtir

  14. ‘Contagem militar’ das urnas é suicídio anunciado

    Fernando Brito 12/07/2022 1:33 pm

    Infelizmente, está se tornando irreversível para a manutenção do Estado de Direito que as Forças Armadas sejam absolutamente excluídas do processo eleitoral, a não ser nas funções logísticas que sempre estiveram a seu cargo.

    A se confirmar o que publica hoje o Estadão, de que os militares “planejam” uma “fiscalização paralela” às eleições que incluiria a ordem de Bolsonaro para que “as Forças Armadas promovam uma contagem de votos à margem da oficial”.

    É evidente que, se é possível fiscalizar a contagem e totalização dos votos que faz a Justiça Eleitoral, ela é a única contagem possível, cabendo a quem dela discordar que apresente contestação, pedidos de recontagem e de revisão da totalização.

    Não é possível que outra instituição estatal assuma o papel de controladora e é evidente que dizer que uma totalização dos votos feita pelas Forças Armadas é um pretexto para “melar” as eleições planejado para que o candidato que notoriamente os chefes militares apoiam seja o vencedor de fato e que, como a ninguém se pode recorrer contra as Armas, o país seja lançado em uma crise sem tamanho, interna e externa.

    Interna, porque vai tornar a reação em defesa do resultado legítimo, apurado pela Justiça, um enfrentamento direto aos militares e suas baionetas ou mesmo aos militares que recusarem a esta usurpação de poderes a única alternativa de voltarem-se contra comandos comprometidos com a intervenção no processo eleitoral.

    Externa, porque é impensável que o mundo tolere uma intervenção militar no Brasil, em dias muito distantes de uma “Guerra Fria” que só sobrevive nas teias de aranha do pensamento reacionário senil dos embolorados generais do Clube Militar e nos facínoras milicianos.

    Comandantes sensatos nunca levam seus comandados para posições que não admitam recuos. Só os líderes tresloucados exigem isso de seus exércitos.

    Bem, é um líder tresloucado o que temos, resta saber se temos comandantes suicidas.

    Curtir

  15. O chefe do Executivo reclamando que o assassino do petista foi agredido com chutes. O único agressor que foi pego em flagrante e saiu sem nenhum arranhão, foi o Adélio quando deu a facada.🤔 Mistérios!

    Curtir

    • A verdade é a realidade, não o desejo

      Fernando Brito 4/07/2022
      10:47 am

      Não há nada de errado em que alguém não goste do ex-presidente Lula. Como qualquer liderança política e partidária ele merece críticas e faz parte da diversidade humana aceitar e conviver com as divergências.

      Mas não é isso, infelizmente, que está em questão nestas eleições.

      O que está em disputa é a própria continuidade do convívio democrático em nosso país, algo que Lula jamais ameaçou, muito ao contrário.

      Não há outra lição a tirar da escalada das palavras e atos que estão se sucedendo e que comprometem as próprias instituições da República, que cedem ou não podem resistir à ofensiva autoritária.

      Jair Bolsonaro não para. Ontem, disse aos dois ministro que indicou ao Supremo, André Mendonça e Kassio Marques, como devem agir. Diz ao Ministro da Defesa como deve atacar as urnas e arrastar as Forças Armadas à iminência de um golpe contra o processo eleitoral.

      Ninguém que ascende a posições de poder neste Governo pode exercer suas atribuições com qualquer grau de autonomia ou liberdade: Mefistófeles lhes exige a alma.

      O processo eleitoral é, nos dias que vivemos, algo parecido a um exorcismo, no qual tentaremos fazer com que o Brasil saia da possessão maligna do ódio, das armas e “arminhas”, da postura policialesca em dividir-nos em pessoas “do bem” e, em consequência, em gente “do mal”, que se extrema na ideia de eliminar todos os que não pensam igual.

      Este é o fundamento do pensamento nazista, o do amaldiçoar do diferente e, com essa “justificativa”, eliminá-lo.

      E infelizmente, como provam as pesquisas de intenção de voto registrando ainda 30% para a besta-fera que preside o país, não é algo que esteja restrito a tumores de fanatismo.

      Não está em questão nem o direito de alguém pretender ser candidato ou de partidos desejarem se representar na corrida presidencial. Em condições normais, isto é positivo e legítimo.

      Mas a realidade não é assim e o risco que o golpismo apresenta para estas eleições não pode deixar de ser visto e considerado com a gravidade que tem.

      Quem não quiser enxergar a realidade e agir como ela exige de todos, não reclame de que o povo brasileiro esteja deixando só quem age assim.

      Curtir

  16. “Sentido figurado”

    Fernando Brito 13/07/2022 9:05 am

    Eu vou metralhar você, mas é em sentido figurado, talquei?

    É impressionante que seja essa a saída de Jair Bolsonaro para esquivar-se das responsabilidades por todo o seu discurso de ódio e assustador que as autoridades brasileiras.

    Se eu ou você estivéssemos dizendo que se tinha de “metralhar” bolsonaristas estaríamos, a esta altura, respondendo a processo, com toda a razão.

    A anunciada intenção de levar irmãos – que sequer estavam na festa onde Marcelo Arruda foi assassinado em Foz do Iguaçu – para darem uma entrevista negando a óbvia motivação política da agressão e que ela estaria sendo “explorada politicamente” é uma crueldade monstruosa, não apenas contra a vítima e contra sua mulher, que é categórica na descrição do fato e que tentou, de todas as formas, evitar o crime.

    A atitude do presidente é mais que tentar ocultar que foi um crime de ódio, é um incentivo a que isso se repita.

    E ele, infelizmente, não está só nesta empreitada satânica, tem a companhia de generais, procuradores, chefes da Polícia Federal, das estaduais e todos os que estão deixando de classificar como crime político aquilo que escancaradamente o é.

    Deveriam estar, a esta altura, bloqueando o caminho para que Bolsonaro siga em sua escalada de ódio.

    Infelizmente, porém, fazem da omissão e os “mimimi sobre os “dois lados da polarização”, como se a vítima tivesse ido buscar seu assassino por fanatismo político, e não o contrário.

    Curtir

  17. Felizmente, estamos , mesmo que se arrastando, chegando ao final do pior governo que as polícias já tiveram neste Estado. O maior achatamento salarial e esvaziamento que as corporações já enfrentara.
    Para alegria de todos disse que não disputará mais cargo eletivo nenhum. Como o que fala e pé, não fala sentado, fiquem com um pé na frente e outro atrás.

    Curtir

  18. A verdade é a realidade, não o desejo

    Fernando Brito 4/07/2022
    10:47 am

    Não há nada de errado em que alguém não goste do ex-presidente Lula. Como qualquer liderança política e partidária ele merece críticas e faz parte da diversidade humana aceitar e conviver com as divergências.

    Mas não é isso, infelizmente, que está em questão nestas eleições.

    O que está em disputa é a própria continuidade do convívio democrático em nosso país, algo que Lula jamais ameaçou, muito ao contrário.

    Não há outra lição a tirar da escalada das palavras e atos que estão se sucedendo e que comprometem as próprias instituições da República, que cedem ou não podem resistir à ofensiva autoritária.

    Jair Bolsonaro não para. Ontem, disse aos dois ministro que indicou ao Supremo, André Mendonça e Kassio Marques, como devem agir. Diz ao Ministro da Defesa como deve atacar as urnas e arrastar as Forças Armadas à iminência de um golpe contra o processo eleitoral.

    Ninguém que ascende a posições de poder neste Governo pode exercer suas atribuições com qualquer grau de autonomia ou liberdade: Mefistófeles lhes exige a alma.

    O processo eleitoral é, nos dias que vivemos, algo parecido a um exorcismo, no qual tentaremos fazer com que o Brasil saia da possessão maligna do ódio, das armas e “arminhas”, da postura policialesca em dividir-nos em pessoas “do bem” e, em consequência, em gente “do mal”, que se extrema na ideia de eliminar todos os que não pensam igual.

    Este é o fundamento do pensamento nazista, o do amaldiçoar do diferente e, com essa “justificativa”, eliminá-lo.

    E infelizmente, como provam as pesquisas de intenção de voto registrando ainda 30% para a besta-fera que preside o país, não é algo que esteja restrito a tumores de fanatismo.

    Não está em questão nem o direito de alguém pretender ser candidato ou de partidos desejarem se representar na corrida presidencial. Em condições normais, isto é positivo e legítimo.

    Mas a realidade não é assim e o risco que o golpismo apresenta para estas eleições não pode deixar de ser visto e considerado com a gravidade que tem.

    Quem não quiser enxergar a realidade e agir como ela exige de todos, não reclame de que o povo brasileiro esteja deixando só quem age assim.

    Curtir

  19. Ô, BANANINHA : ACEITA QUE DÓI MENOS ! PAPO DE NÃO ACEITAR RESULTADOS DE OUTUBRO DENUNCIA A PERDA

    Curtir

  20. Milícia solta nas ruas

    Fernando Brito 17/07/2022 11:26 am

    Manchete do site da Folha diz que “Confusão legal criada por governo Bolsonaro abre brecha para porte de arma automático a CACs ” – os os ditos “caçadores, atiradores e colecionadores’, para os quais Jair Bolsonaro liberou a posse de até 60 armas de grosso calibre – para que eles andem por toda parte e em qualquer horário, carregando um ou mais de seus trabucos, por uma “bagunça jurídica” criada pela legislação, que permite alegar que sempre se estaria “a caminho” de um estande de tiro.

    Ora, é evidente que não se trata de “bagunça” alguma, mas de um truque jurídico para que o porte das armas sempre esteja justificado e, portanto, se converta numa autorização ao meio milhão de CACs andarem armados onde quer que seja, bastando alegar que estão se dirigindo de um dos 2.610 “clubes de tiro”, que passaram a incluir a alegação de que funcionam 24 horas por dia, para que seu sócios tenha sempre “cobertura”.

    Até um entusiasta das de armas, o delegado de polícia paulista Gustavo Galvão Bueno assume que é uma tramóia:

    “É muito difícil a pessoa obter o porte. Aí, por conta disso, o que as pessoas fizeram? Acabaram utilizando a posse [de arma] como uma maneira de flexibilizar [a lei], e atingir os seus direitos de portar uma arma de fogo. Criou-se, por exemplo, os estandes de tiro 24 horas para a pessoa justificar o trânsito da arma de madrugada. Aí, ela diz que estava indo ao estande de tiro”.

    Se o Exército e a Polícia Federal, responsáveis pelo (des)controle das armas acham que é bom para a sociedade que quase 500 mil pessoas vaguem pelas ruas com armas pesadas, municiadas, que então tenham a coragem de dizer que não são eles que devem fazer a proteção do país e do cidadão.

    Para eliminar isso, bastaria que baixassem portarias regulamentando o transporte de armas, não é preciso nem lei, nem decreto.

    Curtir

  21. Moraes freia mentiras bolsonaristas. Mas elas não vão parar

    Fernando Brito 8/07/2022 11:19 am

    A decisão do ministro Alexandre de Moraes impedindo que bolsonaristas continuem usando a morte de Celso Daniel – o prefeito de Santo André assassinado há 20 anos – para acusar Lula e o PT de um envolvimento no crime que jamais foi apontado pela justiça não poderia ser mais evidenciadora de que é apenas uma de muitas fake news de que se serve a extrema direita. Diz Moraes:

    “[É de] conhecimento público e notório, [que] o assassinato do ex-prefeito Celso Daniel se trata de caso encerrado perante o Poder Judiciário, com os responsáveis devidamente processados e julgados, estando cumprindo pena. Também é fato conhecido e amplamente divulgado que o Ministério Público de São Paulo encerrou definitivamente as apurações, não havendo notícia do envolvimento do Partido dos Trabalhadores ou de seus membros”.

    A decisão foi dirigida a 14 sites e redes sociais, entre eles os de Flávio Bolsonaro e os dos deputados Otoni de Paula e Carla Zambelli (PL-SP) e também Max Guilherme, um policial militar convertido em “assessor residencial”.

    Moraes. que semana passada havia mandado suas pender a veiculação de um suposto diálogo – evidentemente forjado – entre Ciro Gomes e alguém apontado como chefe de uma organização criminosa, sabia, claro, que seria atacado pelo bolsonarismo e – anotem aí – que vai receber novas acusações do próprio presidente da República, deixou claro o que fez, em seu despacho.

    “Liberdade de expressão não é liberdade de propagação de discursos mentirosos, agressivos, de ódio e preconceituosos! Há nítida percepção de que as mentiras divulgadas objetivam, de maneira fraudulenta, persuadir o eleitorado a acreditar que um dos pré-candidatos e seu partido, além de terem participaram da morte do ex-prefeito Celso Daniel, possuem ligação com o crime organizado, com o fascismo e com o nazismo, tendo, ainda igualado a população mais desafortunada ao papel higiênico. O sensacionalismo e a insensata disseminação de conteúdo inverídico com amanha magnitude pode vir a comprometer a lisura do processo eleitoral, ferindo valores, princípios e garantias constitucionalmente asseguradas, notadamente a liberdade do voto e o exercício da cidadania”.

    Desta vez, parece que a Justiça não ficará em silêncio cúmplice diante dos “kit gay” e outras barbaridades monstruosas, mas é necessário fazer o que, desta vez PT fez: judicializar as denúncias, para que elas não se tornem aceitas pela omissão.

    Curtir

  22. E o bozo? Fazendo o “discurso de perdedor” em frente a vários embaixadores? Kkk…… ficou no vácuo, ngm aplaudiu pro louco dançar! Ushuashsuas ushuashuashuas hushusashusashuas… num aguento!

    Curtir

  23. Motivo de assassinato foi político do início ao fim, diz MP

    Fernando Brito 20/07/2022 4:50 pm

    Embora a legislação brasileira não preveja a figura de “crime político” dirigido contra pessoa, os procuradores de Justiça do Paraná Luiz Mafra da Silva e Thiago Mendonça afirmaram ontem que a motivação do assassinato do petista Marcelo Arruda, em Foz do Iguaçu, foi totalmente política, derrubando a inacreditável conclusão da polícia estadual de que o agente penal Jorge Guaranho teria disparado contra ele por estar “se sentindo humilhado” por, depois de ter apontado a arma contra sua vítima, esta reagiu atirando sobre o carro um punhado de terra.

    Menos mal, porque se restaura o que todos viam: que foi o ódio bolsonarista a razão inicial e final do assassinato (veja a denúncia abaixo).

    Os promotores dizem que não há divisão entre o primeiro momento – a ida de Guaranho para provocar os participantes da festa – e a sua volta, para disparar contra Marcelo:

    Ato contínuo, onze minutos após, às 23h51min, JORGE JOSÉ DA ROCHA GUARANHO chegou sozinho e conduzindo o mesmo veículo, aos brados de ‘aqui é Bolsonaro’, à sede da ARESF. (…) Ainda na parte externa, GUARANHO, dolosamente e imbuído da mesma fútil motivação, dizendo ‘petista vai morrer tudo’, detonou dois disparos contra a vítima, atingindo-a no abdômen e na coxa direita, o que a fez cair. Ato contínuo, o denunciado, correndo, ingressou no quiosque e, extravasando todo seu animus necandi (intuito de matar), detonou mais um disparo na vítima já caída, sem, contudo, alvejá-la, por força da intervenção de Pâmela (mulher de Marcelo).
    Foi o ódio político que conduziu Guaranho ao crime e foi ele que o fez cometê-lo e o grito de “petista vai morrer tudo” deixa aberta a suposição de que ele pudesse produzir uma chacina maior, disparando contra Marcelo porque este, armado, poderia ser um obstáculo para fazer “morrer tudo” em relação a outros convidados que, a esta altura, já estavam reagindo verbalmente à sua invasão.

    E Guaranho não ficou assim por “sentir-se humilhado”, mas por pertencer a uma comunidade de odiadores, que lhe serviu de patamar para que desse o salto individual para a agressão armada.

    Curtir

  24. Bolsonaristas regam com mentiras o seu viveiro de loucos

    Fernando Brito 23/07/2022
    8:23 am

    O assassino de Foz do Iguaçu e o valentão de Minas, preso ontem por ordem de Alexandre de Moraes não são loucos que surgiram por “geração espontânea”, embora sejam, evidentemente, pessoas com distúrbios evidentes.

    E que se tornam perigosos porque foram e estão sendo insuflados ao ódio, de forma deliberada, por Jair Bolsonaro e sua prole de beneficiários.

    Agora, circulam no Zap imagens de um homem negro, sem camisa, agredindo um padre (na verdade, um bispo), em plena missa, e dizendo que aquilo se passa na França “mas, pela postura de militantes de esquerda que trabalham por Lula, pode ser aqui muito em breve…”.

    Quem publica o vídeo? Flávio Bolsonaro.

    Não apenas há mentira, mas desumanidade e intenção de incitar ao atitudes violentas.

    A cena ocorreu na Guiana (e não na França), em 2020 e o homem é um doente mental, um dos muitos que perambulam em Georgetown, capital do país. O bispo, Francis Alleyne, continua tranquilamente a missa e pede aos presentes que “rezem por nosso irmão”, referindo-se ao desequilibrado, que foi detido na porta da igreja.

    As agências de checagem, inclusive a France Press já expuseram a armação, mas a mentira segue rolando solta nas redes, propagadas por obtusos que nem passam perto de querer saber se é verdade ou mentira, já que vem do filho do presidente e senador da República.

    Mesmo diante da evidente tentativa de provocar ódio religioso também entre os católicos, nada se faz e aquilo segue sendo espalhados para incautos. Muitos, aliás, prometem surras ou algo mais “se fizerem isto por aqui”.

    Um senador da República, sem qualquer escrúpulo,

    O bolsonarismo, em desespero, quer transformar uma eleição em um cruzada religiosa hipócrita que tem antes parte com o diabo que com Deus.

    Quando isso virar uma tragédia, não dizer que não tem nada com isso e que não podem controlar seus seguidores.

    Curtir

  25. Bolsonaristas regam com mentiras o seu viveiro de loucos

    Fernando Brito
    23/07/2022
    8:23 am

    O assassino de Foz do Iguaçu e o valentão de Minas, preso ontem por ordem de Alexandre de Moraes não são loucos que surgiram por “geração espontânea”, embora sejam, evidentemente, pessoas com distúrbios evidentes.

    E que se tornam perigosos porque foram e estão sendo insuflados ao ódio, de forma deliberada, por Jair Bolsonaro e sua prole de beneficiários.

    Agora, circulam no Zap imagens de um homem negro, sem camisa, agredindo um padre (na verdade, um bispo), em plena missa, e dizendo que aquilo se passa na França “mas, pela postura de militantes de esquerda que trabalham por Lula, pode ser aqui muito em breve…”.

    Quem publica o vídeo? Flávio Bolsonaro.

    Não apenas há mentira, mas desumanidade e intenção de incitar ao atitudes violentas.

    A cena ocorreu na Guiana (e não na França), em 2020 e o homem é um doente mental, um dos muitos que perambulam em Georgetown, capital do país. O bispo, Francis Alleyne, continua tranquilamente a missa e pede aos presentes que “rezem por nosso irmão”, referindo-se ao desequilibrado, que foi detido na porta da igreja.

    As agências de checagem, inclusive a France Press já expuseram a armação, mas a mentira segue rolando solta nas redes, propagadas por obtusos que nem passam perto de querer saber se é verdade ou mentira, já que vem do filho do presidente e senador da República.

    Mesmo diante da evidente tentativa de provocar ódio religioso também entre os católicos, nada se faz e aquilo segue sendo espalhados para incautos. Muitos, aliás, prometem surras ou algo mais “se fizerem isto por aqui”.

    Um senador da República, sem qualquer escrúpulo,

    O bolsonarismo, em desespero, quer transformar uma eleição em um cruzada religiosa hipócrita que tem antes parte com o diabo que com Deus.

    Quando isso virar uma tragédia, não dizer que não tem nada com isso e que não podem controlar seus seguidores.

    Curtir

  26. Corrupção em camadas, por cascata, formato piramidal, os abaixo pegam o leite das crianças e mandam a parte dos de cima até o Rei. PIC no MP só depois que lavaram a égua de tanto roubar. Acorda aí MP!

    Curtir

  27. Dr.War… Avisa essa desesperada que todos tem UOL e podem ler por lá esse monte de reportagem. Ela continua a fazer o mesmo. Cola 200 reportagens anti Bozo por segundo. Eleições passadas ela fez o mesmo. Assim vc não consegue nem ver os últimos comentários dos outros flitadores. É tudo reportagem dessa sem noção, “vivedora de renda”, aposentada com meia hora de polícia” (graças a lei aaiiinnnn).
    Dá um filtro ou block nela. Pode colar, mas esse monte aí não dá.

    Curtir

    • Colega eu também já constatei isso, mas a “portadora” de deficiência visual, pior cego é aquele que não quer ver, não se toca, não se manca. Ela com os seus corte e cola deste pseudo jornalista, que está mais para a pele mais fina do saco do LULLADRÃO, não pensa por si própria! Eu também constatei a ausência de outros flitadores, exemplo o Fubica, com seus textos super engraçados e espirituosos, não sei se tem relação mas depois que essa Dona Maria sem noção passou a monopolizar as postagens com seus cortes e cola notei a sumida de muitos outros, inclusive eu deixei de ser tão presente por não aguentar essa senhora, obs não estou sugerindo censura a quem quer que seja, mas que ela enche bem o saco com os seus corte e cola isso ela enche! Mas fazer o que?!

      Curtir

          • Guedes e o “melhor não contrariar maluco’

            Fernando Brito 30/07/2022 11:07 am

            Só não é tragicômica a informação, publicada por Mônica Bergamo no Painel da Folha de S. Paulo, de que Paulo Guedes estaria dizendo a interlocutores poderosos que uma certa ” psicologia do desespero pode levar Jair Bolsonaro “a esticar a corda, como autodefesa, o que levaria a novas reações da Justiça, numa escalada sem limites”, porque quando o Ministro da Economia diz que seu chefe está desesperado e que, por isso, é um perigo, quem está em jogo é o país e seu povo.

            Não é o folclórico “ele não pode ser contrariado” que se poderia dizer de um psicótico, mas a admissão, por parte de quem tem o dever de zelar pela administração econômica do país de que é preciso não irritar o ex-capitão para que ele não se disponha a (mais) aventuras desastrosas para o país.

            Então, segundo Guedes, o “Mito” pode tornar-se um Nero?

            Toda esta onda em torno da concessão de uma futura “imunidade” a Bolsonaro é apenas uma tentativa de exculpação de suas intenções golpistas por parte de seus auxiliares (cúmplices soaria melhor) que, preservado o chefe, teriam esperanças de não pagar, política e criminalmente, pelo que fizeram,

            Bolsonaro, ele próprio, pode até deixar correrem, desde que discretamente, essas conversas. Mas não vai tomar a frente desta “anistia” porque isso seria a confissão antecipada da derrota.

            Difícil mesmo vai ser ele aprender a falar o idioma da Hungria, única rota de fuga possível para sua covardia.

            Curtir

  28. 507.327 Adesões
    Carta às brasileiras e aos brasileiros em defesa do Estado Democrático de Direito!
    Em agosto de 1977, em meio às comemorações do sesquicentenário de fundação dos cursos jurídicos no país, o professor Goffredo da Silva Telles Junior, mestre de todos nós, no território livre do Largo de São Francisco, leu a Carta aos Brasileiros, na qual denunciava a ilegitimidade do então governo militar e o estado de exceção em que vivíamos. Conclamava também o restabelecimento do estado de direito e a convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte.

    A semente plantada rendeu frutos. O Brasil superou a ditadura militar. A Assembleia Nacional Constituinte resgatou a legitimidade de nossas instituições, restabelecendo o estado democrático de direito com a prevalência do respeito aos direitos fundamentais.

    Temos os poderes da República, o Executivo, o Legislativo e o Judiciário, todos independentes, autônomos e com o compromisso de respeitar e zelar pela observância do pacto maior, a Constituição Federal.

    Sob o manto da Constituição Federal de 1988, prestes a completar seu 34º aniversário, passamos por eleições livres e periódicas, nas quais o debate político sobre os projetos para país sempre foi democrático, cabendo a decisão final à soberania popular.

    A lição de Goffredo está estampada em nossa Constituição “Todo poder emana do povo, que o exerce por meio de seus representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição”.

    Nossas eleições com o processo eletrônico de apuração têm servido de exemplo no mundo. Tivemos várias alternâncias de poder com respeito aos resultados das urnas e transição republicana de governo. As urnas eletrônicas revelaram-se seguras e confiáveis, assim como a Justiça Eleitoral.

    Nossa democracia cresceu e amadureceu, mas muito ainda há de ser feito. Vivemos em país de profundas desigualdades sociais, com carências em serviços públicos essenciais, como saúde, educação, habitação e segurança pública. Temos muito a caminhar no desenvolvimento das nossas potencialidades econômicas de forma sustentável. O Estado apresenta-se ineficiente diante dos seus inúmeros desafios. Pleitos por maior respeito e igualdade de condições em matéria de raça, gênero e orientação sexual ainda estão longe de ser atendidos com a devida plenitude.

    Nos próximos dias, em meio a estes desafios, teremos o início da campanha eleitoral para a renovação dos mandatos dos legislativos e executivos estaduais e federais. Neste momento, deveríamos ter o ápice da democracia com a disputa entre os vários projetos políticos visando convencer o eleitorado da melhor proposta para os rumos do país nos próximos anos.

    Ao invés de uma festa cívica, estamos passando por momento de imenso perigo para a normalidade democrática, risco às instituições da República e insinuações de desacato ao resultado das eleições.

    Ataques infundados e desacompanhados de provas questionam a lisura do processo eleitoral e o estado democrático de direito tão duramente conquistado pela sociedade brasileira. São intoleráveis as ameaças aos demais poderes e setores da sociedade civil e a incitação à violência e à ruptura da ordem constitucional.

    Assistimos recentemente a desvarios autoritários que puseram em risco a secular democracia norte-americana. Lá as tentativas de desestabilizar a democracia e a confiança do povo na lisura das eleições não tiveram êxito, aqui também não terão.

    Nossa consciência cívica é muito maior do que imaginam os adversários da democracia. Sabemos deixar ao lado divergências menores em prol de algo muito maior, a defesa da ordem democrática.

    Imbuídos do espírito cívico que lastreou a Carta aos Brasileiros de 1977 e reunidos no mesmo território livre do Largo de São Francisco, independentemente da preferência eleitoral ou partidária de cada um, clamamos as brasileiras e brasileiros a ficarem alertas na defesa da democracia e do respeito ao resultado das eleições.

    No Brasil atual não há mais espaço para retrocessos autoritários. Ditadura e tortura pertencem ao passado. A solução dos imensos desafios da sociedade brasileira passa necessariamente pelo respeito ao resultado das eleições.

    Em vigília cívica contra as tentativas de rupturas, bradamos de forma uníssona:

    Estado Democrático de Direito Sempre!!!!
    Assine a Carta em defesa do Estado Democrático de Direito

    Nome completo
    CPF
    E-mail
    Ocupação / Atividade
    Concordo com o termo de consentimento para tratamento de dados.

    Curtir

  29. Manifesto pela democracia chega ameio milhão de assinaturas

    Fernando Brito 9/07/2022 11:04 pm

    Minutos atrás, a Carta às brasileiras e aos brasileiros em defesa do Estado Democrático de Direito, o manifesto suprapartidário contra as ameaças ao processo eleitoral, atingiu meio milhão de assinaturas, todas verificadas por CPF, sem o uso de robôs e, ao contrário, sofrendo inúmeras tentativas de sabotagem cibernética.

    O Governo sentiu, tento fazer “graça” com um tuíte debochado do próprio presidente da República, ridículo ante as suas responsabilidades e promovendo um “abaixo-robotivado” para tentar se mostrar majoritário, com um texto escrito de maneira tosca e cheio de conclamações religiosas.

    Não vai funcionar, é claro. Mas isso não nos desobriga a chamar todos os democratas a subscrever o texto que defende nossos direitos e nossas liberdades.

    Ele precisa de muito mais que o meio milhão de adesões que já tem e, quem sabe, uma delas seja a sua, a de seus amigos, de sua família e de seus companheiros de trabalho.

    Assine e mostre a eles como assinar. E não deixe que as redes sociais sejam controladas por fanáticos, fundamentalistas e autoritários.

    Leva um minuto e faltar a este dever pode nos custar muitos anos.

    Curtir

    • Tentei postar o link para Paqueles qie desejkam assinae o manifestio oeka demiocracuam nas ficoy bi “swu cimebtáriio aguarda moderação”. Que pena. …

      Curtir

  30. Quem tá sabendo do Medico Legista que foi pegando praticando um oral em serviço na sede da SPTC?

    Curtir

Os comentários estão desativados.